Wordpress Themes

O Cuidado com as Ovelhas - Ev. Isaías de Jesus

TEXTO AUREO:- “Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá sua vida pelas ovelhas” João 10: 11

VERDADE PRATICA:- Senão cuidarmos das ovelhas de Cristo, de acordo com o que prescreve o Sumo Pastor, como haveremos de comparecer perante Ele?

INTRODUÇÃO

“No ensino de Cristo por parábolas, … as coisas naturais eram o veículo para as espirituais; cenas da Natureza e da experiência diária de seus ouvintes eram relacionadas com as verdades das Escrituras Sagradas. Guiando assim do reino natural para o espiritual, são as parábolas de Cristo, elos na cadeia da verdade que une o homem a Deus, e a Terra ao Céu.” (1)

I - A PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA

EM BUSCA DA OVELHA PERDIDA

“Então, lhes propôs Jesus esta parábola: Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.” (2)

Nesta parábola encontramos a revelação clara do misericordioso amor de

Deus para com aqueles que se desviam. Deus não os abandona na miséria. Está cheio de amor e terna compaixão para com todos os que estão expostos às tentações do astucioso inimigo. “Minha atenção foi chamada para a parábola da ovelha perdida, as noventa e nove ovelhas são deixadas no deserto, e começa a busca daquela que se extraviou. Ao encontrar a ovelha perdida, o pastor suspende-a aos ombros, e volta cheio de regozijo. Não volta murmurando e censurando a pobre ovelha perdida por haver-lhe causado tanta dificuldade; pelo contrário, com júbilo ela é carregada.” (3)

II - NECESSIDADES DA OVELHA PERDIDA

1. Cuidado.

A ovelha é de estrutura física frágil - facilmente se cansa; visão limitada - só enxerga de 8 a 10 metros; indefesa - necessita sempre da presença do pastor para protegê-la e livrá-la dos perigos.

Tal como a ovelha, o homem não tem força em si mesmo.O pecado consumiu-lhe o vigor moral e espiritual. Não pode por si mesmo sair do abismo do pecado - depende inteiramente do Bom Pastor. Disse Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”.

2. Orientação.

Um cão, um gato ou um cavalo, quando se extraviam, sabem perfeitamente achar o caminho de volta. Eles parecem possuir uma bússola interior. Com a ovelha isso não acontece. Diferente de outros animais, a ovelha que se encontra perdida, precisa ser buscada e orientada para retornar ao aprisco. Há uma lição aqui: Da mesma forma, toda a alma que se encontra longe da Casa Paterna, necessita de busca e da orientação divina para voltar ao aprisco. Jesus afirmou: “Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida”.

3. Segurança e Proteção.

Devido a sua fragilidade, a ovelha não sabe defender-se, e facilmente torna-se presa de animais ferozes. Assim como a ovelha indefesa, o pecador necessita da presença e do poder divino para defender-se dos ataques do inimigo. O diabo é representado “como leão que ruge procurando alguém para devorar.” Quando a alma se encontra no esconderijo de Deus, ali há segurança e proteção.

4. Descanso.

Uma das necessidades da ovelha que está perdida é descansar, para isto ela precisa de um lugar limpo, onde não haja nada que a incomode. A alma que se encontra longe de Deus carrega o fardo terrível do pecado, até não mais poder voltar para casa, necessita descansar das torturas que o pecado lhe causou. É neste momento que aparece o Pastor das Ovelhas oferecendo descanso e paz fazendo o solene convite: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” (4)

III - LIÇÕES DA PARÁBOLA

No estudo da parábola da ovelha perdida extraímos lições espirituais que devem ser bem compreendidas.

1. Todo homem é propriedade de Deus.

Uma verdade básica que todos devem reconhecer é: Os homens são propriedade de Deus, foram criados e comprados por Ele. “Vós, pois, ó ovelhas minhas, ovelhas do meu pasto; homens sois, mas eu sou o vosso Deus, diz o SENHOR Deus.” (6)

“Entre a multidão que rodeava a Jesus, havia pastores e também homens que investiam dinheiro em rebanhos e gado; e todos podiam apreciar Sua ilustração. Estas almas que vós desprezais, dizia Jesus, são propriedade de Deus. Pertencem-Lhe pela criação e redenção, e a Seus olhos são de grande valor.” (7)

2. O amor de Deus alcança todos os perdidos.

“Assim como o pastor ama as ovelhas e não pode sossegar enquanto uma única lhe falta, também Deus, em grau infinitamente mais alto, ama todo perdido…. Nenhuma das ovelhas extraviadas do redil de Deus é desprezada, nem abandonada sem socorro. Cristo salvará a cada um que se queira deixar redimir do abismo da corrupção e dos espinheiros do pecado.” (8)

“Ele veio mostrar que Seu dom de misericórdia e amor é tão ilimitado como o ar, a luz ou a chuva que refrigera a Terra. Seu amor é tão vasto, tão profundo, tão pleno, que tudo penetra.” (9)

3. Cristo se identifica com a alma que se encontra perdida.

Para resgatar o homem das mãos de Satanás, o Filho de Deus desceu a este mundo, tomou a forma humana, e identificou-se com as fraquezas do homem. “Sabeis a altura de que Ele desceu, a profundeza de humilhação a que Se sujeitou; Seus pés caminharam na senda do sacrifício, e não se apartaram dela até que deu Sua vida. Para Ele não houve descanso entre o trono do Céu e a cruz. Seu amor pelo homem levou-O a aceitar todas as indignidades e a suportar todos os abusos.” (10)

Ele conhece todas as ansiedades da alma, suas lutas, fraquezas e derrotas. E como o Bom Pastor, chegou ao ponto de entregar a vida pelas Suas ovelhas. “Eu sou o bom pastor,” disse Jesus, “O bom pastor dá a vida pelas ovelhas.”(11) Escrevendo aos filipenses diz o apóstolo Paulo: “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz.” (12)

4. Cristo vai à procura do homem perdido.

Longe do Pastor a alma não tem segurança e proteção. Ela fica vulnerável às mais terríveis tentações do inimigo. Desorientada e sem força para voltar a ovelha perdida há de perecer. Ela não sabe o caminho de retorno ao aprisco. “A ovelha desgarrada do rebanho é a mais desamparada de todas as criaturas. Precisa ser procurada pelo pastor, pois não pode, sozinha, encontrar o caminho de volta. O mesmo se dá com a alma que se desviou de Deus; está tão desamparada quanto a ovelha perdida, e se o amor divino não fosse salvá-la, jamais poderia achar o caminho para Deus.” (13)

Então, o divino Pastor sai pelos caminhos e valados, procurando a alma triste e desamparada que não sabe mais voltar. “Porque assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu mesmo procurarei as minhas ovelhas e as buscarei.”(14)

“O pastor que descobre a ausência de uma ovelha, não contempla indiferentemente o rebanho que está seguro no redil, dizendo: “Tenho noventa e nove, e custar-me-á muita perturbação ir em busca da desgarrada. Ela que volte; abrir-lhe-ei a porta do redil e a deixarei entrar.” Não; logo que a ovelha se afasta, o pastor enche-se de cuidados e apreensões. Conta e reconta o rebanho. Quando se certifica de que realmente uma ovelha se perdeu, não dormita. Deixa as noventa e nove no redil, e sai em busca da ovelha desgarrada. Quanto mais escura e tempestuosa a noite, e quanto mais perigoso o caminho, tanto maior é a apreensão do pastor e tanto mais diligentemente a procura. Faz todos os esforços possíveis para encontrar a ovelha perdida.” (15)

IV - CUIDADO COM O CENSURAR

“Quando alguém que vagou longe no pecado procura voltar para Deus, encontrará suspeita e crítica. Há os que duvidarão de que o arrependimento seja genuíno, ou insinuarão: “Ele não tem estabilidade; não creio que resista.” Tais pessoas não fazem a obra de Deus, porém a de Satanás, que é o acusador dos irmãos. Por suas críticas, o maligno espera desencorajá-las, afastá-las ainda mais da esperança e de Deus. Contemple o pecador arrependido a alegria do Céu pela volta daquele que se perdera. Confie no amor de Deus e não desanime de maneira alguma pelo escárnio e suspeita dos fariseus.” (16)

V - NOSSA MISSÃO: BUSCAR A OVELHA PERDIDA

“Todo pecador que Cristo salvou, é chamado a atuar em Seu nome pela salvação dos perdidos. Essa obra fora negligenciada em Israel. Não é também hoje negligenciada pelos que professam ser seguidores de Cristo? Quantos afastados, caro ouvinte, procuraste e trouxeste ao redil? Reconheces que desprezas os que Cristo procura, quando te desvias dos que parecem pouco promissores e não atraentes? Justamente no momento em que te esquivas deles, podem carecer muito de tua compaixão. Em toda assembléia de culto, há os que anseiam descanso e paz. Podem parecer como se vivessem indiferentemente, mas não são insensíveis à influência do Espírito Santo. Muitos deles podem ser ganhos para Cristo.

Se a ovelha perdida não é trazida ao aprisco, vagueia até perecer. E muitas almas descem à ruína pela falta de uma mão estendida para salvá-las. Estes errantes podem aparentar ser endurecidos e indiferentes, mas se tivessem tido os mesmos privilégios que outros, poderiam ter revelado muito maior nobreza de caráter e maior talento para utilidade. Os anjos se compadecem desses errantes. Eles choram, enquanto os olhos humanos estão enxutos e os corações cerrados à compaixão. Oh, que falta de profunda e tocante simpatia pelos tentados e errantes! Oh, se houvesse mais do espírito de Cristo e menos, muito menos do próprio eu!” (17)

VI - O PASTOR E SUAS OVELHAS

Pastores e ovelhas eram uma parte tão familiar do mundo antigo que se tornaram uma pronta metáfora para os escritores bíblicos. O temo cuidado dos pastores com suas ovelhas levaram Davi e seus companheiros salmistas a falar do Senhor como o pastor de Israel (Salmos 23; 80:1), e de Israel como “as ovelhas do teu pasto” (Salmos 100:3; 95:7; 79:13; 78:52).

Os profetas também, em suas visões messiânicas, viram Deus de modo semelhante: “Como um pastor apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos, e os levará no seio; as que amamentam, ele guiará mansamente.” (Isaias 40:11); “Eu mesmo apascentarei as minhas ovelhas, e as farei repousar, diz o Senhor Deus. A perdida buscarei, a desgarrada tornarei a trazer, a quebrada ligarei e a enferma fortalecerei…” (Ezequiel 34:15-16).

Escritores do Velho Testamento também fizeram uso efetivo da bem conhecida disposição das ovelhas para se desgarrarem. De nossos caminhos pecaminosos Isaías escreveu: “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas” (Isaías 53:6) e o mais longo dos salmos termina com este queixoso apelo: “Ando errante como ovelha desgarrada; procura o teu servo, pois não me esqueço dos teus mandamentos” (Salmo 119:176).

Em sua ilustração do pastor e das ovelhas (Lucas 15:3-7; Mateus 18:12-14), Jesus estava não somente abordando seus ouvintes pela prática conhecida, mas com uma metáfora bíblica conhecida. Não havia meio deles perderem a lição. Jesus, como o fez seu Pai, via os homens como “aflitos e exaustos, como ovelhas sem pastor” (Mateus 9:35).

As ovelhas comumente se perdem devido a sua própria despreocupação. Esquecendo tanto o rebanho como o pastor elas perambulam sem destino, tendo na mente nada mais do que a próxima moita de capim. Não há pensamento em lobos ou profundos precipícios. Como isto espelha acuradamente nossos modos ineptos! Não é que um dia tenhamos a idéia de ser ímpios e então comecemos metodicamente a cumprir nossa ambição.

Estamos meramente tão preocupados com os desejos e circunstâncias presentes que nos tornamos distraídos das conseqüências de nossas escolhas. Vidas vividas sem propósito tornam-nos peões de nossas paixões e, seja de propósito ou não, encontramo-nos antes que o saibamos, longe de Deus, miseráveis em nosso desamparo e feridos. Tais ovelhas não representam os orgulhosos e os teimosos, mas os infelizes, aqueles que são rápidos em admitir sua própria estupidez e pecado mas, não obstante, são assim mesmo perdidos.

Mas o foco da parábola está no pastor. Argumentando do menor para o maior, Jesus toma a atitude conhecida de um pastor para com uma ovelha perdida, para justificar sua atitude para com as pessoas perdidas, e para expor o espírito sem misericórdia de seus críticos. Ele tinha antes usado o mesmo tipo de argumento, da atitude de um médico para com o doente (Mateus 9:12).

Os fariseus sabiam que nenhum pastor verdadeiro jamais abandonaria uma ovelha perdida ainda que o resto do seu rebanho estivesse seguro. Com pastores a preocupação não era meramente econômica, mas sentimental. Eles ficariam freqüentemente ligados às ovelhas até o ponto de chamar cada uma delas por seu próprio nome especial (2 Samuel 12:3; João 10:3).

Os fariseus também sabiam que o pastor, quando achasse sua ovelha, não a esmurraria com raiva, mas carregaria a desgarrada, agora severamente enfraquecida, gentilmente em seus ombros. Mais ainda, quando ele retornasse, ele voltaria em franca alegria. Com esta simples ilustração Jesus levantou uma questão implícita com seus detratores: como poderiam eles ter tal compaixão por uma ovelha e tratar os homens com tal arrogante e egoísta dureza. Eles não somente não tinham buscado o pecador perdido, mas não se regozijariam com sua recuperação. E com isto eles tinham mostrado dramaticamente como sua própria disposição diferia da divina. Enquanto Deus se regozija, eles amuam. Enquanto o céu perdoa, eles cospem seu desprezo. Enquanto o bom Pastor busca recuperar o rebanho espalhado, eles vivem para devastá-lo. É um quadro sombrio.

Mas alguns podem ficar envergonhados pela observação conclusiva de Jesus que “haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos (retos) que não necessitam de arrependimento” (Lucas 15:7). Ele está sugerindo que Deus sente uma alegria menor pelos justos do que pelo pecador recuperado? As duas coisas. A alegria de recuperar o perdido é um tipo especial de alegria, uma alegria cheia de alívio, mas isso nunca exclui como profundo, um deleite naquilo que nunca foi perdido.

E, o termo justo ou reto que Jesus usa aqui tem um toque irônico em si. Quem, no mundo, seria tão justo que não precisasse de arrependimento? Infelizmente, os fariseus pensavam que poderiam nos dizer. A verdade é que todas as ovelhas desgarraram (Romanos 3:9, 10) e precisam da misericórdia daquele “grande Pastor das ovelhas” que nos redime “pelo sangue da eterna aliança” (Hebreus 13:20). Este grande Pastor “apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos e os levará no seu seio; as que amamentam, ele guiará mansamente” (Isaías 40:11).

VII - QUEM VOCÊ CONHECE: O SALMO DO BOM PASTOR OU PASTOR DO SALMO?

Este salmo é muito conhecido e recitado por muitas pessoas. Ele ficou consagrado como o Salmo do Bom Pastor. Porém, mais importante do que conhecer o Salmo do Bom Pastor é conhecer o Pastor do Salmo.

Neste Salmo nós podemos perceber o cuidado que o Bom Pastor dispensa às suas ovelhas, e por isso elas o seguem.

1- Não deixa faltar nada as suas ovelhas. (v1)

Quando lemos este 1º versículo: “O Senhor é o meu Pastor; nada me faltará”, somos levados a imaginar o que o Salmista estava querendo dizer com “nada me faltará”? Com certeza ele estava dizendo que não faltaria o cuidado, a proteção e o amor do Bom Pastor. Mas o salmista aqui, que conhecia o Bom Pastor do Salmo, também estava afirmando que nada falta em nossa vida para a realização da vontade de Deus.

Que mesmo nos tempos difíceis, nós precisamos estar nos alegrando com a provisão do Bom Pastor, crendo que em todos os momentos Ele cuida de nós. Não vão faltar os desafios e as provações. Porém precisamos crer que “todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto”.

2- Cuida das ovelhas providenciando descanso e paz para as suas ovelhas. (v2)

O Pastor tem o cuidado de providenciar alimento, água, descanso para as suas ovelhas. Com a presença do Bom Pastor é possível descansar em paz, livre do medo e, mesmo diante das provações, quando estamos querendo desanimar, o Bom Pastor reanima e revigora a nossa alma.

Diante das dificuldades, dos perigos e até mesmo da morte, o discípulo de Jesus, o Bom Pastor, não tem medo. Porque o Bom Pastor está sempre presente em todas as situações da vida. Ele usa a vara como arma de defesa para proteger as ovelhas e a usa também com instrumento de disciplina para ensinar as ovelhas, demonstrando seu poder e autoridade. Mas o salmista nos diz ainda que o Bom Pastor usa também o cajado que serve para puxar a ovelha para perto de si e para guia-la no caminho certo ou para tira-la do perigo. Jesus, o Bom Pastor, está pronto para nos defender, nos proteger, nos guiar e nos guardar. Basta aceita-lo e recebe-lo em nossos corações.

3- Dá a própria vida pelas suas ovelhas.

No evangelho de João 10:1-5, o Senhor Jesus se apresenta como o Bom Pastor dizendo que o Bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. E foi isso que Ele fez quando morreu na cruz para nos dar a vida eterna.

CONCLUSÃO:

“Cristo salvará a cada um que se queira deixar redimir do abismo da corrupção e dos espinheiros do pecado. Alma abatida, anime-se, embora tendo procedido impiamente. Não pense que Deus talvez lhe perdoe as transgressões e permita ir à Sua presença. Deus deu o primeiro passo. Enquanto você estava em rebelião contra Ele, saiu a sua procura. Com o temo coração de Pastor, deixou as noventa e nove e foi ao deserto para buscar a que se perdera.” (18)

Jesus ainda diz que as suas ovelhas ouvem a sua voz, e Ele as conhece e elas o seguem. Quem você conhece: O Salmo do Bom Pastor ou o Bom Pastor do Salmo? Se você conhece apenas o Salmo do Bom Pastor, eu quero convida-lo a seguir o Senhor Jesus, o Bom Pastor, que não deixa faltar nada a nossa vida, que cuida de nós providenciando descanso e paz e que está sempre conosco, através do Espírito Santo. Receba o Senhor Jesus no seu coração e passe a experimentar as bênçãos que Ele tem para a sua vida, pois somente aqueles que professam a sua fé em Cristo Jesus podem conhecer o Bom Pastor do Salmo. Amém.

Elaboração pelo:- Evangelista Isaias Silva de Jesus

Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério Belém Em Dourados - MS

Referências:

Bíblia de Estudo Pentecostal

http://www.estudosdabiblia.net/

mibac.com.br

(1) Parábolas de Jesus, pág. 18

(2) Lucas 15: 3 a 7

(3) Testemunho Seleto Mundial Vol. 1, pág. 305

(4) Mateus 11:28 a 30

(5) Parábolas de Jesus, pág. 198

(6) Ezequiel 34:31

(7) Parábolas de Jesus, pág. 188

(8) Idem

(9) A fé pela qual eu vivo, pág. 65

(10)Ciência do Bom Viver, pág. 501

(11) João 10:11

(12)Filipenses 2:5 a 8

(13)Parábolas de Jesus, pág. 188

(14)Ezequiel 34:11

(15)Parábolas de Jesus, pág. 188

(16) Idem, pág. 190

(17) Idem, pág. 191,192

(18) Idem, pág. 189

Publicado no Blog do Ev. Isaias de Jesus

converter em pdf.


  1. Warning: file_get_contents(http://...@ig.com.br) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    rogerio
    Escreveu:

    parabens ev. isaias pela sua dedicaçao na aplicaçao do estudo das liçoes da ebd pois me tem ajudado bastante em minhas ministraçoes biblicas. que Deus continue lhe abençoando em nome de Jesus amem.

Comente.