Wordpress Themes

Questionário - O Cuidado com as Ovelhas - Ev. Luiz Henrique

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 7, O CUIDADO COM AS  OVELHASRESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2010

Complete os espaços vazios e marque com “V” as respostas corretas e com “F” as falsas.

TEXTO ÁUREO 

1- Complete:

“Eu sou o bom _____________________; o bom Pastor dá a sua ____________________ pelas ______________________” (João 10.11).

VERDADE PRÁTICA 

2- Complete:

Se não cuidarmos das ________________ de CRISTO, de acordo com o que nos prescreve o ____________________ Pastor, como haveremos de ______________________ perante Ele?

3- Pastor de ovelhas! Assim Davi comparou DEUS no trato com o seu povo. De tal maneira ficou a imagem cristalizada na alma hebréia, que todos os seus guias passaram a ser vistos como pastores. Quais são essses guias?

(    ) O rei, o levita e o profeta.

(    ) O rei, o sacerdote e o levita.

(    ) O rei, o sacerdote e o profeta.

4- Como cada ofício se comporta como pastor? Complete:

Rei - conduzir os israelitas ao _________________________ divino.

Sacerdote - ________________________ é pastorear.

Profeta - ____________________ tem muito a ver com os ofícios de pastor conforme mostra-nos Jeremias e Ezequiel.

5- Como se portavam os líderes de Israel, estando já a nação fortalecida e desfrutando já de riquezas e abastanças, necessitando DEUS de lhes enviar o profeta Jeremias?

(    ) Viviam em perfeita comunhão com DEUS, como agradecimento a Ele..

(    ) Esqueceram-se de suas responsabilidades.

(    ) Começaram os membros da família real e da casa sacerdotal a se portarem como meros soberanos e pontífices, menosprezando as necessidades do povo.

I. O QUE É UM PASTOR 

6- Como é visto o pastor nas Escrituras do Novo Testamento e qual é a sua função?

(    ) Como o administrador do rebanho de CRISTO.

(    ) É visto apenas como tesoureiro da casa do Senhor.

(    ) Sua função é conduzir os santos ao Senhor JESUS, dispensando a estes os meios da graça.

7- Quais as obrigações do pastor?

(    ) Somente a de dirigir os cultos e visitar as ovelhas.

(    ) A principal obrigação do pastor é apascentar e guardar cada uma das ovelhas que lhe confiou o Sumo Pastor.

(    ) O ofício pastoral inclui duas coisas básicas: a oração intercessória e a ministração da Palavra de DEUS.

(    ) Deve o pastor, por conseguinte, agir em relação às ovelhas tanto como sacerdote quanto como profeta.

(    ) É sacerdote quando as apresenta a DEUS em oração; e quando lhes fala a Palavra de DEUS é profeta.

8- Complete segundo o conselho de Bernard Ramm:

“A tarefa fundamental de um pastor, na ______________________, não é ser _______________________ ou profundo, mas é ministrar a _____________________ de Deus”.

II. OS PASTORES DE ISRAEL

9- No Antigo Testamento, pastores eram considerados os reis, os profetas e os sacerdotes e mais quem?

(    ) Os levitas que, à semelhança de Arão, tinham como missão guiar seus filhos na disciplina, a fim de que andassem como povo de DEUS.

(    ) Os patriarcas que, à semelhança de Abraão, tinham como missão guiar seus filhos na disciplina, a fim de que andassem como povo de DEUS.

(    ) Todos os descendentes de Adão que, à semelhança de Adão, tinham como missão guiar seus filhos na disciplina, a fim de que andassem como povo de DEUS.

10- Como foram os reis em seu ministério pastoral?

(    ) Todos se portaram bem, ensinando o povo a estarem em santidade diante de DEUS.

(    ) O primeiro rei messiânico de Israel foi tirado de entre as ovelhas a fim de pastorear o seu povo.

(    ) Segue-se, pois, que o monarca israelita, para ser bem-sucedido, haveria de ter uma alma de pastor.

(    ) Na literatura profética, eram os reis vistos por DEUS como os pastores de seu povo.

(    ) Até um rei gentio foi designado por DEUS para atuar como pastor dos filhos de Israel.

11- Como foram os sacerdotes em seu ministério pastoral?

(    ) Eram considerados pastores de Israel, principalmente os da casa de Arão, o sumo sacerdote de DEUS (Is 61.6).

(    ) Todos se portaram bem, intercedendo pelo povo diante de DEUS.

(    ) A eles também os profetas dirigiram pesados reptos, pois, naquela crise, ao invés de pastorearem o rebanho de DEUS, puseram-se a apascentar a si próprios.

12- Como foram os profetas em seu ministério pastoral?

(    ) Não resta dúvida de que os verdadeiros profetas de DEUS sempre atuaram como legítimos pastores de Israel.

(    ) O profeta Amós foi vocacionado estando entre os pastores (Am 1.1).

(    ) Infelizmente, os ímpios reis hebreus, sabendo da grande influência dos profetas sobre o povo, resolveram criar uma classe do funcionalismo estatal, cuja função era justamente mentir.

(    ) Todos se portaram bem, levando o povo a temerem a DEUS.

(    ) Mentindo, combatiam eles os legítimos mensageiros de DEUS.

(    ) Haja vista o que acontecia em Jerusalém no tempo de Jeremias.

(    ) E foram estes falsos profetas que, juntamente com seus patrões, levaram Judá à ruína.

III. ISRAEL FOI DESTRUÍDO POR LHE FALTAR VERDADEIROS PASTORES 

13- Os pastores de Israel, ao invés de lhe anunciarem a Palavra de DEUS, e conduzi-lo de conformidade com os preceitos divinos, o que faziam?

(    ) Organizaram-no com suas palavras de ânimo.

(    ) Desviaram-no com suas mentiras e falsidades.

(    ) Levaram o povo a pretarem o verdadeiro culto a DEUS..

14- Vinha o profeta de DEUS e exortava o povo a emendar seus caminhos; caso contrário, haveria o Senhor de destruir Jerusalém, e levar o povo em cativeiro. Os reis, porém, faziam o que?

(    ) Acionavam os falsos secerdotes que lhes ensinava uma paz que não existia: “E curam a ferida da filha de meu povo levianamente, dizendo: Paz, paz; quando não há paz”.

(    ) Acionavam os verdadeiros profetas que lhes anunciava uma paz que existia: “E curam a ferida da filha de meu povo levianamente, dizendo: Paz, paz; quando não há paz’.

(    ) Acionavam os falsos profetas que lhes anunciava uma paz que não existia: ‘E curam a ferida da filha de meu povo levianamente, dizendo: Paz, paz; quando não há paz’.

15- Qual a situação hoje?

(    ) Graças a DEUS, hoje não vivemos aquele período negro do povo de DEUS e só temos pastores fiéis a DEUS.

(    ) Lamentavelmente muitos púlpitos estão assim nos dias de hoje.

(    ) Ao invés de se pregar a urgência de um avivamento e a necessidade de se ter uma vida santa diante de DEUS, os falsos mestres e profetas apregoam uma paz que não é paz, uma prosperidade que nunca foi prosperidade.

(    ) À semelhança daqueles pastores de Israel, os mercenários estão a afugentar as ovelhas de CRISTO e a dispersar o rebanho que nos confiou o Senhor JESUS.

16- Complete:

Como será triste ouvir do Sumo __________________________ este repto: ”Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e não as visitastes; eis que visitarei sobre vós a maldade das vossas ações, diz o SENHOR”! (Jr 23.2). Como pastores de CRISTO, temos de conduzir o rebanho de acordo com as Sagradas ______________________.  É chegado o momento de conscientizarmos o povo de DEUS a buscar um poderoso avivamento para que não fiquemos envergonhados quando do arrebatamento da Igreja. Levemos também a Igreja a uma vida de __________________________ e de pureza, e que não saiamos por aí a apregoar uma paz que não é paz, e uma prosperidade que não passa de miséria.

IV. OS DEVERES DAS OVELHAS 

17- Se os pastores têm deveres para com as ovelhas, as ovelhas de igual modo têm deveres e compromissos para com os seus pastores. O que devem fazer as ovelhas em relação aos seus pastores?

(    ) Honrar os pastores, prometer-lhes fidelidade eterna e contribuir para a obra de DEUS.

(    ) Honrar os pastores, obedecer-lhes e contribuir para a obra de DEUS.

(    ) Honrar os pastores, obedecer-lhes e contribuir para a seu enriquecimento.

CONCLUSÃO 

18- Complete:

No capítulo dez do Evangelho de João, fala o Senhor JESUS de seu ofício como o pastor enviado por DEUS para tanger as ovelhas perdidas da Casa de Israel e as que se achavam em outros apriscos, para que haja um só rebanho - a ________________________. Busquemos as almas perdidas. Reconduzamos ao __________________ as ovelhas desgarradas. Cuidemos das fracas e débeis. Afinal, um dia compareceremos diante do Sumo Pastor para prestar contas do ____________________ que nos confiou Ele. Quanto às ovelhas, que honrem os seus pastores, devotando-lhes ___________________ amor.

RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO NOS VÍDEOS EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

converter em pdf.


  1. Warning: file_get_contents(http://...@ig.com.br) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    Hiran R. ALencar
    Escreveu:

    Lição 7
    Jeremias 23.1-4; João 10.1-5

    Introdução
    O texto da lição 7 é bastante contundente, não há espaço pra especulações e nem para fugas. Ou é ou não é! A questão então fica por conta do que se pode deduzir, na prática diária, sobre o quê realmente estamos falando. Digo isto porque há uma tendência muito grande em mistificar tudo e, os incautos, acabam colocando a verdade por debaixo das suas próprias convicções, deixando tudo como está e continua a prática da gritaria para mascarar a incompetência e a malandragem.

    I. O que é um Pastor
    O pastor é um homem escolhido para conduzir as Operações da Igreja. Nunca devemos esquecer que a igreja é um Tipo de Organização Religiosa que se constitui pessoa Jurídica de direito privado, de natureza associativa e sem fins lucrativos e que a forma por nós escolhida é a de Constituição Congregacional, diferente da IGREJA corpo místico de Cristo (todos aqueles que obedecem fielmente aos preceitos de Crsito) – No modelo congregacional, cada congregação administra diretamente todos os recursos e reúne, num só corpo, o eclesiástico, a índole, peças administrativas e procedimentos cultuais. De forma que o Governo – A administração eclesiástica é composta de tarefas específicas que formam a base de sustentação governamental para a Igreja enquanto ente administrativo. Assim é necessário o estabelecimento da quantidade dos Oficiais
    Os ofícios da Igreja são estabelecidos em função das necessidades. A escolha dos Oficiais é uma função do povo, os membros é que devem indicar aquele cujo perfil se adéqua ao trabalho mediante observação da vontade pessoal de fazer, de estar a frente de trabalhos profícuos para obra de Deus (fazer o povo entender o valor das verdades bíblicas).
    Ordenação dos oficiais é uma função dos pastores (comissões), porém as qualificações necessárias para ser um oficial da Igreja são: a vocação para o serviço e a subordinação ao Espírito Santo.
    Devemos saber que não há classe especial de oficial, porque tanto os oficiais quanto os membros da comunidade são sacerdotes com direito de acesso direto a Deus através de Cristo (nota .)
    O que existem são Classes de Oficiais:
    Os que ocupam ofícios “carismáticos”, também identificados como presbíteros; os que ocupam ofícios “administrativos” os “presbíteros ou diáconos”, escolhidos em consenso com toda a Igreja e os que ocupam ofícios de cunho beneficente, diáconos, responsáveis pela prática da caridade dentro ou fora da Igreja.
    Esses membros devem ter algumas qualificações que são descritas no Novo Testamento, a saber:

    Nas questões do exercício de governo e sua legitimidade
    i. Modéstia
    ii. Capacidade de delegar (de distribuir tarefas e cobrar resultados)
    iii. Capacidade de identificar problemas pontuais e expô-los à sua equipe;
    iv. Capacidade de dirigir - O governante de uma igreja deve ter o mando e a direção, mas não por imposição ou pela força. O governante deve ter a estima de todos, submetendo-os por convicção de que a Bíblia é o guia de regras e práticas, sendo exemplo de servidor e supridor como um pai e acolhedor.

    Nas questões da disciplina - SUBMISSÃO - Todos, ou pelo menos, a maioria dos obreiros e auxiliares devem estar submissa ao dirigente da igreja.
    Nas questões do DEVER - Todos os que governam devem ter a clara noção dos seus deveres:
    Suprimento espiritual; e
    Administração (mordomia)

    A Cadeia de Decisões (hierarquia das atividades) deve obedecer a uma ordem hierárquica - sem que ambos funcionem em harmonia, a chefia, a liderança e a autoridade tornam-se refugos, porém não é por imposição de qualquer tipo e sim por voluntariado que essa delicada função deve ser observada
    Devemos observar que as Igrejas Evangélicas são autônomas no seu governo e manutenção, embora mantenham laços fraternais e de cooperação umas com as outras, pelo menos é assim que a Bíblia determina, pois as grandes corporações geram corrupção e safadeza. O grande problema das religiões, em todos os tempos, sempre foram os procedimentos de indivíduos, a busca de vantagens pessoais. A luta dos verdadeiros crentes em Cristo sempre foi em defesa da manutenção da Igreja, quer como organização civil, quer com corpo místico (pregação da justiça e da verdade)
    Para Manutenção da Organização Civil a Igreja precisa de recursos humanos e deve ser observada a seguinte disposição:

    1. O OBREIRO DEVE SER designado por vontade própria e cuja intenção seja trabalhar antes de qualquer outra coisa. Os obreiros seguem uma subdivisão de classes que tem ordem.
    2. Os empregados – Podem ser obreiros, se observado que se tomou tal pessoa por contrato específico para atividades específicas (empregados com salários).

    Dever ser observado também o Caráter – Que o conjunto de traços particulares dos indivíduos incumbidos das atividades na igreja possa se distinguir pela temperança, longanimidade, benignidade, bondade, fé e mansidão, as quais são as marcas da ciência da piedade, a verdadeira ciência que se distingue das falsas que não buscam um firme fundamento para uma vida sã no sentido de desfazer, remediar, reparar os erros na conduta humana, causados pelos pecados e pelos enganos do interesses pessoais.
    Já para notar que todo o desvio de finalidade observado na igreja tem por traz os Recursos Materiais e Financeiros (Não podeis servir a Deus e a Mamom- Mt 6.24), de forma que a origem e a administração dos recursos - Contribuições de Dízimos e Ofertas (Ml 3.10) deve ser observada com rigor santo.
    O dinheiro da Igreja deve ser tratado com ética e transparência, não é necessário apenas que os pastores e tesoureiros sejam honestos, eles precisam demonstrar para todos, em respeito a Deus e aos irmãos, que suas condutas com relação ao dinheiro, são ilibadas, sob pena de grandes prejuízos para o Reino de Deus, pois ninguém iria acreditar numa denominação onde não exista transparência no movimento financeiro que é o maior foco de interesse em qualquer sociedade, pois se trata de dinheiro e dinheiro é sacrifício de outrem e não apenas pedaços de papel que dão poder aos homens e às instituições.
    A escolha do Administrador - A escolha do administrador dos recursos da igreja deve seguir dois parâmetros de ética e duas qualidades cristãs:
    1. Competência;
    2. Honradez - Estes são valores morais que fazem parte da justiça em toda e qualquer circunstância da vida humana – são verdades incontestáveis em qualquer sociedade
    3. Santidade; e
    4. Amor
    Também deve haver Métodos de Controle bem claros tais como: Controle dos fluxos financeiros, orçamento anual e de compras, comprovação de despesas
    - Prática para adequado controle dos fluxos financeiros nas Igrejas deve seguir a legislação tributária cível e os procedimentos de contabilidade prevêem métodos compulsórios de ordem técnica, a fim de serem adotadas na administração da comunidade dos santos (IGREJA), atitudes que possibilitem qualquer tipo de auditoria:
    Orçamento - Todas as despesas da Igreja devem ser precedidas de uma quantificação estimada de qualidade e custos, avaliados por pessoas competentes e coordenado pelo setor financeiro da Igreja.
    Deve ser levado à apreciação da igreja, que em assembléia o aprovará, o emendará ou mesmo poderá rejeitá-lo.
    O orçamento é a descrição detalhada do objeto da despesa, o qual deve contar com a previsão financeira, a qual pode ser estimada com base no histórico financeiro do exercício, observadas as possibilidades de variações de custos.
    Comprovação de despesas
    Por nota fiscal de compra
    Por Fatura de Serviços
    Por Recibo com CPF (pessoa física)
    Despesas:
    Dotação orçamentária - Todas às despesas devem ser precedidas de uma dotação orçamentária especificando o valor e a origem dos recursos
    Orçamento:
    Anual – Planejamento Para gestão do templo (administração e conservação
    Específico - Para compras e serviços
    Compras- Todas as compras (despesas da Igreja) devem ser efetuadas mediante solicitação formal necessárias, única e exclusivamente às atividades da Igreja, a justo preço, de fornecedores legalizados, sempre com emissão de documento fiscal idôneo, emitido em nome da Igreja e com o CNPJ ou CPF.
    Solicitação formal - Para evidenciar a necessidade da compra, deve-se justificar a demanda, mediante solicitação formal ao Tesoureiro da Igreja, que deverá analisar a necessidade e submeter ao visto do Pastor Dirigente, cujo submetera ao corpo de obreiros ou a uma comissão específica, dependendo da complexidade e das implicações da compra, após o qual autorizará a compra.
    Despesas de viagem - As despesas de viagem são, em sua essência, muito controvertidas quanto à necessidade e ao foco de interesse, motivo pelo qual, as viagens custeadas pela congregação devem, já na sua consecução, apresentar um formato de “prestação de contas”, justificativas e, ser previamente autorizadas em reunião de obreiros e/ou de conhecimento das lideranças do ministério, deve constar da ata.
    Algumas congregações possuem procedimentos escritos e normatizados para viagens, os quais especificam quando pode ocorrer, natureza das viagens e dos gastos aceitáveis, limites de diárias e ao final, deve ser apresentado um relatório
    Impostos - A Igreja, constitucionalmente, é isenta de impostos, mas essa regra não se aplica às contribuições sociais, obrigações fiscais e incidências tributárias sobre serviços e contratos em geral, motivo pelo qual é necessário que a tesouraria em cujo ônus é debitado, deve identificar o beneficiário capital a ser pago pela Igreja, consultadas as normas específicas.
    Controle de Ofertas e Dízimos:
    Os valores arrecadados nos cultos, devem ser conferidos pelos obreiros que fizeram a coleta, em conjunto com o tesoureiro da Igreja, imediatamente após a arrecadação.
    Deve ser emitido documento, em duas vias, numerado em ordem crescente, especificando o valor de cada subgrupo e natureza da arrecadação:
    a. Em moeda corrente,
    b. Cheques, e
    c. Identificação de Origem dos Recursos (nome da pessoa, se dizimo, se oferta…)
    Também deve haver uma separação quanto aos valores referentes aos dízimos e as ofertas com sua especificidade ou destinação (valores orçados).
    O documento deve ser assinado pelos responsáveis pela coleta e pelo tesoureiro (conferente). Lavrado o documento, os recursos deverão ser depositados em banco, e os documentos (recibo de contagem e depósito bancário) serão encaminhados para o respectivo registro contábil.
    A Guarda dos recursos - Os recursos devem ser mantidos em cofre da igreja, de acesso restrito à Tesoureiro, o único responsável pela a sua guarda, até que possa ser levado a depósito bancário
    A Conciliação Bancária - A conciliação bancária é uma prática de controle do saldo face às ordens de pagamento emitidas ou retiradas efetuadas, pratica que possibilita o real conhecimento dos recursos disponíveis ou da situação financeira da congregação.
    A origem dos depósitos - A origem dos depósitos também deve ser uma preocupação do tesoureiro em face de práticas lesivas a imagem da Igreja que vêm sendo veiculada nos últimos tempos.
    Dinheiro não registrado - dinheiro de caixa 2, dinheiro de origem desconhecida ou dinheiro de fonte inidônea, não deve ser aceito.
    Destinação dos Recursos
    Pagamentos a Obreiros - Todos os pagamentos devem satisfazer, não só aos preceitos bíblicos diretamente, mas à moralidade, a qual é a principal mensagem implícita na Bíblia. Todos os controles devem satisfazer às normas jurídicas que regem a sociedade civil.
    Pagamentos:
    Por cheque
    Depósito bancário
    Recibo - Os recibos devem ser assinados e, como os demais documentos, mantidos em arquivo.
    Pagamento a missionários
    O pagamento a missionários no exterior deve ser feito por remessa dos recursos pelo câmbio oficial e através de operadores autorizados pelo Banco Central.
    Deve haver um contrato formal de compromisso de manutenção do missionário no exterior para comprovar a necessidade da remessa ao exterior.
    *Nunca deve ser utilizado qualquer forma de mercado paralelo ou artifícios de envio
    Doações - As doações são práticas comuns, contudo, observados os limites estabelecidos pela Igreja, cada congregação deve proceder a um recibo de beneficiário devidamente qualificado e assinado.
    COMPRA DE BENS IMÓVEIS E BENS DURÁVEIS - Nas compras de bens imóveis deve ser observado o acautelamento do código civil.
    Documentos financeiros
    BALANÇOS E BALANCETES - Os balancetes devem seguir os critérios contábeis adotados no país.
    Relatório técnico em linguagem contábil - Trata-se de documento confidencial.
    Destinação dos Recursos - Manutenção da organização civil “Igreja Assembléia de Deus”
    Destinação do dízimo
    Despesas do culto e ao sustento dos pastores;
    Despesas administrativas
    Manutenção do Templo
    Propagação do Reino de Deus (obras missionárias -1Co 9.4-14; Fp 4.15-18; 1Tm 5.17,18);
    Obras da igreja local; e
    Ajuda aos necessitados (Pv 19.17; Gl 2.10; 2Co 8.14; 9.2)
    Envio ao Ministério (no caso de congregações e sub-congregações)
    Apoio a congregações deficitárias (no caso da sede)
    Destinação das ofertas

    A igreja em tudo deve ser modelo. A ética cristã aplicada na sua mordomia (administração) deve ser irrepreensível em tudo, seja para com Deus, seja por homens, para que haja o exemplo pelo qual Cristo se sacrificou.

    Conclusão

    Como bem definiu o resumo da CPAD, a função pastoral, sob o ponto de vista bíblico, é exercida pela característica marcante de Cristo: Amor, e o amor só se realiza na relação de direitos e deveres. Existe uma ordem fixada pela justiça de Deus: primeiro vêm os deveres e depois é que vêm os direitos. É o que Cristo tão bem demonstra nas suas parábolas, principalmente na das sementes: primeiro você planta as sementes, Deus rega e você colhe os frutos. Mas Deus só entra neste negócio se você fizer sua parte. Deus nunca irá responder às suas imposições e nem aceitar um governo esteja fora destes parâmetros! Quando a Bíblia diz “que governe bem”, ela está dizendo: que busque tudo o que é bom, de benefício, de favor, de amor, de proveito, de utilidade. Que se aja de modo bom e conveniente para a consciência, para a saúde e para o bem estar da Família, da Igreja e do Estado (da sociedade como um todo). Falhou numa destas obrigações, falhou com Deus.
    Hiran R. Alencar – Bel Teologia


  2. Warning: file_get_contents(http://...@hotmail.com) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    Luiz Henrique de Almeida Silva
    Escreveu:

    Irmão Hiran R. ALencar não entendi - Aqui deveria estar algum recado para mim e não um comentário da Lição. Se deseja comentar a lição entre em contato com o irmão proprietário do site, o irmão klauber.

Comente.