Wordpress Themes

A Beleza do Serviço Cristão - Ev. Luiz Henrique

Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva

TEXTO ÁUREO

“Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros” (Jo 13.14).

VERDADE PRATICA

A vida cristã só faz sentido neste mundo quando servimos a DEUS e ao próximo em perfeito amor.

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Is 6.8

A disposição do servo

Terça - 1 Co 13.3 O valor do serviço em amor

Quarta - Rm 12.5-8 O serviço do cristão

Quinta - Mt 6.1-4 O servo e a humildade

Sexta - At 2.42-47 Servindo uns aos outros em comunhão

Sábado - Jo 13.15

Devemos, a exemplo do Mestre, servir

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - João 13.12 17; Atos 2.42 47

João 13

12~ Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito? 13 - Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis bem, porque eu o sou. 14 - Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. 15- Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. 16~ Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou. 17 Se sabeis essas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.

Atos 2

42~ E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. 43- Em cada alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. 44- Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum. 45- Vendiam suas propriedades e fazendas e repartiam com todos, segundo cada um tinha necessidade. 46- E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, 47- louvando a DEUS e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à Igreja aqueles que se haviam de salvar.

 

PALAVRA CHAVE - Serviço - Ato ou efeito de servir.

 

LIÇÃO 6 - O SERVIÇO CRISTÃO

AS DISCIPLINAS DA VIDA CRISTÃ

Trabalhando em busca da perfeição

Comentarista: Pr. Claudionor de Andrade

Consultor Doutrinário e Teológico:  Pr. Antônio Gilberto

Complementos e Ajuda para professores e alunos: Ev. Luiz Henrique.

TEXTO ÁUREO

“Trabalhai, porque eu sou convosco, diz o SENHOR dos Exércitos” (Ag 2.4).

 

VERDADE PRÁTICA

O serviço cristão torna o crente um cooperador de DEUS na expansão do Evangelho de CRISTO.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - ROMANOS 12.1-8

1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional. 2 E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS. 3 Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que DEUS repartiu a cada um. 4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, 5 assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros. 6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; 7 se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; 8 ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria. 

MODO CRISTÃO DE VIVER

Rm 12.1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional.

QUE APRESENTEIS OS VOSSOS CORPOS EM SACRIFÍCIO VIVO. O crente deve ter uma paixão sincera por agradar a DEUS, no amor, na devoção, no louvor, na santidade e no servir.

(1) Nosso maior desejo deve ser uma vida de santidade, e sermos aceitos por DEUS. Para isso, precisamos separar-nos do mundo e aproximar-nos cada vez mais de DEUS (v. 2). Devemos viver para DEUS, adorá-lo, obedecer-lhe; opor-nos ao pecado e apegar-nos à justiça; resistir e repudiar o mal, ser generosos com o próximo na prática de boas obras, imitar a CRISTO, segui-lo, servi-lo, andar na direção do ESPÍRITO SANTO e ser cheio dEle.

(2) Devemos apresentar a DEUS, nosso corpo como morto ao pecado e como templo do ESPÍRITO SANTO (ver v.2; cf. 1 Co 6.15,19).

Sacrifício Vivo
Em vista de tudo quanto Deus fez por Seu povo em Cristo, como Seu povo deve viver? Deve apresentar-se a Deus como “sacrifício vivo”, consagrado a Ele. Os sacrifícios de animais, Oferecidos numa época anterior, tornaram-se obsoletos graças à oferta que Cristo fez de Si mesmo. Mas sempre há lugar para o serviço divino prestado por corações obedientes.
Em vez de viverem pelos padrões de um mundo em desacordo com Deus, 0s crentes são exortados a deixar que a renovação das suas mentes, pelo poder do Espírito, transforme as suas vidas harmonizando-as com a vontade de Deus.
A bíblia nunca ensina uma doutrina para torná-Ia simplesmente conhecida. Mas ela é ensinada para que seja transferida para a prática.
“Se sabeis estas cousas, bem-aventurados sois se as praticardes” (10 13:17). Daí, Paulo repetidamente apresenta uma exposição doutrinária, após uma exortação ética, interligando ambas, como aqui, pela conjunção “pois” ou equivalente (ver Ef 4:1; CI3:5).

Que apresenteis os vossos corpos.” Ver 6:13, 19; o verbo grego aqui é o mesmo que ali é traduzido por “oferecer” . Agora Paulo expõe com mais pormenores aquilo que está envolvido em apresentar-se os cristãos a Deus para serem usados no Seu serviço.
Sacrifício vivo. A nova ordem tem os seus sacrifícios, que não consistem nas vidas de outrem, como os antigos sacrifícios de animais (ver Hb 13:15s.; 1 Pe 2:5).

O vosso culto racional. A V e RV: “O vosso serviço racional” ou “razoável”. RVmg. e RSV traduzem: “Vosso culto espiritual”; NEB “O culto oferecido pela mente e pelo coração” (mg: “O culto que vocês,como criaturas racionais, devem oferecer”). O substantivo é latreia, já usado em 9:4 com referência ao “serviço de Deus” (AV, RV) ou o “culto” (RSV, AA; ver NEB: “o culto do templo”) instituído para os israelitas. O adjetivo é logikos (derivado de logos), que pode significar “razoável”, “racional” (o serviço prestado por vidas obedientes é a única resposta razoável ou lógica à graça de Deus) ou “espiritual”, como em 1 Pedro 2:2, onde o “leite da palavra” (A V) é expressão traduzida mais apropriadamente por “leite espiritual” em RV, RSV, NEB e AA. Aqui talvez seja preferível “culto espiritual”, em contraste com as exterioridades do culto do templo de Israel.

É FAZER UM CULTO COM DESEJO DE AGRADAR A DEUS, COM ALEGRIA, É DEIXAR-SE ENVOLVER PELO ESPÍRITO SANTO QUE TOMARÁ AS RÉDEAS DO NOSSO SER PARA QUE POSSAMOS SER USADOS PARA O SERVIÇO DO SENHOR.

É DEIXAR DE FAZER POR COSTUME E FAZER POR PRAZER.

Rm 6.13 Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.

Rm 6.19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos [membros] para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos [membros] para servirem à justiça para santificação.

 

Rm 12.2 E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS.

NÃO VOS CONFORMEIS COM ESTE MUNDO, MAS TRANSFORMAI-VOS. Paulo deixa subentender várias coisas neste versículo.

(1) O presente sistema mundano é mau (At 2.40; Gl 1.4), e está sob o controle de Satanás (Jo 12.31; 1 Jo 5.19).

(2) Devemos resistir às formas prevalecentes e populares do proceder deste mundo e em lugar disso proclamar as verdades eternas e os padrões justos da Palavra de DEUS (1 Co 1.17-24).

(3) Devemos desprezar e aborrecer aquilo que é mau, amar aquilo que é justo (v. 9; 1 Jo 2.15-17; ver Hb 1.9) e não ceder aos vários tipos de mundanismo que rodeiam a igreja.

(4) Devemos conformar nossa mente à maneira de DEUS pensar (1 Co 2.16; Fp 2.5), mediante a leitura da Palavra de DEUS e sua meditação (Sl 119.11,148; Jo 8.31,32; 15.7).


E não vos conformeis com este século.
A V: “..com este mundo”. “Este século” (aiõn), como em 1 Coríntios 1:20, 2:6,3:18; 2 Coríntios 4:4; Gálatas 1:4.

Transformai-vos. O verbo grego é metamorphoõ, traduzido por “transfigurar-se” nas narrativas da transfiguração em Mateus 17:2; Marcos 9:2. O único outro lugar onde aparece no Novo Testamento é 2Coríntios 3:18, referindo-se aos crentes “transformados” na imagem do Filho “de glória em glória” (ou ;de um grau de glória a outro”, RSV) pela operação do “Senhor, o Espírito”

 

A Vida Comum dos Cristãos (12:3.8).
Desde que se tornaram cristãos, são também dotados por Deus de uma grande variedade de dons espirituais. Entretanto, graças a essa diversidade e por meio dela, todos podem. cooperar para o bem de todos Seja qual for a espécie de serviço que se deva prestar na igreja, que seja feito de coração com fidelidade pelos que são qualificados por Deus quer seja a profecia, o ensino, a exortação, a administração, as contribuições materiais, a visitação aos enfermos, quer a realização de qualquer outra classe do ministério.
Para ilustrar suas palavras, Paulo usa a figura do corpo humano, como já fizera em 1 Coríntios 12: 12-27. Cada parte do corpo tem sua função característica a desempenhar e contudo, num corpo sadio, todas as partes funcionam harmoniosa e interdependentemente para o bem do corpo todo. Assim deve ser na igreja que é o corpo de Cristo.

 

Rm 12.3 Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que DEUS repartiu a cada um.

Pela graça que me foi dada.
Isto é, a “graça” ou o dom do apostolado (ver 1:5, 15:15). A medida da fé. “Fé” aqui tem sentido bem diferente do que tem na primeira parte da epístola. Aqui indica o poder espiritual dado a cada cristão para o desempenho da sua responsabilidade especial. Ver “segundo a proporção da fé” no versículo 6 (NEB: “em proporção à fé Que um homem tem”).

 

Rm 12.4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação,

 

Rm 12.5 assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros.

Um só corpo em Cristo.
Compare-se isto com 1 Coríntios 12:27: “vós sois corpo de Cristo”.
Em 1 Coríntios e em Romanos o corpo humano é mencionado simplesmente como uma ilustração da vida corporificada dos cristãos.

 

Rm 12.6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;

DIFERENTES DONS, SEGUNDO A GRAÇA. Paulo alista os dons da graça (gr. charismata), como são chamados. Um dom espiritual pode constituir-se de uma disposição interior, bem como de uma capacitação ou aptidão (Fp 2.13) concedida pelo ESPÍRITO SANTO ao indivíduo, na congregação, para edificação do povo de DEUS e para expressar o seu amor a outras pessoas (ver 1 Co 12.1; 14.12,26; 1 Pe 4.10). A lista que Paulo dá, aqui, dos dons da graça divina deve ser considerada um exemplário e não a totalidade deles.

Rm 12.7 se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino;

 MINISTRAR… ENSINAR. “Ministrar” ou “servir” é a disposição, capacidade e poder, dados por DEUS, para alguém servir e prestar assistência prática aos membros e aos líderes da igreja, a fim de ajudá-los a cumprir suas responsabilidades para com DEUS (cf. At 6.2,3). “Ensinar” é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS para o crente examinar e estudar a Palavra de DEUS, e de esclarecer, expor, defender e proclamar suas verdades, de tal maneira que outras pessoas cresçam em graça e em piedade (1 Co 2.10-16; 1 Tm 4.16; 6.3; 2 Tm 4.1,2)

 

Rm 12.8 ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
EXORTA… REPARTE… PRESIDE… EXERCITA… MISERICÓRDIA. Trata-se, aqui, de dons espirituais.

(1) Exortar é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS, para o crente proclamar a Palavra de DEUS de tal maneira que ela atinja o coração, a consciência e a vontade dos ouvintes, estimule a fé e produza nas pessoas uma dedicação mais profunda a CRISTO e uma separação mais completa do mundo (ver At 11.23; 14.22; 15.30-32; 16.40; 1 Co 14.3; 1 Ts 5.14-22; Hb 10.24,25).

(2) Repartir é a disposição, capacidade e poder, dados por DEUS a quem tem recursos além das necessidades básicas da vida, para contribuir livremente com seus bens pessoais, para suprir necessidades da obra ou do povo de DEUS (2 Co 8.1-8; Ef 4.28).

(3) Presidir ou liderar é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS, para o obreiro pastorear, conduzir e administrar as várias atividades da igreja, visando ao bem espiritual de todos (Ef 4.11,12; 1 Tm 3.1-7; Hb 13.7,17, 24).

(4) Misericórdia é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS para o crente ajudar e consolar os necessitados ou aflitos (cf. Ef 2.4)

 

Com liberalidade.
A V: “Com simplicidade”. NEB: “De todo o seu coração” .


O que preside. O exercício da administração na igreja é um dom tão verdadeiramente espiritual como qualquer dos outros mencionados. Quem exerce misericórdia dá socorro a outros que estão em aflição.”

Observações nossas:

Há uma diversidade de dons:

1- Dons Naturais (Já se nasce com eles ou são adquiridos humanamente - natural - Vários - Música, Desenho, Canto, etc…)

2- Dons de DEUS (DEUS usa pessoas para determinadas obras, não sendo necessariamente uma escolha para um ministério - sobrenatural - Vários - Ex.: Visitação, aconselhamento, etc…)

3- Dons de CRISTO (JESUS escolhe pessoas e as dá à Igreja, com ministérios específicos - sobrenatural - São 05 - Ef 4.11)

4- Dons do ESPÍRITO SANTO (Ação do ESPÍRITO SANTO concedida para capacitar o crente para fazer a obra de DEUS - sobrenatural - São 09 - 1Co 12).

 

1 Co 12.31 - Os dons devem ser buscados

31 Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente.
1 Coríntios 14.1 Segui a caridade e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.

 PROCURAI COM ZELO OS DONS ESPIRITUAIS. Os crentes que têm amor genuíno pelos que também pertencem ao corpo de CRISTO, devem buscar os dons espirituais a fim de poderem ajudar, consolar, encorajar e fortalecer os necessitados (cf. 12.17). Não devem esperar passivamente que DEUS lhes conceda os dons do ESPÍRITO SANTO (12.7-10).
Devem, pelo contrário, com zelo, desejar e buscar com oração esses dons, principalmente os que são próprios para encorajar, consolar e edificar (vv. 3,13,19,26).

1 Co 14.31 - Os dons e o ensino devem andar juntos

31 Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados.
PROFETIZAR, UNS DEPOIS DOS OUTROS. A distinção entre a profecia como dom espiritual e a profecia como parte das Sagradas Escrituras (2 Pe 1.20), deve ser conhecida com clareza, embora se trate, nos dois casos, de uma mensagem recebida de DEUS.

(1) Os escritores da Bíblia recebiam suas mensagens. O resultado foi uma mensagem infalível. (2) A profecia do tipo descrito nos caps. 12 e 14, porém, não tem inerente em si a mesma autoridade ou infalibilidade que a inspirada Palavra de DEUS (2 Tm 3.16). Deve ser julgada. A base fundamental desse julgamento é a Palavra de DEUS escrita: i.e., a profecia está de conformidade com a doutrina apostólica? Toda experiência e mensagem na igreja devem passar pelo crivo da Palavra de DEUS escrita.

1 Pe 4.10 - O dom deve ser bem administrado

10 Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de DEUS.
Romanos 12.6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;
1 Coríntios 4.7 Porque quem te diferença? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias como se não o houveras recebido?
A base da humildade cristã é reconhecer que os talentos inatos e os dons espirituais que possuímos provêm de DEUS e, portanto, não são motivo para superioridade, status ou orgulho. Tudo quanto possuímos e tudo quanto viermos a ser vêm de DEUS diretamente ou por meio de outras pessoas. Daí, não temos lugar para o orgulho, mas somente para a gratidão a DEUS e ao próximo.

 1 Co 13.1,2 - O amor é essencial

O amor, sendo o único contexto em que os dons espirituais podem cumprir o propósito de DEUS, deve ser o princípio predominante em todas as manifestações espirituais. Daí, Paulo exortar os coríntios: “Segui a caridade e procurai com zelo os dons espirituais” (14.1). Os crentes devem, com muito zelo, buscar as coisas do ESPÍRITO, para que, assim equipados, possam ajudar, consolar e abençoar o próximo neste mundo.

Paulo pretende ser mais prático do que teórico, mais exortativo do que explicativo. Se na primeira seção, Paulo descreveu a doutrina da graça de DEUS, nesta, os atos que se esperam de quem vive na graça.

 

Dons relacionados na Epístola aos Romanos 12. 6-8 com as de 1 Co 12.27-31 e Ef 4.11,12.

  

DONS ASSISTENCIAIS

(Rm 12.6-8)

DONS ESPIRITUAIS

(1Co 12.27-31)

DONS MINISTERIAIS

(Ef 4.11,12)

Contribuição 1- Palavra de Sabedoria 1- Apóstolos
Serviço 2- Palavra de Conhecimento ou da Ciência 2- Profetas
Ensino 3- Discernimento de espíritos 3- Evangelistas
Exortação 4- Fé 4- Pastores
Liderança 5- Curas 5- Mestres
Misericórdia 6- Maravilhas  
Ajuda 7- Profecia  
Administração 8- Variedade de Línguas  
  9- Interpretação  

  

O AMOR DE DEUS DERRAMADO EM NOSSOS CORAÇÕES É QUE NOS IMPULSIONA A TRABALHAR, A FAZER ALGO EM PROL DE DEUS E SUA OBRA, DE AJUDAR AOS OUTROS, POIS É NATURAL, É ESPIRITUAL, QUE FAÇAMOS ALGO PARA MELHORAR A VIDA DE QUEM AMAMOS, ENTÃO, COMO SOMOS REPRESENTANTES DE DEUS NA TERRA, AMAMOS A TODOS INDISTINTAMENTE, COMO DEUS AMA.

DEUS FORNECE TODAS AS FERRAMENTAS PARA NOSSO TRABALHO, É SÓ NOS COLOCARMOS À SUA DISPOSIÇÃO.

Todo serviço no Reino de DEUS deve ser feito à base de verdadeira fé. É o Senhor que habilita o crente, mediante dotação especial, a realizar sua obra da melhor maneira possível. É dele que provém toda a ciência, capacidade e dons ministeriais e espirituais. Por isso, não podemos fazer a obra de DEUS com espírito de competição. O único objetivo do nosso labor deve ser o desenvolvimento e o bem-estar do corpo de CRISTO.

I. Um apelo à Consagração pessoal

UM VASO SUJO NÃO SERVE PARA SER USADO, PORTANTO O ARREPENDIMENTO DE PECADOS E UMA SEPARAÇÃO (SANTIFICAÇÃO) SE FAZ NECESSÁRIA PARA UM BOM RENDIMENTO NA OBRA DE DEUS.

O SACRIFÍCIO DA OBRA DEVE SER DE LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE E COM ALEGRIA E PRAZER A EXECUÇÃO.

 

1. Um apelo à consagração.

PAULO PEDIU COM INSISTÊNCIA, PEDIU COM AMOR E MOSTRANDO NA PRÁTICA DE SUA PRÓPRIA VIDA, DANDO EXEMPLO A ELES DE COMO FAZER., SOUBE TRANSMITIR AQUILO QUE ELE MESMO FAZIA, SACRIFICAVA-SE PELO EVANGELHO.

O QUE PRECISAMOS FAZER É NOS COLOCAR À DISPOSIÇÃO DE DEUS PARA QUE ELE POSSA NOS USAR, O RESTO DEIXAMOS QUE DEUS IRÁ FAZER. É DEUS QUE NOS CHAMA, NOS TREINA E NOS CAPACITA PARA REALIZARMOS GRANDES COISAS.

 

2. Um apelo à humildade.

O GRANDE PROBLEMA DAQUELES QUE SÃO USADOS POR DEUS É O ORGULHO, É DESEJO DE SER SUPERIOR AOS DEMAIS.

Consideremos, pois, as verdades abaixo:

a) Há sempre a tentação da superestimação da própria importância. É bom notar que Paulo dirigia-se a uma comunidade que estava em CRISTO.

AMAR OS PRIMEIROS LUGARES, AMAR SER RECONHECIDO, AMAR SER ELOGIADO, TUDO ISTO PODE IMPEDIR UM LIVRE AGIR DO ESPÍRITO SANTO, POIS SEU OBJETIVO É QUE DEUS SEJA LOUVADO E NÃO O HOMEM.

b) Não se deve esquecer de que DEUS concedeu a cada crente uma certa “medida” de fé. Não devemos nos estribar no próprio conhecimento, mas, com temperança buscar somente o que convém.

CADA UM TEM UM NÍVEL DE REVELAÇÃO DE DEUS DE ACORDO COM SUA CAPACIDADE DE GUARDAR E APLICAR ESSAS REVELAÇÕES NO REINO DE DEUS.

DEUS DÁ A QUEM COMPARTILHA -  ENTÃO QUEM RETÉM NÃO É AGRACIADO.

POR MAIS QUE ESTUDEMOS, SEM A REVELAÇÃO DE DEUS, NADA SABEREMOS E NADA SEREMOS.

c) Somente os que discernem a vontade de DEUS e se rendem integralmente a Ele conseguem identificar sua real posição no corpo de CRISTO.

A VONTADE DE DEUS É PERFEITA E DEVEMOS CONHECÊ-LA EM NOSSA VIDA. PARA QUE FOMOS CHAMADOS? A RESPOSTA SÓ PODE SER UMA: - PARA TRABALHARMOS NA OBRA DA SALVAÇÃO DOS HOMENS.

d) É imprescindível ao cristão ter uma idéia correta de si mesmo para integrar-se perfeitamente ao corpo de CRISTO.

UMA AUTO-ANÁLISE LEVARÁ O CRENTE A SE COLOCAR NA POSIÇÃO DE SERVO, DE EMISSÁRIO DE DEUS PARA REALIZAÇÃO DE GRANDES TAREFAS FEITAS POR PEQUENOS HOMENS.

II. A IGREJA COMO O CORPO DE CRISTO

O apóstolo Paulo utilizou-se da figura do corpo humano para demonstrar a função de cada membro do corpo de CRISTO na administração dos dons.

UM CORPO COMO TEMPLO DO ESPÍRITO SANTO USA SEUS MEMBROS SEMPRE PARA O BEM, PARA A EDIFICAÇÃO.

 

1. Um só corpo em CRISTO.

A IGREJA COMO CORPO DEVE SEMPRE SE PREOCUPAR COM O CONJUNTO, COM A HARMONIA ENTRE SEUS MEMBROS, ENVOLVENDO A TODOS NO TRABALHO.

EXISTEM MEMBROS MAIS HONROSOS E EXISTEM MEMBROS MENOS HONROSOS, ASSIM “OS MAIS’ CUIDAM DOS “MENOS” PARA QUE HAJA NIVELAMENTO.

O valor de cada membro é medido pela contribuição que dá ao bom funcionamento do corpo inteiro (1 Co 12.21-23). Qualquer atividade dentro da igreja só terá valor se estiver relacionada com o todo. O trabalho do corpo como um todo é o que importa!

O RESULTADO DA OBRA É QUE VALE, ENTÃO NÃO SÃO OS QUE FAZEM QUE DEVEM SER EXALTADOS, MAS AQUELE QUE OS ENVIOU, PREPAROU E CAPACITOU.

O DOENTE NÃO AGRADECE ÀS SERINGAS E AOS BISTURIS PELO SUCESSO DA OPERAÇÃO OU CIRURGIA, MAS QUEM É ELOGIADO E EXALTADO É O MÉDICO.

 

2. Diferentes membros, diferentes funções.

Cada qual deverá exercer seu trabalho com o único objetivo de enaltecer a CRISTO, que é a cabeça do corpo, e não a si mesmo.

NO REINO DE DEUS VALE A LEI DA SEMEADURA, QUANTO MAIS SE PLANTA MAIS SE COLHE, QUANTO MAIS SE COLHE, MAIS SEMENTES SE RECEBE PARA PLANTAR.

1Co 15.58 Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.

 

Portanto, se somos mãos, pés, ouvidos, boca etc., CRISTO realiza sua obra através de nós. Para isso fomos comissionados. Aleluia! (Mt 28.19,20).

NEM TODOS TÊM O MESMO CHAMADO DE DEUS, UM PODE SER CHAMADO PARA PROFETIZAR, OUTRO PARA CURAR, OUTRO PARA PRESIDIR, ETC…, O QUE IMPORTA É ESTAR OCUPADO NA OBRA DE DEUS, FAZENDO AQUILO QUE NOSSO SENHOR DESEJA, AMANDO A TODOS E DESEJANDO QUE TODOS PROGRIDAM EM ESPIRITUALIDADE.

1Co 12.29 Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos doutores? são todos operadores de milagres? 30 Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos? 31 Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente. O AMOR.

III. O USO DOS DONS

OS DONS NÃO ESTÃO LISTADOS EM FORMA CRESCENTE OU DECRESCENTE, INDICANDO UMA ORDEM EM RECEBÊ-LOS OU UMA ORDEM DE IMPORTÂNCIA, APENAS ESTÃO LISTADOS DE ACORDO COM A LEMBRANÇA DE PAULO AO IR ESCREVENDO-OS, O MAIOR E MAIS IMPORTANTE PARA A IGREJA PAULO CITA EM 1CO 14 (1Co 14.1 Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.), PORÉM ELE MESMO DIZ DEPOIS QUE O MAIS IMPORTANTE É O AMOR (1Co 13), POIS SEM ESTE NENHUM DOM TERÁ PROVEITO PARA QUEM O POSSUI, POIS NO FUTURO, QUANDO ESTIVERMOS DIANTE DE DEUS OS DONS JÁ NÃO SERÃO NECESSÁRIOS E AQUI NA TERRA OS DONS SÃO EXERCITADOS PELO AMOR E NÃO PELO INTERESSE PRÓPRIO.

  

Serviço. É a disposição, ou capacidade, concedida por DEUS, para o crente servir e prestar assistência prática aos membros e aos líderes da igreja. Este dom se manifesta em toda forma de ajuda que os cristãos possam prestar uns aos outros, em nome de JESUS. Os que possuem este dom têm prazer em ministrar aos santos as coisas materiais que lhes são necessárias. O dom do serviço, como qualquer outro, é essencial para o bom funcionamento do corpo de CRISTO. Quem o tem deve exercê-lo empregando toda a sua energia, no temor do Senhor.

SERVIR É ESPIRITUAL, SERVIR É AMAR, SERVIR É DEIXAR DEUS AGIR, SERVIR É A FUNÇÃO BÁSICA DE TODO O CRENTE, POIS ASSIM ENSINARAM JESUS E PAULO:

Lc 22.27 Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve.

ATOS 20.35 Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.

A UNÇÃO DO ENSINO TRAZ A REVELAÇÃO DA PALAVRA AOS OUVINTES OU LEITORES E COMO CONSEQÜÊNCIA LÓGICA, HÁ UMA TRANSFORMAÇÃO DE VIDA.

CONCLUSÃO

Que dom recebeu você de CRISTO? Você o tem exercido com amor e piedade? Ou já o enterrou de forma egoísta? No Reino de DEUS, há importantes obras a serem executadas. Por isso, é de fundamental importância exercermos os dons que o ESPÍRITO SANTO tem nos concedido, a fim de que o Reino se expanda até aos confins da Terra. Que DEUS nos ajude nesta tão gloriosa tarefa!

O DOADOR. Os líderes espirituais dotados de dons que CRISTO deu à igreja. Paulo declara que Ele deu esses dons 

(1) para preparar o povo de DEUS ao trabalho cristão (4.12) e 

(2) para o crescimento e desenvolvimento espirituais do corpo de CRISTO, segundo o plano de DEUS (4.13-16).

Palavra Chave: Serviço: No grego bíblico diakonia: serviço amoroso prestado a DEUS a favor dos santos e da Seara.

Sempre preocupado com o Serviço Cristão, afirmou J. H. Jowett:

SINOPSE DO TÓPICO (1) O serviço cristão é o trabalho amoroso e sacrifical que o cristão consagra ao Senhor, tendo em vista à expansão do Reino de DEUS e à edificação do Corpo de CRISTO.

SINOPSE DO TÓPICO (2) O serviço cristão está fundamentado nas Escrituras do Antigo e Novo Testamento, nas quais os trabalhos secular e religioso fundem-se como oferta de gratidão e reconhecimento do senhorio do Altíssimo.

SINOPSE DO TÓPICO (3) Os principais objetivos do serviço do crente são: adorar a DEUS, pregar o Evangelho, exercer o magistério eclesiástico e visitar os santos em suas necessidades.

Um ótimo material para se explicar sobre o serviço cristão está na Parábola dos Talentos.

Vejamos:

FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NA OBRA DE DEUS

Figuras Ilustrativas do filme “Todas as Parábolas” Editora Paulinas.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: MATEUS 25.14-30

·PARÁBOLA DOS TALENTOS
14 Porque isto é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens.15 E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe.16 E, tendo ele partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles, e granjeou outros cinco talentos.17 Da mesma sorte, o que recebera dois, granjeou também outros dois.
18 Mas o que recebera um, foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.19 E muito tempo depois veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles.20 Então aproximou-se o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que granjeei com eles.21 E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.22 E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que com eles granjeei outros dois talentos.23 Disse-lhe o seu Senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.24 Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste;25 E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.26 Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?27 Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros.28 Tirai-lhe pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.29 Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.30 Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.



A parábola que vamos estudar fala de fidelidade e diligência no uso das capacitações ou manifestações espirituais e especiais doadas a nós por DEUS para a execução de sua obra na Terra.

 

I. A DISTRIBUIÇÃO DOS TALENTOS (MT 25.14,15)

1. O que era talento?

O talento passou a representar um valor monetário que podia ser bronze, prata ou ouro. Um talento equivalia a 60 minas, e uma mina, aproximadamente, a 50 ciclos. Portanto, um talento de ouro ou prata era uma grande quantia.

Podia também uma soma em dinheiro ou ouro ou prata, ser dado a alguém como Talento (Porque a quantia dada era igual ao valor de 1 Talento).

 

2. O significado dos talentos na parábola.

Nesta parábola, os talentos têm um sentido figurado que representam valores pessoais, aptidões naturais, oportunidades que Deus nos dá para fazermos a sua obra, como autênticos mordomos.

Os talentos naturais são aquelas aptidões e inclinações natas que todo homem traz consigo desde o nascimento. São dons ou inclinações naturais para uma variedade de coisas boas.

A música, a poesia, as letras, a pintura, artes de modo geral, são exemplos de dons naturais. Esses talentos, apesar de naturais, são dotações da parte de Deus.

Ressaltamos que quando uma pessoa aceita a Jesus como seu Salvador, todos os talentos evidenciados em sua vida adquirirão uma nova dimensão…

Os artistas seculares - os cantores, atores, atletas, entre outros, estão sempre procurando se apresentar da melhor maneira possível, esforçando-se para agradar a todos. Enquanto isto,observamos que muitos cristãos que possuem talentos diversos estão se acomodando e se conformando em oferecer a Deus apenas uma parte mínima das suas reais possibilidades. Não fazem mais e melhor o que estão fazendo para Deus. Não esqueçamos que todos a mos comparecer ante o tribunal de Cristo para dar contas dos nossos feitos, e para receber a recompensa de acordo com o uso que fizermos dos nossos talentos (2 Co 5.10).

 

Num sentido mais profundo e espiritual, para a Igreja, os talentos representam os Dons de DEUS, de CRISTO e do ESPÍRITO SANTO, que são capacitações ou manifestações especiais do ESPÍRITO SANTO agindo no crente para o progresso da obra de DEUS na Terra.

São armas de guerra contra o reino das trevas.

 

Para melhor assimilação dos Dons ou Talentos Espirituais (Aqui, manifestações do ESPÍRITO SANTO) veja o estudo a seguir:

1-    Operações de DEUS (DONS)

E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.(I Co 12:6)

E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro mestres, depois operadores de milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.(I Co 12:28)

De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com zelo; o que usa de misericórdia, com alegria. (Rm 12: 6-8) Deus pode usar animal para falar, como fez com a jumenta de Balaão ou usar um descrente para glorificá-lo, com fez com Nabucodonosor; Deus usa a quem quer e da maneira que quer.

2-    Dons de Cristo(Ministérios):  

    E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres.(Ef 4:11); são pessoas dadas à Igreja, para orientá-la e guiá-la fazendo-a crescer. Para edificar e fortalecer a noiva de CRISTO, que é a Igreja. Assim como no corpo humano temos cinco sentidos (olfato,visão,tato,paladar e audição), assim também no corpo de CRISTO, na terra tem cinco ministérios.

3-    Dons do Espírito Santo (Manifestações = mostrar realmente a presença de DEUS):

    A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito para o proveito comum. Porque a um, pelo Espírito, é dada a palavra da sabedoria; a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; a outro a operação de milagres; a outro a profecia; a outro o dom de discernir espíritos; a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação de línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, distribuindo particularmente a cada um como quer. Para estudá-los dividimos em.

4-    DONS DE REVELAÇÃO - DONS DE PODER - DONS DE INSPIRAÇÃO.

4.1-    DONS DE REVELAÇÃO (REVELAM ALGO OCULTO OU DESCONHECIDO  SOBRENATURALMENTE).

4.1.1. Palavra de sabedoria:

    Palavra= pequena parte da sabedoria de DEUS; acontecimento futuro, só Deus sabe; tem a ver com onisciência.

4.1.2. Palavra de conhecimento ou da ciência:

Palavra = pequena parte do conhecimento de DEUS, revelação de coisa conhecida; tem a ver com onipresença. (pode ser coisa conhecida por pessoas em outra parte ou localidade, que é revelada aqui onde estamos).

4.1.3. Discernimento de espíritos: 

    Saber de onde vem e o que está operando numa pessoa ou em uma época.

4.2-    DONS DE PODER (DÃO PODER PARA SE FAZER ALGO SOBRENATURAL).

4.2.1. Fé:  

    Para crer no impossível (temos fé natural, sobrenatural e espiritual), precisamos de fé para comer (pode estar envenenado), para andar no meio da rua (pode ser atropelado), para viajar de avião (pode cair), para adorar a DEUS (Não estamos vendo-o), para crer em milagres sem os ver. Don de fé é acreditar que o impossível de acontecer já aconteceu. É impossível que alguém que já morreu torne a viver.

4.2.2. Dons de curar: 

    Dons no plural, alguns são usados para certos tipos de doenças, NENHUMA PESSOA É USADA PARA CURAR TODOS OS TIPOS DE DOENÇA.

4.2.3. Operação de maravilhas: 

    Mudança na natureza, MUDA O QUE ERA NATURAL.

4.3-    DONS DE INSPIRAÇÃO OU DA FALA (DIZEM ALGO DE SOBRENATURAL).

4.3.1. Profecia:

    Vêm para edificação, exortação e consolação(1 Co 14:3). Línguas + Interpretação = Profecia (1 Co 14:27,13).

4.3.2. Variedade de línguas: 

    4 tipos de línguas: Não proibais falar em línguas; é ordem de DEUS (1 Co 14.39).

4.3.2.1. Língua para oração: 

4.3.2.2. Língua para interpretação: 

4.3.2.3. Língua como sinal para incrédulo: 

4.3.2.4. Gemidos inexprimíveis:

4.3.3. Interpretação de Línguas:

“Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. Se alguém falar em língua, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e cada um por sua vez, e haja um que interprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado (ore tão baixinho que ninguém o note) na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.”(I Co 14:26-28); “Por isso, o que fala em língua, ore para que a possa interpretar.”(I Co 14:13)

5-    CONSIDERAÇÕES FINAIS:

5.1• Dons, só depois do batismo com o Espírito Santo.(vaso vazio não transborda)

5.2• O senhorio é de Cristo.(o cabeça do corpo)

5.3• Para glorificação de Deus.(o ESPÍRITO SANTO glorifica a DEUS)

5.4• Vaso deve estar limpo sempre para o uso constante.(santificação)

5.5• Nada é de nós mesmos, tudo vem de Deus(nada de orgulho).

5.6• Todos os dons são para os outros só um para nós linguagem de oração. (língua que foi batizado) 

 

3. Talentos repartidos entre os servos (Mt 25.15).

Aquele senhor chamou os seus servos e deu-lhes os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro dois e a outro, um.

Não houve qualquer injustiça de sua parte. O fato de ter dividido os seus bens de modo distinto não foi uma injustiça; “Foi dado a cada um segundo a sua capacidade”.

Muitas vezes ficamos tristes por não recebermos tantos talentos ou aptidões para fazer a obra de DEUS, porém devemos, ao invés de ficar chateados, nos dispormos e dedicarmos maior tempo de nossas vidas para a obra de DEUS, mesmo que para isto percamos materialmente e até afetivamente.

DEUS quer prioridade, DEUS quer nossa dedicação e fé em seu poder para nos usar em mais talentos.

A prateleira de DEUS está cheia dos melhores talentos e estão à nossa disposição, basta abrirmos nossos corações para DEUS e dizer para Ele: Usa-me a mim Senhor.

 

II. O TRABALHO DOS SERVOS (MT 25.15-18)

1. O que recebeu cinco talentos (vv.16,19-21).

Tg 1.12 Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.

Soube trabalhar visando o lucro de seu Senhor. Recebeu muito porque tinha capacidade de produzir muito. Correspondeu à expectativa de seu Senhor. Dobrou o que seu Senhor lhe confiou, provando ser trabalhador, fiel e diligente. Um servo de extrema capacidade e de extrema inteligência, provando ser um verdadeiro líder, um verdadeiro empreendedor nas tarefas por seu Senhor designadas. Este era um administrador digno de ser imitado. Seria a semente que caiu em terra boa e que produziu 100%. Na comparação com os pássaros seria como a águia que voa mais alto do que todas as outras criaturas.

 

2. O que recebeu dois talentos (vv.17,22,23).

Fez o que lhe era possível, produziu de acordo com sua capacidade. Dobrou o que seu Senhor lhe confiou, provando ser trabalhador, embora limitado em sua capacidade, pois seu senhor lhe confiou dois talentos sabendo que se lhe confiasse mais não daria conta de produzir mais. Nosso Senhor conhece o futuro e sabe de nossa capacidade, louvemos a DEUS pelo que Ele nos tem confiado e produzamos sempre o dobro do que recebermos.

 

3. O que recebeu apenas um talento (vv .18,24,25).

Aquele que havia recebido um talento escondeu-o, provando, pela sua negligência, que seu senhor estava certo em dar-lhe este valor. DEUS conhece nosso futuro e sabe bem, quem somos, porém, podemos mudar este futuro caso nos entreguemos inteiramente nas mãos do DEUS que tudo pode, dizendo-lhe: Muda-me Senhor, aqui estou para fazer a tua Vontade.

 

III. O ÊXITO E O INSUCESSO DOS SERVOS

 

1. O êxito dos primeiros servos (vv.16,17,19-23).

Os servos fiéis foram elogiados pelo lucro produzido, ao passo que o infiel, além de perder seu talento, foi considerado mau e negligente.

Os primeiros servos trataram logo de negociar, ou de utilizar os talentos recebidos para proveito do dono, seu senhor.

Repare que os servos trabalharam duro para o enriquecimento de seu senhor, não trabalharam para si próprios, mas para seu senhor; assim também devemos trabalhar na obra de DEUS visando o reino dos céus, visando agradar ao nosso Senhor e salvador JESUS CRISTO e não visando nosso lucro pessoal como fazem por aí várias denominações que se auto-denominam prósperos, tornando seus seguidores mais merecedores do inferno do que eles mesmos, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males.

 

2. O insucesso do terceiro servo (vv.18,24,25).

Os outros duplicaram a importância recebida. Este servo, apesar de ser chamado servo se comportava como crítico e em seu dizer demonstra rancor e ódio pelo seu dono, talvez uma mágoa por ser tratado segundo sua capacidade, ou tratado segundo sua vontade de trabalhar. Restou para este servo um “Mal e negligente servo” e as trevas exteriores. Tomemos cuidado com o que recebemos do Senhor, pois se formos encontrados infiéis nas coisa espirituais nosso destino é com os infiéis.

 

 

IV.A PRESTAÇÃO DE CONTAS (MT 25.19)

O Senhor voltou para a prestação de contas, lembremo-nos de que um dia teremos que prestar contas de tudo o que tivermos feito através de nosso corpo, aqui na Terra.

Ec 11.9 Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo.
10 Afasta, pois, a ira do teu coração, e remove da tua carne o mal, porque a adolescência e a juventude são vaidade.

2Co 5.10 Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.

 

A época do Senhor voltar será no fim da Dispensação da Graça que finda com o início da Grande Tribulação.

 

1. Fidelidade antes da recompensa.

É Demonstrando coragem, amor, diligência, fidelidade, que nos é confiado cada dia mais, “Fiel no pouco, colocado sobre o muito”

 

2. Recompensa depois da fidelidade.

O primeiro além de ser colocado numa posição de destaque e de entrar para o gozo de seu Senhor, recebeu um talento a mais.

O segundo foi chamado de bom e fiel servo.

O terceiro além de ser chamado  ”Mal e negligente servo” foi jogado nas trevas exteriores.

 

3. O ajuste de contas.

Ajustar contas é calcular lucro, não é calcular prejuízos, por isso o acerto de contas para os dois primeiros servos trouxe bênçãos para eles, enquanto que para o terceiro restou um  julgamento e condenação.

 

O Juízo

Haverá duas classes de pessoas:

1. Glorificados e

2. Não-glorifícados.

Os glorificados são os crentes do AT e NT e os do período da Grande Tribulação e as não-glorificados são os judeus sobreviventes da Grande Tribulação, gentios remanescentes das nações e os nascidos no Milênio.

A cena final e a justificação do grande Trono Branco, quando comparecerão diante do Cordeiro e Rei todos os mortos de todas as épocas, ainda não ressuscitados. Esta é a Segunda Ressurreição.

 

O julgamento iniciará por ocasião da abertura dos livros de Deus, Ap 20.12:

7. Cada pessoa será julgada,

2. Os inimigos do Rei serão punidos,

3. Os inimigos espirituais do Rei serão julgados: Satanás; o Anticristo; o Falso Profeta; os demônios; o Inferno e a morte.

Cristo colocará sob seus pés todos os seus inimigos, I Co 15.24,25. A Ele, toda honra, glória e louvor para sempre. Amém!

 

O desejo de DEUS não é a condenação, mas a comunhão, o amor, o trabalho e a fidelidade de cada um de seus filhos.

 

 

CONCLUSÃO

Destacamos aqui algumas verdades relacionadas com a mordomia dos talentos:

a) A mordomia dos talentos requer um serviço fiel;

b) Cada um recebe segundo a sua capacidade;

c) Nesta mordomia não há lugar para a ociosidade;

d) O senhor não aceita desperdício.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

Subsídio Devocional

“Tudo o que você foi feito para ser

DEUS não espera que você seja quem não é. Isto lhe traz algum alívio? DEUS tem baldes cheios de graça para derramar sobre nós - mas temos que estar onde o aguaceiro cair.

DEUS não espera que você seja quem não é, mas Ele realmente deseja que você seja tudo o que Ele criou para ser. Quando sabemos para que fomos designados e convocados, podemos poupar muitos esforços em áreas para as quais não fomos criados. Se soubermos quem DEUS quer que sejamos, poderemos parar de tentar se alguém que não somos e abandonar a tensão que vem com esse tipo de vida. DEUS lhe criou para ocupar um determinado lugar onde você poderá servi-lo melhor, onde Ele poderá derramar a graça sobre você. Bem, pense em uma pessoa que cumpre um ministério profético e faz uma rápida tentativa para ensinar. Ele passa horas e horas preparando as aulas, nunca se sentindo 100% seguro de que está no caminho certo. Quando as aulas começam, os seus alunos parecem confusos, desorganizados ou sem um foco específico. Não importa o quanto ele se esforce, o profeta convertido em professor simplesmente parece não acertar em termos de instruir o seu grupo e a sua frustração está se acumulando […]”

 

(BREEN, M.; KALLESTAD, W. Uma vida apaixonante. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp.137-8.)

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BREEN, M.; KALLESTAD, W. Uma vida apaixonante. RJ: CPAD, 2005.

SANTOS, V. P. dos. O tempo de DEUS. RJ: CPAD, 1999.

SALE JR., Frederick. Você & DEUS no trabalho. RJ: CPAD, 2001.

SAIBA MAIS em Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 34, p.39.

APLICAÇÃO PESSOAL

DEUS nos dá muitas habilidades e dons para que possamos edificar sua Igreja. Para usá-los eficientemente, devemos: entender que todas as nossas habilidades e todos os nossos dons vêm de DEUS; entender que nem todos são dotados das mesmas habilidades e dos mesmos dons; saber quem somos e o que fazemos melhor; dedicar nossas habilidades e nossos dons ao serviço de DEUS, não para alcançar sucesso pessoal; estar dispostos a empregar as habilidades e os dons que temos com todo o nosso coração, colocando tudo à disposição da obra de DEUS, sem reter coisa alguma.

 

Comentários do Livro Romanos, Introdução e Comentário, de F.F. Bruce

Série Cultura Bíblica, Mundo Cristão, Quinta Edição 1988 e reimpresso em 03-1991, Cidade Dutra - SP - SP

Figuras Ilustrativas do filme “Todas as Parábolas” Editora Paulinas.

 

-——————————————————————————————

 

VOLTEMOS À NOSSA LIÇÃO

 

INTERAÇÃO

Professor, você está disposto a servir, ao Senhor e ao próximo? O serviço cristão reflete o relacionamento que o crente tem com DEUS. Quem ama o Pai e O conhece não se nega a ajudar o próximo. Servimos ao Senhor quando servimos o outro (Mt 25.40), por isso é importante que o aluno compreenda que a pregação da Palavra de DEUS, a comunhão e a prática do serviço cristão formam o tripé da Missão Integral da Igreja. Servir ao Pai Celeste é um privilégio. E não podemos nos esquecer que a vida cristã vitoriosa é uma vida de serviço a DEUS e ao próximo.

 

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Identificar as características do servo de CRISTO.

Compreender que o serviço cristão engloba a relação com DEUS e o próximo.

Explicar qual é a Missão da Igreja no mundo.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, a lição de hoje ensina a respeito da prática do serviço cristão, por isso, procure, logo na introdução, explicar que a palavra “serviço”, no original, significa diakonia. Seu significado abrange a “distribuição de comida, socorro; serviço; ministério, administração e ministração”. Fale que apesar do termo diakonia lembrar a função do diácono, conforme Atos 6, o serviço cristão tratado aqui nada tem haver com tal função eclesiástica. Refere-se a um estilo de vida pregado e ensinado por JESUS de Nazaré (Jo 13.1-20), cuja abrangência refere-se a todos os seus discípulos no mundo.

 

 

RESUMO DA LIÇÃO 7, A Beleza do Serviço Cristão

I. AS CARACTERÍSTICAS DO SERVO DE CRISTO

1. Amor.

2. Compromisso.

3. Humildade.

II. O SERVIÇO CRISTÃO

1. Ordenado pelo Senhor.

2. Em relação a DEUS.

3. Em relação ao próximo.

III. A MISSÃO DA IGREJA NESTE MUNDO

1. Proclamar a Palavra de DEUS.

2. Viver em comunhão. .

3. Servir a DEUS e ao próximo.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (1) O amor, o compromisso e a humildade são características dos servos de CRISTO.

SINOPSE DO TÓPICO (2) O serviço cristão ordenado pelo Senhor compreende a relação do homem com DEUS e o com o próximo.

SINOPSE DO TÓPICO (3) A missão da Igreja no mundo é proclamar o evangelho, viver a comunhão, servira DEUS e acolher o próximo.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

ARRINGTON, French L; STRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.

PEARLMAN, Myer. João: O Evangelho do Filho de DEUS. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1995. ZUCK, Roy B. (Ed.) Teologia do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO - Subsídio Exegético

“Um Padrão para Seguir

Os versículos 12a 17 [de João 13] fornecem a razão para o lava-pés. Tendo lavado os pés dos discípulos, vestido a roupa e retomado o lugar à mesa, JESUS pode falar então com nova autoridade. Isto é revelado, sobretudo pelo modo como Ele se refere a si mesmo. Ele é corretamente o ‘Mestre’, o ‘Senhor’ deles (w. 1 3,14,16). Ele começa fazendo uma pergunta: ‘Entendeis o que vos tenho feito?’ Da parte deles, a resposta é antecipada: ‘Não, não entendemos’. Isto é evidente pela resposta de JESUS.

O versículo 14 explica a motivação de JESUS para o lava-pés: ‘Ora, se eu […] vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros’. O versículo 15 enfatiza nitidamente o fator ’exemplo’ envolvido na ação - a atitude servil do discipulado.modelado segundo a atitude e comportamento de JESUS. A palavra grega traduzida por ‘exemplo’ é hypodeigma; refere-se a mais que mero ‘exemplo’, pois tem um aspecto ético e compulsório. Contudo o indivíduo não é servo de JESUS meramente por dever ou compulsão; antes, a atitude emana do amor. O amor motivou JESUS a dar a vida pelo mundo e lavar os pés dos discípulos. Todo serviço deve ser humilde, a despeito destatus” (ARRINGTON, French L; STRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, p.574).

 

AJUDA

CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD’S, DVD’S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.

VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.

Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/

Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.

www.portalebd.org.br (Caramurú)

BANCROFT, E. H. Teologia Elementar. São Paulo, IBR, 1975.

CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977.

BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Edição contemporânea. São Paulo, Vida, 1994.

SILVA, S. P. da. Apocalipse Versículo por Versículo. Rio de Janeiro, CPAD, 1995.

McNAIR, S. E. A Bíblia Explicada. Rio de Janeiro, CPAD, 1994.

CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado. Milenium, 1982.

Comentários do livro “Romanos” da editora Mundo Cristão e Vida Nova - F. F. Bruce - 5. Edição - 03/1991 - São Paulo -SP

Atos - Introdução e Comentário - I. Howard Marshall - Série Cultura Bíblica - edições 1985,1988, 1991, 1999 e 2001 - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova - SP

Espada Cortante 2 - Orlando S. Boyer - CPAD - Rio de Janeiro - RJ

ARRINGTON, French L; STRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.
CHAMPLIN, R. N. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. 5. ed. São Paulo: Hagnos, 2001. v. 1
JOSEFO, Flávio. História dos hebreus: de Abraão à queda de Jerusalém obra completa. 9. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.
PFEIFFER; Charles F.; HARRISON, Everett F. Comentário Bíblico Moody: os evangelhos e atos. São Paulo: IBR, 1997. v. 4;

VOS, Howard F.; REA, John. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.
KEENER, Craig S. Comentário Bíblico Atos: Novo Testamento. Belo Horizonte: Atos, 2004.
VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; WHITE JR, William. Dicionário Vine. 2. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.
WILLIAMS, David J. Novo Comentário Bíblico Contemporâneo: Atos. São Paulo: Vida, 1996.

converter em pdf.

Comente.