Wordpress Themes

A Autenticidade da Profecia - Pr. Osiel Varela

Texto √Āureo.

Mq. 5.2. E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas origens [saídas] são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.

Leitura Bíblica em Classe

Is.53.2-9. Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; n√£o tinha beleza nem formosura e, olhando n√≥s para ele, n√£o havia boa apar√™ncia nele, para que o desej√°ssemos. […]Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; […]Todos n√≥s and√°vamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniq√ľidade de n√≥s todos. […]Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgress√£o do meu povo ele foi atingido. E puseram a sua sepultura com os √≠mpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca [fez] cometeu injusti√ßa, nem houve engano na sua boca. B√≠blia on-line. Vers√£o ACRFiel -¬† B√≠blia.com.br

Gloss√°rio.

Trilema - O mais antigo uso registrado do termo vem do pregador brit√Ęnico Philip Henry em 1672, seguido, aparentemente de forma independente, pelo pregador Isaac Watts em 1725

O termo ‘Pragmatismo’ foi introduzido por Charles S. Pierce em um famoso artigo intitulado “How to make our ideas clear“, publicado em 1878. Em Pierce h√° o Pragmatismo metodol√≥gico, que √© fundamentalmente uma teoria do significado e tamb√©m um pragmatismo metaf√≠sico que √© uma teoria da verdade e da realidade. Segundo o autor, a id√©ia de um objeto √© correspondente √† id√©ia de seus efeitos sens√≠veis, assim, a concep√ß√£o de um objeto √© a concep√ß√£o dos efeitos pr√°ticos que atribu√≠mos a esse objeto da nossa compreens√£o. O pragmatismo de Pierce √© uma teoria da significa√ß√£o, um m√©todo de determina√ß√£o de significados que atribui o significado ao conjunto de disposi√ß√Ķes para agir que o objeto causa ao entrar em rela√ß√£o com um sujeito humano.

1. Velar
José Carlos Delfino (SC)

[Do lat. vigilare.]V. int.

1. Passar a noite, ou boa parte dela, acordado:

2. Conservar-se aceso (vela, candeeiro, etc.).

3. Estar alerta; vigiar. V. t. d.

4. Passar (a noite) acordado:

5. Estar de vigia, de guarda ou de sentinela a: 2

6. Passar a noite junto à cabeceira de (um doente), para tratar ou cuidar dele, ou ao pé de (um morto):

7. Proteger, patrocinar: 2 V. t. i.

8. Interessar-se grandemente, com zelo vigilante:

9. Interessar-se, preocupar-se, zelar: 2 V. p.

10. Acautelar-se, vigiar-se.

Dicion√°rio Etimol√≥gico da L√≠ngua Portuguesa¬†de Jos√© Pedro Machado,¬†am√°lgama¬†vem ¬ędo franc√™s¬†amalgame, este do latim medieval -¬†amalgama.

Dicion√°rio Aur√©lio, ¬ęMistura de elementos que, embora diversos, contribuem para formar um todo¬Ľ

Feminino Singular: acur√°cia| Feminino Plural: acur√°cias proparox√≠tona aparente ¬Ľ acur√°cia

1. Grandeza que indica o quão algo é ou está acurado

Adjetivo. ms=acurado|mPlural: acurados

| Feminino Singular: acurada

| Feminino Plural: acuradas feito com cuidado e perfeição

Plenitude (grego pleroma)

Conceitos.

Acur√°cia - sm. (acurar + √°cia)

1. Mat. Exatidão de uma tabela ou de uma operação.

2 Fís. Propriedade de uma grandeza física que foi obtida por processos ou por instrumentos isentos de erros.

O termo acur√°cia, √© definido como: “o mais pr√≥ximo que de um elemento observado ou analisado estiver de um valor definido ou verdadeiro” e esclarece que a acur√°cia √© usualmente expressa em termos de erros ou incerteza. Assim, acur√°cia √© a habilidade de se fazer alguma coisa de maneira exata, sem cometer erro.”

No caso de base de dados, diz-se que ela tem acurácia, se os seus dados estiverem transcritos, sem erros de quaisquer espécies e a informação transcrita, tal como o original.

A Inerr√Ęncia B√≠blica e a acur√°cia prof√©tica.

Portanto, o que estamos estudando nesta Lição é a apuração e constatação da Autenticidade em relação à Profecia.

A profecia b√≠blica √© submetida, a cada dia, a provas de sua acur√°cia tendo at√© aos nossos dias, passado de forma, jamais vista, a todas as a√ß√Ķes humanas pelo testes de sua veracidade.

Jr.1.9. E estendeu o SENHOR a sua m√£o, e tocou-me na boca; e disse-me o SENHOR: Eis que ponho as minhas palavras na tua boca;

A Profecia é uma habilidade vocacionada, como Dom, na vida dos Profetas do A.T. com tal veracidade e sem conter erros.

A Autenticidade da profecia √© inerente a sua qualidade can√īnica determinada pelos santos l√°bios de Deus, que transmitiram, ao ouvido humano, e a pena do que a escreveu.

A base desta afirmação está na forma da crença e fé nas Escrituras.

A quest√£o da palavra.

A própria definição da palavra de Deus confere a exatidão da mesma, como;

Inerrante.

Por conta, da participa√ß√£o do homem nas Profecias, alguns segmentos teol√≥gicos esbarram nesta inerr√Ęncia por conta de certos trechos b√≠blicos, mas o estudo acurado das escrituras, principalmente, na quest√£o estudada nos garante a Inerr√Ęncia da palavra de Deus, pela sua exatid√£o nos acontecimentos prof√©ticos.

Is.55.1.Assim ser√° a minha palavra, que sair da minha boca; ela n√£o voltar√° para mim vazia, antes far√° o que me apraz, e prosperar√° naquilo para que a enviei.

e.t.não vamos nos alongar nesta questão de trechos em discussão na área crítica teológica

[javismo; deuteromismo, Fontes…].

EX√ďRDIO.

A Autenticidade das Profecias é um Trilema Universal.

1-Quem as exarou?

2-Quem as pronunciou?

3-Quais se cumpriram?

O questionamento humano esbarra nas evidencias da exatidão e autenticidade, das ocorrências de fatos profetizados ao longo das eras humanas, na Terra.

2 Tm.3.16. Toda a Escritura é divinamente inspirada,

A Bíblia declara acerca de si mesma, que é a Revelação especial de Deus; temos, portanto de reconhecer que reivindica ser o verdadeiro tipo de fonte, de onde se deriva todo conhecimento da verdade religiosa, digno de confiança. A Bíblia e suas origens.

I- CRENÇA E DESCRENÇA.

A Autenticidade das profecias, para os que acreditam e para os que não acreditam nas Escrituras, aliada ao descrédito de um Deus é o trilema a ser discutido.

Baseia-se esta discussão no fato, de que a fé não necessita de evidencias, mas a razão as coloca no Plano da discussão.

Ao longo dos Séculos a canonicidade das Escrituras foi fruto de discussão humana, até mesmo no seio de onde a fé utilizava as profecias como base de toda religiosidade, no mais puro sentido de religare.

Os primeiros receptores da Profecia divina sofreram por recebê-la.

J√° os que n√£o criam sofreram por n√£o aceit√°-las.

A presente Lição vem em boa hora nos alertar que ainda se discute como em todas as Era [AEON], a Autenticidade das Escrituras.

II- A IGREJA E A AUTENTICIDADE DAS PROFECIAS NO PRESENTE S√ČCULO.

Dois Lados.

1-      Temos um lado positivo.

a- Pela nossa existência no presente século.

Nascer neste século e no passado, traz-nos uma questão positiva, que muitos estudiosos não puderam assistir.

As Ciências,                                                                                                                                                       que estudam a Autenticidade das Escrituras avançaram com qualidade tecnológica notável.

Discussão que se baseia em dois pontos ou processos a serem analisados [que estudamos, mas não nos dispomos a inseri-los neste presente subsídio].

I -Transmiss√£o das Escrituras

II -Tradução das Escrituras

Arqueologia

Descoberta de evidencias nunca anteriormente encontrada.

2- A mais importante.

Achado dos escritos de Qunram [Qumr√£n].

Acharam-se Escritos mais antigos - mil anos - do que todos os disponíveis entre os Museus e estudiosos.

Escritos de outras culturas, confirmando acontecimentos do Período Profético.

Por√©m, em 1947, a maior descoberta foram os manuscritos do Mar Morto, quando uma c√≥pia completa de Isa√≠as, fragmentos de G√™nesis, Lev√≠tico, Deuteron√īmio e Ju√≠zes foram encontrados. Estes manuscritos datam do s√©culo 1¬į ou 2¬į no m√°ximo.

3- Evidências.

Podemos falar de Evidências externas ao texto, mas devemos dar atenção as Evidências do próprio texto.

Temos evid√™ncia indireta que vem da vers√£o grega do Velho Testamento, a Septuaginta, do 3¬į s√©culo AC, e o Pentateuco Samaritano, do 4¬į s√©culo, possivelmente. H√° diferen√ßas entre este texto e o texto hebraico, mas, s√£o de pouca import√Ęncia. A B√≠blia e suas origens.

4- Descobertas de novos métodos, de datação documental, que garantem a comprovação de achados Arqueológicos

Decifrados os hieróglifos.

Jean François Champolion - Os hieróglifos foram usados durante um período de 3500 anos para escrever a antiga língua do povo egípcio.

Hier√≥glifo √© um termo origin√°rio duas palavras gregas: ????? (hier√≥s) “sagrado”, e ??????? (gl√Ĺphein) “escrita”. Apenas os sacerdotes, membros da realeza, altos cargos, e escribas conheciam a arte de ler e escrever esses sinais “sagrados”.Existem inscri√ß√Ķes desde antes de 3000 a.C. at√© 24 de Agosto de 394, data aparente da √ļltima inscri√ß√£o hierogl√≠fica, numa parede no templo de Ilha de Filas.

Constitu√≠am uma escrita monumental e religiosa, pois eram usados nas paredes dos templos, t√ļmulos, etc. Existem poucas evid√™ncias de outras utiliza√ß√Ķes.

Durante os mais de três milênios em que foram usados, os egípcios inventaram cerca de 6900 sinais. Um texto escrito nas épocas dinásticas não continha mais do que 700 sinais, mas no final desta civilização já eram usados milhares de hieróglifos, o que complicava muito a leitura, sendo isso mais um dos fatores que tornavam impraticável o seu uso e levaram ao seu desaparecimento.

5- Geografia Bíblica.

A posse de novos equipamentos - via satélite

Satélites utilizados em pesquisas.

Equipamentos digitais

Mapeamento digital.

A-O Lado negativo.

A Alta crítica

A Discuss√£o Deuteronomista

A Discuss√£o Javista

O desrespeito dos céticos para com a palavra, subsidiado na Filosofia e Teoria opositora da Evolução, e do próprio ceticismo.

III- - PAR√āMETROS PARA AUTENTICIDADE DA PROFECIA.

Quanto √† Autenticidade da Profecia devem-se usar par√Ęmetros pelos quais, a mesma, deve ser interpretada, usando alguns preceitos.

Sem usar maior consideração de ordem teológica geral.

-Literalidade

- Tipologia

-Simbologias

-Verificando-se:

-Para quem foi dita;

-Momento em foi exarada;

-O ouvinte do Profeta;

-A sociedade da época;1 Rs.22.10-12. E o rei de Israel e Jeosafá, rei de Judá, estavam assentados cada um no seu trono, vestidos de trajes reais, na praça, à entrada da porta de Samaria; e todos os profetas profetizavam na sua presença. E Zedequias, filho de Quenaaná, fez para si uns chifres de ferro, e disse: Assim diz o SENHOR: Com estes ferirás aos sírios, até de todo os consumir. E todos os profetas profetizaram assim, dizendo: Sobe a Ramote de Gileade, e triunfarás, porque o SENHOR a entregará na mão do rei.

1- -O Conceito Pessoal  do Profeta na Comunidade;

1 Rs. 17.24. Então a mulher disse a Elias: Nisto conheço agora que tu és homem de Deus, e que a palavra do SENHOR na tua boca é verdade.

1 Rs.22.8-23. Ent√£o o rei de Israel reuniu os profetas at√© quase quatrocentos homens, e disse-lhes: Irei √† peleja contra Ramote de Gileade, ou deixarei de ir? E eles disseram: Sobe, porque o Senhor a entregar√° na m√£o do rei. Disse, por√©m, Jeosaf√°: N√£o h√° aqui ainda algum profeta do SENHOR, ao qual possamos consultar? Ent√£o disse o rei de Israel a Jeosaf√°: Ainda h√° um homem por quem podemos consultar ao SENHOR; por√©m eu o odeio, porque nunca profetiza de mim o que √© bom, mas s√≥ o mal; este √© Mica√≠as, filho de Inl√°. E disse Jeosaf√°: N√£o fale o rei assim. […] E o mensageiro que foi chamar a Mica√≠as falou-lhe, dizendo: V√™s aqui que as palavras dos profetas a uma voz predizem coisas boas para o rei; seja, pois, a tua palavra como a palavra de um deles, e fala bem. Ent√£o o rei de Israel disse a Jeosaf√°: N√£o te disse eu, que nunca profetizar√° de mim o que √© bom, sen√£o s√≥ o que √© mal?E disse ele: Eu sairei, e serei um esp√≠rito de mentira na boca de todos os seus profetas. E ele disse: Tu o induzir√°s, e ainda prevalecer√°s; sai e faze assim. Agora, pois, eis que o SENHOR p√īs o esp√≠rito de mentira na boca de todos estes teus profetas, e o SENHOR falou o mal contra ti.

IV- SALVA√á√ÉO E AUTENTICIDADE PROF√ČTICA DAS ESCRITURAS.

O Estudo das Profecias do AT, sem d√ļvida, alguma passa pela quest√£o da Salva√ß√£o, de tal forma que merece contradit√≥rio, sob esta perspectiva √ļnica.

Se nós imaginarmos uma questão soberana nas Profecias Bíblicas, não podemos escapar desta, Salvação!

A questão da Autenticidade da profecia esbarra na questão da ação pneumática da Profecia.

Ou seja, a a√ß√£o do ‚Äėsopro ou palavras que passaram pelo h√°lito de Deus’ tornam a profecia legitimamente can√īnica, pois o pr√≥prio Deus diz:

Nm.23.19. Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?

O fato a ser abordado nesta Lição já vem com o selo premissal, de que estamos estudando Profecias, como Palavra de Deus.

Assim, estes textos das Escrituras balizam nosso pensamento neste estudo.

A Palavra de Deus √© uma Gra√ßa abundante, que transpassa as eras, Veterotestamentaria, e Neotestament√°ria, sem escalas, muito embora, Deus tenha ficado por s√©culos em falar com seu povo, Ele estava trabalhando [Jo√£o 5.17. E Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha at√© agora, e eu trabalho tamb√©m] para que a Plenitude do Verbo fosse chegada a todos os homens, assim a Gra√ßa abundante no nosso entendimento e conforme alguns estudos sobre a atua√ß√£o desta Gra√ßa, ela √© o elemento que d√° o am√°lgama a todas as Profecias, pois tem um Objetivo final Messi√Ęnico.

Deus continua dizendo em outra passagem em mais um livro dos profetas.

Jr.1.12. E disse-me o SENHOR: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para cumpri-la.

Velar é tomar conta para que nada se perca, estar acordado [Sl.121.4. Eis que não tosquenejará nem dormirá o guarda de Israel.], Deus por definição etimológica da palavra usada, está de vigia, de guarda ou de sentinela;

Deus √© o grande interessado, sem necessidade de aprova√ß√£o de nenhum ser, em que continue velando pela sua Palavra, no sentido: “Interessar-se grandemente, com zelo vigilante“, demonstrando que Ele cuida, n√£o da sua pr√≥pria honra, pois √© Deus, mas da honra dos Profetas vocacionados, que como homem podem vir a serem questionados [Deus mesmo, sabedor deste processo, d√° as caracter√≠sticas da autenticidade de um Profeta].

Mas, a credulidade humana, o mau uso das profecias, o egocentrismo de posse das Profecias, levam-nos a ter cuidado, senão quanto à fidedignidade, mas quanto à informação posterior e uso das Profecias.

Para tanto esta Lição nos leva a buscar um Universo próprio das profecias a questão e entendimento da Autenticidade.

V- As profecias do AT não têm uma sistematização, de caráter cronológico, mas um Pragmatismo

1- Pragmatismo.

Teoria da significa√ß√£o - um m√©todo de determina√ß√£o de significados que atribui o significado ao conjunto de disposi√ß√Ķes para agir, que o objeto causa ao entrar em rela√ß√£o com um sujeito humano.

O pragmatismo divino pode ser minimamente definido pela ilustração:

Um peda√ßo de madeira, por exemplo, pode ter, para um artes√£o, o valor de mat√©ria prima.Quando o encontra, o artes√£o v√™ no peda√ßo de madeira o que futuramente ser√° uma escultura. Para algu√©m que procura lenha, esse peda√ßo de madeira significa “lenha a ser queimada” e nada mais.”

Quando Deus viu o homem caído, já sabia que havia uma possibilidade de Regeneração pela Palavra.

Importa Renascer.

João 3.4-7. Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.

1 Pe.1.3. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,

João 15.3.Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.

A afirma√ß√£o da Autenticidade da profecia no AT, como verdadeira √© um fator de valoriza√ß√£o da atividade prof√©tica, como Plano de Deus em Israel, em um processo Messi√Ęnico Redentivo, de Anuncia√ß√£o, planejamento divino, vinda, tempo e aproxima√ß√£o de Israel aos ditames para recep√ß√£o do Messias.

A veracidade da Profecia √© um dos termos teol√≥gicos que nos d√£o garantia do C√Ęnon no sentido prof√©tico.

VI- A A√á√ÉO PROF√ČTICA √Č O PENHOR DE FATOS QUE A AUTENTICAM PELO SEU CUMPRIMENTO.

Assim, a ótica da Lição desta semana é uma visão global da ação profética ao longo dos tempos, ação que fielmente ocorre através de eventos profetizados e que se realizam na História Geral do Mundo, independente da vontade humana.

A B√≠blia Sagrada estruturada em 66 livros [para n√≥s crentes reformados] foi escrita por um longo per√≠odo de cerca 2000 anos por cerca de 40 autores, de diversas √©pocas, profiss√Ķes e que n√£o se conheceram, em sua maioria. Todos realizaram seus trabalhos de forma individual, sem pensamento voltado para forma√ß√£o de uma Hist√≥ria coerente e cronologicamente √ļnica, s√≥ Profetas o podem faz√™-lo com base na Voca√ß√£o divina.

√Č o maior ‚Äėblockbuster‘ ou best-seller de todas as eras e continua sendo.

Primeiro livro impresso, no Mundo, por Gutenberg.

Ao longo dos séculos tem sido fonte para pesquisas em todas as áreas da ciência.

E algumas profecias s√£o partes das civiliza√ß√Ķes, como a que √© apontada pelo Pastor Ezequias Soares, sobre a est√°tua do sonho de Nabucodonozor, cujo teor [Dn.2.31-45] e conte√ļdo foi revelado por Deus a Daniel.

VII- Autenticidade e Predição.

1- A questão da transmissão da Revelação de Deus é uma discussão secular.

 

A- A transmiss√£o da mesma se pode dar por duas vertentes.

Quais foram os caminhos que as Escrituras que temos por Sagradas percorreram até chegarem às nossas mãos?

Quais foram os meios e formas utilizadas por Deus para transmitir, preservar e guardar as Escrituras? √Č uma hist√≥ria emocionante e rica em detalhes, cujo fim n√≥s conhecemos: vem aben√ßoando, salvando, curando, transformando milh√Ķes de vidas pelos s√©culos a fio! Conhe√ßamos um pouco desta fascinante hist√≥ria!

Independente da aceitação, pelos homens, mesmo os que receberam os Oráculos divinos, antes de nós, ou da crença no Deus Todo-Poderoso, [os Hebreus - Rm.3.1]do que as Profecias divinas predisseram e ainda virá ocorrer.

2- A Igreja é a atual Notificadora das Profecias e sua Autenticidade.

2 Pe.19-21. E temos, mui firme, a palavra dos profetas, √† qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, at√© que o dia amanhe√ßa, e a estrela da alva apare√ßa em vossos cora√ß√Ķes. Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura √© de particular interpreta√ß√£o. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Esp√≠rito Santo.

At.13.46. Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e vos não julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios.

2-1- A ação da Igreja não é mais de ser guardiã da Palavra de Deus, mas cumpridora e anunciadora das mesmas.

At.6.4. Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra.

A Plenitude me Jesus √© confirmada pelo escritor da Ep√≠stola aos Hebreus 1.1. “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a n√≥s falou-nos nestes √ļltimos dias pelo Filho…”

Mt.28.20. Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

Sl.119.112. Inclinei o meu coração a guardar os teus estatutos, para sempre, até ao fim.

Deus tem dado a Plenitude da Revelação, sem que isto signifique o encerramento da Revelação Progressiva das Escrituras.

Isaías 8:20.Å lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles [não verão a alva].

2-2- E é através de Jesus Cristo que esta autenticidade tem se cumprido e a Igreja se acercado da mesma.

√Č evidente que h√° grupos que se divergem, at√© mesmo dentro da Igreja, em especial na quest√£o da cr√≠tica Teol√≥gica, aos documentos revelados pelas Escrituras.

Gálatas 4:4.  Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,

Efésios 1:10.   De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra;

VIII- E O MAIOR DELES √Č A PLENITUDE EM JESUS.

1- A morte de Jesus - O Homem.

“Manda, pois, que o sepulcro seja guardado com seguran√ßa at√© ao terceiro dia, n√£o se d√™ o caso que os seus disc√≠pulos v√£o de noite, e o furtem, e digam ao povo: Ressuscitou dentre os mortos; e assim o √ļltimo erro ser√° pior do que o primeiro. E disse-lhes Pilatos: Tendes a guarda; ide, guardai-o como entenderdes. E, indo eles, seguraram o sepulcro com a guarda, selando a pedra” (Mateus 27:64-66).

Sinal irrefutável, que os judeus e romanos tentaram impedir a sua ressurreição.

“Digamos que simplesmente sabemos muito mais sobre os detalhes das horas que antecederam a morte de Jesus Cristo, dentro e pr√≥ximo a Jerusal√©m, do que sobre a morte de qualquer outro homem em todo o mundo antigo” (P√°gina 360).

A ressurrei√ß√£o de Cristo possui uma rica abund√Ęncia de evid√™ncias que incluem:

2- O Testemunho da História:

Um historiador judeu de nome Josefo escreveu no final do primeiro s√©culo D.C., em sua obra Tempos Antigos Dos Judeus: “Havia, ent√£o, um homem nesse tempo chamado Jesus, um homem s√°bio, se √© que √© l√≠cito cham√°-Lo de um homem; pois ele fazia maravilhas, um mestre de homens que receberam a verdade com imenso prazer. Ele atra√≠a para si muitos judeus e tamb√©m muitos dos gregos. Tal homem era o Cristo e quando Pilatos o condenou √† cruz, pela acusa√ß√£o dos homens principais entre n√≥s, aqueles que o amaram desde o princ√≠pio n√£o o abandonaram; ele lhes apareceu vivo no terceiro dia. Os santos profetas haviam falado estas coisas e milhares de outras maravilhas a respeito dele. E mesmo agora, a ra√ßa de Crist√£os, os que tomaram seu nome, n√£o desvaneceram.”

Fl√°vio Josefo [que viveu de 37 d.C. at√© o ano 100, de acordo com os textos que chegaram at√© n√≥s teria citado Jesus em seu livro Antiguidades Judaicas, livro 18, cap√≠tulo 3, item 3, escrito em 93 em grego:”Havia neste tempo Jesus, um homem s√°bio, se √© l√≠cito chama-lo de homem, porque ele foi o autor de coisas admir√°veis, um professor tal que fazia os homens receberem a verdade com prazer. Ele fez seguidores tanto entre os judeus como entre os gentios. Ele era o Cristo.(Ananus sup√īs que tinha agora uma boa oportunidade: …ele reuniu o sin√©drio dos ju√≠zes, e trouxe diante dele o irm√£o de Jesus, o que era chamado Cristo, cujo nome era Tiago e alguns outros…)] era um judeu tentando agradar aos romanos e certamente ele n√£o teria relatado esta hist√≥ria se n√£o fosse verdade, j√° que n√£o era agrad√°vel aos romanos retratar Pilatos como aquele que havia condenado o “Cristo”. Texto sob contesta√ß√£o de alguns estudiosos.

3- Evidência Poderosa Sobre a Divindade de Cristo.

O cumprimento do Plano da Salva√ß√£o, com a chegada da Plenitude em Cristo, ou com a Plenitude de Cristo torna a quest√£o das profecias e sua Autenticidade um s√≥ n√ļcleo para corporificar a identidade prof√©tica das Sagradas Escrituras como determinante a toda a√ß√£o divina e eternal.

Existem centenas de profecias interligadas com outras demonstrando que uma mão sobrenatural e invisível inspirou os autores da Bíblia, dando-lhes provas da divindade de Jesus Cristo, evidências históricas de Sua morte na cruz e Sua ressurreição.

Na Bíblia existem cerca de [300] trezentas referências proféticas sobre o Messias de Deus que se cumpriram em Jesus Cristo. A realidade e a história da ressurreição de Jesus Cristo são os pilares mais importantes da fé Cristã.

A- Podemos enunciar algumas delas.

3-1- Seu nascimento.Lc.1.34,35.

a- O fato. Gn.3.15;

b- A época.Gn.49.10;Dn.9.24

c- Seu precursor. Is.40.3;Ml.3;4

d- A natividade e os primeiros atos. Mt.1.22. Mt.4.13;Lc.2;

e- O fato. Is.7;Jr.31

f- O lugar. Nm.24;Mq.5

g- Descida ao Egito. Os.11

3-2- Sua Missão e Função. Lc.4.18

a-Miss√£o.Gn.12.;Sl.21;Profeta.Dt.18;Is.61

b-Sacerdote.Sl.110

c-Relação com os gentios. Is.11;

d - Purificando o Templo.Sl.69.9

3-3- Sua Paix√£o. Mt.26;26.50;Mt.27

a - Perseguição.Sl.22;Sl.109

b-Traição.Sl.49.

c-Trinta moedas. Zc.11[Mt.27.9]

d - Ossos n√£o quebrados. Sl.34.[

e - Traspassado.Sl.22;Zc.12;13

f-Sofrimento vic√°rio.Is.53;Dn.9

g-Campo de sangue comprado pelos sacerdotes, com o dinheiro da traição. Zc.11[Mt.27.8]

3-4- Sua ressurreição. Sl.16;30;41;Os.6.[Lc.24]

3-5- Sua Ascens√£o. Sl.16;24;68;110;118;[Atos 1].

3-6- Sua Segunda Vinda.Sl.50;Is.9;Dn.7.13;Zc.12;14.[At.1]

a - Domínio sempiterno. 1cr.17.11;Sl.72;Is.9.7;Sl.2;8;110;45.6,7.

Demos apenas algumas de uma extensa lista possível.

Procure fazer com que seu aluno lembre-se de mais algumas e pesquise para comprovar mais ainda a autenticidade profética salvítica.

ABAIXO QUADRO CRONOL√ďGICO-PROF√ČTICO.

A Chegada do Messias

Daniel 9.24-27

A VINDA DO MESSIAS

PROFECIA E CRONOLOGIA

Gráfico Cronológico.

5 de março de 444 a.C.Ne.2.1-8 30 de março de 33 A.D.Zc. 9.9

Lc.19.28-40

Daniel 9.271 semana

[70ª semana]

69 semanas7 semanas + 62 semanas 3 de Abril33 A.D.

70 A.D.

       _______

¬†¬†¬† 3 ¬Ĺ¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† 3 ¬Ĺ_________________________

7 anos

69 semanasAnos:69 x 70.483

Dias: 483 x 3.600 =

173.880dias

Destrui√ß√£o de Jerusal√©mCrucifica√ß√£o  
Decreto de Artaxexes Entrada triunfal em Jerusal√©m  

Porque a acurácia [apurar, periciar com dados] das Escrituras é independente, da ordem em que a lemos, não mudaram e não mudarão, ao longo de todo o Plano Divino, e firmam os crentes e a Igreja pelo:

-Cumprimento

-Verdade

-Cronologia

-Acontecimentos maravilhosos

-Pela ação

-Pela transformação na geração dos homens

-Pela ação no Universo

-Pela ação na Terra

-Pela ação geológica. Lc.21.11. E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.

IX- A EST√ĀTUA E A PROFECIA CRONOS.

FALAREMOS POUCO SOBRE ESTE ASSUNTO.

Dn.2.29.34.Estando tu, ó rei, na tua cama, subiram os teus pensamentos ao que há de ser depois disto. Aquele pois que revela os segredos te fez saber o que há de ser.E a mim me foi revelado este segredo, não porque haja em mim mais sabedoria do que em todos os viventes, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses os pensamentos do teu coração.Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua: esta estátua, que era grande e cujo esplendor era excelente, estava em pé diante de ti; e a sua vista era terrível.A cabeça daquela estátua era de ouro fino; o seu peito e os seus braços de prata; o seu ventre e as suas coxas de cobre;As pernas de ferro; os seus pés em parte de ferro e em parte de barro.Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou.

-Pela queda e transformação de Grandes Reinos que passaram e passarão [Egito, Assíria, Nabucodonosor, Medo-Persa, Alexandrino, Grego e Romano].

Dn.7. 1.3.ss. NO primeiro ano de Belsazar, rei de Babil√īnia, teve Daniel, na sua cama, um sonho e vis√Ķes da sua cabe√ßa: escreveu logo o sonho, e relatou a suma das cousas.Falou Daniel, e disse: Eu estava olhando, na minha vis√£o da noite, e eis que os quatro ventos do c√©u combatiam no mar grande.E quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar.

-A queda e reconstrução de cidade, como Jericó, Nínive, Sodoma e Gomorra, demonstram que aquilo que Deus falou por seus navi [navihim] se cumpre.

Jericó.

Profecia - Js.6.26. E naquele tempo Josué os esconjurou, dizendo: Maldito diante do Senhor seja o homem que se levantar e reedificar esta cidade de Jericó: perdendo o seu primogênito a fundará, e sobre o seu filho mais novo lhe porá as portas.

Cumprimento - 1Rs.16.34. Em seus dias Hiel, o betelita, edificou a Jeric√≥: morrendo Abir√£o, seu primog√™nito, a fundou, e morrendo Segube, seu √ļltimo, p√īs as suas portas: conforme √† palavra do Senhor, que falara pelo minist√©rio de Josu√©, filho de Num.

Em cerca de 538 AC (Daniel 9:24-27. Setenta semanas est√£o determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgress√£o, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniq√ľidade, e trazer a justi√ßa eterna, e selar a vis√£o e a profecia, e para ungir o Sant√≠ssimo.Sabe e entende: desde a sa√≠da da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusal√©m, at√© ao Messias, o Pr√≠ncipe, haver√° sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificar√£o, mas em tempos angustiosos. ¬†¬†¬†¬† E depois das sessenta e duas semanas ser√° cortado o Messias, mas n√£o para si mesmo; e o povo do pr√≠ncipe, que h√° de vir, destruir√° a cidade e o santu√°rio, e o seu fim ser√° com uma inunda√ß√£o; e at√© ao fim haver√° guerra; est√£o determinadas as assola√ß√Ķes.E ele firmar√° alian√ßa com muitos por uma semana; e na metade da semana far√° cessar o sacrif√≠cio e a obla√ß√£o; e sobre a asa das abomina√ß√Ķes vir√° o assolador, e isso at√© √† consuma√ß√£o; e o que est√° determinado ser√° derramado sobre o assolador.

Daniel, o profeta, predisse que Jesus viria como o Salvador e Príncipe prometido para Israel exatamente 483 anos depois que o imperador persa desse aos judeus permissão para reconstruir a cidade de Jerusalém que estava em ruínas nesta época. Essa profecia foi clara e definitivamente cumprida no tempo exato.

A B√≠blia tamb√©m cont√©m uma grande quantidade de profecias tratando de na√ß√Ķes e cidades espec√≠ficas ao longo da hist√≥ria, todas as quais foram literalmente cumpridas.

Suas sabedorias e intelectualidade, ali√°s, bem vindas, mas muitas destru√≠das e esquecidas [eg√≠pcios, acadianos, alexandrinos, babil√īnicos],

Por Reis e Líderes, incapazes de deter ou mudar as Profecias.

Pela própria mantença das Escrituras no seio da Sociedade, após anos de Obscurantismo.

Pelos regimes políticos que vão e vem.

Nada conseguiu chegar perto de abalar a Autenticidade da Profecia Bíblica.

Conclus√£o:

A acur√°cia arqueol√≥gica, cient√≠fica, hist√≥rica ou teol√≥gica n√£o conseguiu vencer os ditos prof√©ticos mencionados por Deus, atrav√©s de seus Profetas, pelo contr√°rio, embora fosse desnecess√°ria, s√≥ validou e autenticou humanamente falando, o Conte√ļdo Prof√©tico.

Temos infinitas provas da autenticidade das Profecias, mas estas n√£o nos preocupam, pois estamos firmados na Inerr√Ęncia da Palavra de Deus, como autenticamente soprada pelo pr√≥prio Deus, que Vela por sua Palavra.

Para n√≥s a Autenticidade da Profecia se resume a um √ļnico fato e Nome.

Jesus Cristo.

Seu nascimento, vida, ministério, morte, ressurreição e ascensão, que agora na iminência, nos garante toda a Autenticidade Profética.

Fonte.

ELAINE CRISTINA - Digress√Ķes.

A Bíblia e suas origens - A Bíblia em Bytes online.

dicion√°rio Informal -

Elza Maria Ferras Barboza

Valtencir Alves

O que é o Talmud

Apontamentos do autor

Bíblia digital - cortesia Tio Sam.


Osvarela

Publicado no blog Estudando a Palavra

converter em pdf.


  1. Warning: file_get_contents(http://...@hotmail.com) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    SIlv@ni@
    Escreveu:

    Fiquei muito feliz com seu comentário meu irmão,e com a riqueza de detalhes,irá me ajudar muito no próximo domingo,que Deus continue abençoando sua vida e da sua familia e que o irmão nunca deixe de postar,sempre acho em seus comentários facilidade para entender mais a lição e muitos conhecimentos acerca do assunto.

    Um abraço em Cristo.


  2. Warning: file_get_contents(http://...@ig.com.br) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    Rogerio
    Escreveu:

    parabens pr Osiel, o seu zelo de transmitir os comentários se vê através dos detalhes minuciosos que o amado faz. que isso jamais deixe de existir em tí querido irmão, esse zelo e carinho para com os estudiosos da Palavra de Deus e com a mesma (palavra de Deus). amém.


  3. Warning: file_get_contents(http://...@hotmal.com) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    magnus de souza fernades
    Escreveu:

    otima explana√ß√£o sobre o assunto ! riquissima em seu conte√ļdo . o crente so n√£o se firma em cristo se n√£o quiser …


  4. Warning: file_get_contents(http://...@gmail.com) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    osiel varela
    Escreveu:

    A Paz do Senhor
    Grato pela leitura e coment√°rios.
    Deus abençoe a cada um em suas aulas.
    Orem por nós.
    Que Ele cresça e eu diminua.
    Fraternalmente em Cristo.
    Osvarela


  5. Warning: file_get_contents(http://...@hotmail.com) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    Aldenir Lima Firmino
    Escreveu:

    A paz do Senhor leio sempre seus comentáros e eles tem ajudado-me muito na escola dominical. um gd Abraço e paz


  6. Warning: file_get_contents(http://...@gmail.com) [function.file-get-contents]: failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/storage/1/49/c5/ebdweb1/public_html/wp-content/plugins/bbuinfo-blogblogs-user-info-plugin/bbuinfo.php on line 174
    osiel varela
    Escreveu:

    Grato a todos pela leitura e comentários, que nos levam a buscar maior zelo em nossos subsídios, com a ajuda do Espírito Santo.
    Fraternalmente em Cristo
    Que Ele cresça e eu diminua.
    Osvarela

Comente.