Wordpress Themes

Não Furtarás - Thiago Santos

rev-adultos

INTRODUÇÃO

I - O OITAVO MANDAMENTO

II - LEGISLAÇÃO MOSAICA SOBRE O FURTO

III - SOBRE OS DANOS MATERIAIS

IV - O TRABALHO

CONCLUSÃO

“NINGUÉM OPRIMA OU ENGANE A SEU IRMÃO EM NEGÓCIO ALGUM”.

1 TESSALONICENSES 4.6

Na aula desta semana, aprenderemos com relação ao mandamento de Deus que condena a prática do furto (Êx 20.15). No Antigo Testamento, este ensinamento divino trata de maneira específica com relação às diversas formas de furto e danos materiais provocados ao próximo. Contudo, nos deteremos à outra maneira de furto que tem sido predominante nos dias atuais, até mesmo entre aqueles que se dizem evangélicos. O apóstolo Paulo ressalta na primeira carta direcionada aos Tessalonicenses que “ninguém deve oprimir ou enganar a seu irmão em negócio algum” (4.6a). Sendo assim, independentemente do modo como o engano e a defraudação é cometido, tal prática não corresponde à conduta dos que servem a Deus, e sim aos que não possuem o conhecimento da Palavra da Verdade.

Em vista disso, o Senhor Deus repudia a desonestidade, e como conclui o apóstolo Paulo, “o Senhor é vingador de todas estas coisas” (1 Ts 4.6b). Considerando essas afirmativas, o professor poderá enfatizar aos seus alunos que, tratando-se de honestidade, há coisas que são lícitas aos olhos humanos, porém não estão em conformidade com a vontade de Deus expressa em sua Palavra. Ressalte que Deus espera abençoar-nos em tudo quanto precisamos, porém, Ele não aprova a atitude dos que adquirem bens materiais de forma desonesta nem os que usam de engano a ludibriar seu semelhante em coisa alguma. Porquanto, Deus trará a juízo todas as coisas que estão em oculto (Ec 12.14).

I. A prática do engano e da defraudação

Em face disso, precisamos nos atentar à conduta cristã em nossos dias. Há muitos que já não vêem problema algum em compactuarem com as práticas ilícitas que predominam no cotidiano dos infiéis, como por exemplo, a compra de material pirateado. Para muitos, a justificativa é o elevado valor que os comerciantes vendem os CDs e DVDs originais. Isso estaria impossibilitando as pessoas menos favorecidas economicamente de adquirir o material. Além disso, há muitos outros bens materiais e serviços prestados de forma ilegal, que cobram um valor mais barato, enfim, são exemplos de maneiras ilícitas de adquirir benefícios que muitos concordam.

Entretanto, o Senhor não aprova que seus servos compartilhem de tais práticas, visto que estes produtos não pagam devidamente os impostos e, muitas vezes, o dinheiro arrecadado serve a fins ilícitos que, obviamente não são os mesmos que o Reino de Deus aprova.

Outra atitude reprovável é o fato de muitos que se dizem cristãos, negligenciarem o pagamento de dividas que adquiriam indevidamente. As Escrituras afirmam quanto ao voto: “Melhor é que não votes do que votes e não pagues” (Ec 5.4). Embora a presente passagem se refira ao voto dirigido a Deus, aprendemos o principio de que não devemos adquirir bens ou serviços que não poderemos arcar com as dívidas contraídas. Em tal caso, é melhor rever o planejamento financeiro para que não estejamos inadimplentes. Assim sendo, é dever do cristão manter as contas em dia, pois isso é a demonstração de um bom testemunho diante dos homens.

Portanto, Deus não se agrada dos que tem o mau hábito de assumirem compromissos que não podem arcar, visto que tal prática não corresponde à conduta dos que servem a Deus, e sim aos que não possuem o conhecimento da Palavra da Verdade.

II. Deus abomina a desonestidade

Assim sendo, o Senhor espera ver em seus servos frutos dignos de arrependimento. Visto que, é indispensável que se note a prática de obras de justiça naqueles que nasceram de novo. Tais obras não são para a justificação perante Deus, pois somos justificados mediante a fé (Rm 4.3-5; 5.1), mas para justificação perante os homens como testemunho de que verdadeiramente somos novas criaturas em Cristo Jesus (2 Co 5.17).

O Comentário Bíblico Beacon, descreve a exortação de Paulo aos efésios (4.28) quanto à mudança de vida em relação ao furto: “Paulo exorta os leitores, alguns dos quais tinham o hábito de surripiar(furtar às escondidas) e roubar, a acabarem com toda forma de aquisição desonesta. Uma leitura superficial dá a entender que o roubo ainda era praticado por estas pessoas. Mas Hodge insiste que não se trata disso. A proibição é endereçada a quem tinha a reputação de furtar antes da conversão. Agora eles não se ocupam mais em tal atividade, sendo exortados a não cair na tentação de se apropriar do que pertence aos outros.

O apóstolo recomenda medidas positivas e neutralizantes. Antes, trabalhe (kopiato) tem a ênfase de ‘labuta com forte motivação’. Com mãos é, na interpretação de Moule, ‘obtendo a ganho honesto por esforço honesto’. Os motivos para essa árdua labuta, não são apenas a recuperação e manutenção do caráter, mas a aquisição de bens para serem distribuídos a quem tiver necessidade, tornando-se membro contribuinte e útil à sociedade.

Philips traduz o versículo da seguinte forma: ‘O homem que costumava roubar deve abandonar o roubo e trabalhar honestamente a cada dia com suas próprias mãos, a fim de que tenha condições de dar àqueles que passam por necessidades’” (CPAD, 2006, p.171). Portanto, a prática da justiça é inerente à conduta cristã, mas para os que são desobedientes à Verdade, a vingança do Senhor não tardará em se cumprir (1 Ts 4.6b). Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Furtarás - TV EBD - Ev. Luiz Henrique

Assista os vídeos da TV EBD com a aula da Lição 10 - Não Furtarás. Para facilitar o download, o vídeo é dividido em 6 partes. Você pode assistir aqui mesmo, clicando nos vídeos, ou clicar nos links, acima dos vídeos para salvar; ao abrir a nova página, clique no botão Download. Os vídeos são produzidos pelo Ev. Luiz Henrique e também publicados no site Estudos Bíblicos EBD, ou no blog EBDnaTV.

1ª Parte - Lição 10 - 1T/2015

2ª Parte - Lição 10 - 1T/2015

3ª Parte - Lição 10 - 1T/2015

4ª Parte - Lição 10 - 1T/2015

5ª Parte - Lição 10 - 1T/2015

6ª Parte - Lição 10 - 1T/2015

converter em pdf.

Não Furtarás - Ev. Luiz Henrique

Lição 10 - Não Furtarás

Lições Bíblicas - 1º Trimestre de 2015 - CPAD - Para adultos

Tema: OS DEZ MANDAMENTOS - Valores Imutáveis Para Uma Sociedade Em Constante Mudança

Comentários: Pr. Esequias Soares
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva

Questionário

NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

 

TEXTO ÁUREO
“Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade.” (Ef 4.28)

 

VERDADE PRÁTICA
O oitavo mandamento diz respeito à proteção da propriedade e abrange grande número de modalidades de furto sobre os quais o cristão precisa vigiar para não cair nas ciladas do Diabo.

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Êx 21.16 - O oitavo mandamento diz respeito ao sequestrador
Terça - Lv 19.11-13 - O dever de não atrasar intencionalmente o pagamento
Quarta - Dt 25.13-16 - O dever de não usar de dois pesos e duas medidas
Quinta - Pv 28.24 - Apropriação indébita é roubo, ainda que as coisas pertençam aos pais
Sexta - Mt 19.18 - O Senhor JESUS reconheceu a autoridade do oitavo mandamento
Sábado - 1 Co 6.10 - Os roubadores não herdarão o Reino do DEUS

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Êxodo 20.15; 22.1-9

15 Não furtarás.

1 Se alguém furtar boi ou ovelha e o degolar ou vender, por um boi pagará cinco bois; e pela ovelha, quatro ovelhas. 2 Se o ladrão for achado a minar, e for ferido, e morrer, o que o feriu não será culpado do sangue. 3 Se o sol houver saído sobre ele, será culpado do sangue. O ladrão fará restituição total; e se não tiver com que pagar, será vendido por seu furto. 4 Se o furto for achado vivo na sua mão, seja boi, ou jumento, ou ovelha, pagará o dobro.
5 Se alguém fizer pastar o seu animal num campo ou numa vinha e o largar para comer no campo de outro, o melhor do seu próprio campo e o melhor da sua própria vinha restituirá. 6 Se rebentar um fogo, e pegar aos espinhos, e abrasar a meda de trigo, ou a seara, ou o campo, aquele que acendeu o fogo pagará totalmente o queimado. 7 Se alguém der prata ou objetos ao seu próximo a guardar, e isso for furtado da casa daquele homem, se o ladrão se achar, pagará o dobro. 8 Se o ladrão não se achar, então, o dono da casa será levado diante dos juízes, a ver se não meteu a sua mão na fazenda do seu próximo. 9 Sobre todo negócio de injustiça, sobre boi, sobre jumento, sobre gado miúdo, sobre veste, sobre toda coisa perdida, de que alguém disser que é sua, a causa de ambos virá perante os juízes; aquele a quem condenarem os juízes o pagará em dobro ao seu próximo.

 

OBJETIVO GERAL

Apresentar o oitavo mandamento, ressaltando que o furto ou a aquisição ilegítima de propriedades são abominação ao Senhor e prejudicam o próximo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Tratar a abrangência e o objetivo do oitavo mandamento.
Mostrar o que a legislação mosaica diz a respeito do furto.
Relacionar alguns danos que deveriam ser evitados, segundo a lei mosaica.
Apresentar o trabalho como uma bênção de DEUS.

Resumo da Lição 10 - Não Furtarás

I. O OITAVO MANDAMENTO
1. Abrangência.
2. Objetivo.
3. Contexto.
II. LEGISLAÇÃO MOSAICA SOBRE O FURTO
1. A pena por furto de bois e ovelhas.
2. Furto à noite com o arrombamento da casa.
3. O ladrão do dia. A lei protege a vida do ladrão.
III. SOBRE OS DANOS MATERIAIS
1. Animal solto.
2. A queimada involuntária.
3. O furto e o ladrão.
IV. O TRABALHO
1. Uma bênção.
2. Os bens.
3. O Novo Testamento.

SÍNTESE DO TÓPICO I - O sétimo mandamento tem como objetivo proteger a família, estabelecendo uma sociedade moral e espiritualmente sadia.
SÍNTESE DO TÓPICO II - A legislação mosaica não somente punia alguém que furtou, mas protegia a vida do ladrão e fazia com que ele restituísse suas vítimas, prezando pela paz.
SÍNTESE DO TÓPICO III - A lei procura reparar os danos materiais, contribuindo para o bem-estar da sociedade.
SÍNTESE DO TÓPICO IV - O trabalho é uma dádiva divina. Ele foi dado ao homem antes da Queda.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“Minar era a ação de cavar uma parede de barro em propriedade alheia. (Comentário Bíblico Beacon. Vol 1. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.197).


PONTO CENTRAL

O furto prejudica o próximo e envergonha o nome do Senhor.
Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Furtarás - Questionário - Ev. Luiz Henrique

Questionário da Lição  9 - Não Adulterarás

Lições Bíblicas - 1º Trimestre de 2015 - CPAD - Para adultos

Tema: OS DEZ MANDAMENTOS - Valores Imutáveis Para Uma Sociedade Em Constante Mudança

Comentários: Pr. Esequias Soares
Complete os espaços vazios e marque com “V” as respostas Verdadeiras e com “F” as Falsas

 

TEXTO ÁUREO
1- Complete:

“Aquele que ___________________________ não furte mais; antes, _____________________________, fazendo com as mãos o que é ____________________________, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade.”

 

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:

O ______________________________ mandamento diz respeito à ____________________________ da propriedade e abrange grande número de modalidades de ____________________________ sobre os quais o cristão precisa vigiar para não cair nas ciladas do Diabo.

I. O OITAVO MANDAMENTO
3- Qual a abrangência do oitavo mandamento, não furtarás?

(    ) Diz respeito a qualquer negócio com vantagem lícita, mas que deixe o outro entristecido.

(    ) Numa leitura superficial, parece tratar-se apenas da proibição de simples furto ou mesmo da aquisição ilegítima de propriedades ou possessões de outras pessoas ou grupos, mas o mandamento vai muito além disso.

(    ) Diz respeito a qualquer negócio com vantagem ilícita e que deixe o outro no prejuízo.

(    ) Estende-se ainda à provisão de emprego para que todos possam ganhar seu sustento de maneira digna e honrada, e isso envolve justiça social. Este é o grande desafio dos governantes no mundo inteiro.


4- Qual o objetivo do oitavo mandamento, não furtarás?

(    ) O propósito principal do mandamento “não furtarás” é a punição do próximo.

(    ) O propósito do mandamento “não furtarás” é a proteção e o respeito pelos bens alheios e pelo próximo.

(    ) Vinculado a este mandamento está o trabalho como recurso para que cada um possa obter o sustento de sua família de maneira digna.

(    ) A desonestidade em todas as suas modalidades é um câncer na sociedade, um mal que precisa ser erradicado.


5- Qual era o contexto social da época em que foi promulgado o oitavo mandamento, não furtarás?

(    ) Segundo a tradição rabínica, o sentido primário deste mandamento era a proibição de rapto de pessoas para serem vendidas como escravos.

(    ) Esse não era o tipo de crime comum naquela época; o rapto de José do Egito é uma exceção daquele contexto social.

(    ) O mesmo verbo hebraico ganav, “furtar”, é usado para tráfico de pessoas.

(    ) Esse tipo de crime era comum naquela época; o rapto de José do Egito é uma amostra daquele contexto social.

(    ) O Novo Testamento menciona essa prática perversa.

(    ) A interpretação rabínica é aceitável e tem apoio da maioria dos expositores do Antigo Testamento, mas o oitavo mandamento não se restringe a isso.

II. LEGISLAÇÃO MOSAICA SOBRE O FURTO

6- Qual era a pena por furto de bois e ovelhas?

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Furtarás - Programa EBP em Foco

Aula ministrada no Programa EBP em Foco da EBD da Assembleia de Deus em Teófilo Otoni/MG.

Lição 10 - 1T/2015

converter em pdf.

Não Furtarás - Sulamita Macêdo

Professoras e professores, observem estas orientações:

1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:

- Cumprimentem os alunos.

- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.

- Perguntem como passaram a semana.

- Escutem atentamente o que eles falam.

- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.

2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.

3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais,deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.

4 - Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 - Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
Observação importante:Caso vocês ensinem em uma classe composta por mulheres ou mista, não se esqueçam de homenagear as mulheres pelo seu dia - 08 de março. Para isto, organizem o tempo de aula, separando um momento final para este fim.Vejam, na categoria “Dinâmicas para Eventos Femininos”,sugestões de homenagem. Há 07 dinâmicas, escolham uma para homenagear suas alunas!
6 - Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:

- Falem que vamos estuda sobre o 8º. mandamento: Não Furtarás.

- Em seguida, perguntem:Quem já foi roubado ou teve a casa roubada ou foi assaltado?Certamente a maioria vai dizer que sim, pois a prática do assalto e roubo tem sido uma ação rotineira.Como vocês se sentiram após serem roubados?Aguardem as respostas.

- Depois, trabalhem os pontos levantados na lição sempre de forma participativa e contextualizada.

- Em seguida, utilizem a dinâmica “Não Furtarás”.Tenham uma excelente e produtiva aula!
Atenção!Alguns pontos devem ser observados no momento da preparação da aula:

- Leiam a lição pelo menos 02 vezes, com uma semana de antecedência.

- Nesta leitura, observem o que há de mais importante. Escrevam pontos que mais chamou sua atenção e são relevantes para sua turma.

- Pesquisem em outras fontes sobre o tema da aula.

- Organizem um roteiro para trabalhar o tema, contextualizando-o para o tipo de aluno que você ensina.

- Tenham cuidado com o tempo da aula e as atividades que serão realizadas.

- Procurem meios para dinamizar aula, para isso vocês devem estar estimulados e motivados a mudar a rotina das aulas, além de entender que ensinar não é uma atividade unilateral. Preparem-se e promovam aulas criativas, dinâmicas e cativantes! Dessa forma, haverá facilitação para o ensino, maior retenção da aprendizagem e participação dos alunos. Com certeza, os resultados aparecerão!”Se é ensinar, haja dedicação ao ensino”. Rm 12.7b
Dinâmica: Não Furtarás

Objetivo: Introduzir o estudo sobre o 8º. Mandamento “Não Furtarás”, observando a amplitude de seu significado.

Material:01 folha de papel ofício para cada grupo, contendo uma situação a ser analisada(vejam no procedimento)

Procedimento:

- Dividam a turma em 05 grupos.

- Entreguem para cada grupo, uma 01 folha de papel ofício, contendo uma situação a ser analisada.

Para o grupo 01 - Situação 01:Fulano recebe de troco uma nota falsificada, mas não percebe. Em outra loja ao pagar um objeto, foi detectado pelo caixa que a cédula era falsa. Ele ficou muito chateado. Ele se desculpa e sai da loja e, depois de várias tentativas, consegue enfim passar a nota falsa em outro estabelecimento sem ser observado.

Para o grupo 2 - Situação 02:Fulano está desempregado e para manter sua família está vendendo CD e DVD pirata.

Para o grupo 3 - Situação 03:Fulano está vendendo um carro que está com vários problemas, mas ele afirma para um interessado em comprá-lo que o carro está em perfeito estado, pois fazia manutenção periódica.

Para o grupo 4 - Situação 04:Fulano não é estudante, porém usa uma carteira de estudante que comprou de um colega.

Para o grupo 5 - Situação 05:Fulano usa um aparelho de celular de excelente qualidade e que custa um bom dinheiro. Porém ele adquiriu o celular por algumas notas de 10,00 reais e não tem nota fiscal.

- peçam para cada grupo analisar a situação observando sob o critério da honestidade.Depois, os grupos devem ler a situação para a classe e falar sobre o que analisaram do caso.

- Em seguida, a partir destas situações e análises dos grupos, reflitam com os alunos sobre o que é furtar e sua abrangência.
Por Sulamita Macedo.

Publicado no blog Atitude de Aprendiz 

converter em pdf.

Não Furtarás - Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco

Aula prévia referente a Lição 10: Não Furtarás do 1º Trimestre de 2015: Os Dez Mandamentos — Valores imutáveis para uma sociedade em constante mudança, como preparação dos Professores da EBD durante a semana anterior a aula.

Lição 10 - 1T/2015

converter em pdf.

Não Furtarás - AD Londrina

Aula ministrada pelo Pr. Eliziel Pacheco para EBD da Asssembleia de Deus em Londrina.

Acesse: www.adlondrina.com.br

Lição 10 - 1T/2015

converter em pdf.

Não Furtarás - Ev. José Roberto A. Barbosa

Texto Áureo Ef. 4.28 - Leitura Bíblica  Ex. 20.15; 22.1-9



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa

www.subsidioebd.blogspot.com

Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO

Nesta aula estudaremos mais uma das dez palavras, trata-se de uma reflexão bíblico-teológica sobre o princípio da propriedade. Inicialmente, mostraremos a percepção bíblica do furto/roubo na Bíblia. Em seguida, nos voltaremos para os diferentes tipos de furtos/roubos na sociedade. Ao final, ressaltaremos a importância do trabalho, como forma legítima de sustento, além de dar glória a Deus.

1. O FURTO/ROUBO NA BÍBLIA

A palavra hebraica para “furtarás” é ganaf e significa, literalmente, “carregar algo, de forma sorrateira”. Tecnicamente furtar é se apoderar de algo que não pertence à pessoa. No contexto da sociedade judaica, esse verbo era usado para se referir ao arrombamento, assalto por meio de violência, pilhagem e sequestro, ou mesmo obtenção de recursos por meios indevidos. O verbo também tem a ver com peculato  - tomar fraudulosamente dinheiro ou bens de alguém; extorsão - receber dinheiro de alguém através de ameaça ou abuso de autoridade; e estelionato - obtenção de dinheiro ou recursos por meios ilegais. Como se pode perceber, ganaf tem um alcance bastante, de modo que abarca diferentes situações de furto e roubo na sociedade contemporânea. A partir de Lv. 19.9-13, é possível identificar também furtos na relação senhor e servo. Em termos aplicativos, existe o risco dos empregadores explorarem seus trabalhadores, retendo aquilo que lhes é de direito (Tg. 5.4). Por outro lado, os empregados não podem furtar seus empregadores. Antes devem trabalhar como ao Senhor, fazendo tudo para a glória de Deus (Cl. 3.20-23). O furto deve ser abandonado, ninguém deve agir com desonestidade, mesmo que essa prática seja considerada normal (Ef. 4.28). Os funcionários públicos que se envolveram em atos de corrupção devem seguir o exemplo de Zaqueu, e se arrependerem dos seus pecados (Lc. 19.8).

2.   LADRÕES E LADRÕES

Acã é um exemplo bíblico de ladrão, quando o Senhor entregou Jericó nas mãos dos israelitas, Josué deu orientações para que ninguém se apropriasse do anátema (Js 6.16-19). Depois de seguir as instruções de Yahweh, o povo obteve êxito na empreitada, mas Acã resolveu desobedecer, e ficar com parte dos despojos da batalha (Js. 7.21). Talvez ele achasse que ninguém iria perceber, que o Deus de Israel não levaria isso em consideração. Mas os olhos do Senhor estão fitos nos atos pecaminosos dos homens. Ele viu o pecado de Acão, advertindo quanto às consequências para o povo (Js. 7.10-12). Existem ladrões e ladrões, todos são pecadores, e dignos do juízo divino. Contudo, há furtos/roubos que trazem maiores consequências à comunidade. Há quem pense que o desvio de determinadas quantias do erário público não causará grandes danos. A mídia alimenta essa crença, pois busca punição apenas para os ladrões que realizam pequenos furtos. Aqueles que roubam os mais pobres são acobertados, considerando que alguns têm foro privilegiado, e o controle dos meios de comunicação. Enquanto isso, milhares de pessoas estão nos corredores dos hospitais, tantas outras nas ruas sem emprego, e crianças sem uma educação pública de qualidade. Ao que tudo indica, o dinheiro é enviado para atender às demandas sociais, mas acabam sendo desviados, a fim de favorecer determinadas empresas, que elegem aqueles que deveriam representar o povo. A democracia é uma conquista cristã, objetivando o equilíbrio entre os poderes executivo, legislativo e judiciário. Mas para isso precisamos investir  em seu avanço, defendendo urgentemente uma ampla reforma política. As grandes corporações não podem manobrar os partidos políticos, a fim de obterem enriquecimento ilícito, em detrimento dos recursos que deveriam ser destinados aos mais pobres. As campanhas eleitorais precisam ser mais econômicas, com controle de financiamento público e privado. Faz-se necessário por fim à impunidade, principalmente nos casos dos crimes “de colarinho branco”.

3. A DIGNIDADE DO TRABALHO

Ao invés de furtar ou roubar, a palavra de Deus direciona o ser humano ao trabalho, ressaltando sua dignidade (I Ts. 4.10-12), qualquer prosperidade decorrente de práticas ilícitas não é benção de Deus. É vergonhoso ver supostos cristãos na mídia orando, agradecendo a Deus por uma propina recebida. Os cristãos também são responsáveis pelo bem estar cultural, social e ambiental. Desde o início Deus deu a Adão a responsabilidade lavrar e guardar o jardim do Éden (Gn. 2.15), antes mesmo da Queda. Esse princípio se aplica aos crentes dos dias atuais. A nós é dada a missão de guardar o habitat, o meio ambiente no qual nos encontramos. Não estamos isentos da atribuição de cuidar do jardim, contribuindo para o processo de redenção da natureza, que se dará plenamente por ocasião da volta de Cristo (Rm. 8.22-24). Precisamos nos opor à cobiça e ao materialismo que resulta em ansiedade, um dos males da contemporaneidade (Mt. 6.24-34). A orientação bíblica é a de demonstrar amor ao próximo, promovendo a generosidade (Mt. 22.37-40). Ninguém deve ser impulsionado à preguiça (Pv. 6.10,11), nem tão pouco fazer apologia à pobreza (Pv. 30.8,9). Não somos adeptos da teologia da prosperidade (ou da ganância), e muito menos da privação (miséria), mas da provisão necessária. Devemos trabalhar com honestidade, a fim de obter uma condição financeira suficiente para o bem estar pessoal, familiar e social (I Ts. 4.11,12), agradecendo a Deus pelo pão nosso de cada dia (Mt. 6.11), aprendendo a cultivar o contentamento (Fp. 4.12), e exercitando a generosidade (II Co. 9.6-15).

CONCLUSÃO

Jesus foi crucificado entre dois ladrões, um a sua direita e outra à esquerda (Mt. 27.38). Não se enganem existem ladrões em todos os lados, não apenas aqueles apresentados pela mídia. Um dos ladrões reconheceu o Seu pecado, e teve tempo para se arrepender (Lc. 23.42). Por causa disso, o Senhor prometeu que esse estaria com Ele no paraíso (Lc. 23.42,43). Há esperança para aqueles que comentem o pecado do furto/roubo, como Zaqueu poderão se arrepender dos seus pecados, e encontrar salvação em Cristo (Lc. 19.10).

BIBLIOGRAFIA

BARCLEY, W. The ten commandments. Lousville: John Knox Press, 1998.

RYKEN, P. G. Os dez mandamentos para os dias de hoje. Rio de Janeiro: CPAD, 2014.

Publicado no Blog Subsídio EBD 

converter em pdf.

Não Furtarás - Pr. Agnaldo Betti

Vídeo-aula sobre a lição 10 - Não Furtarás, apresentada pelo Pr. Agnaldo Betti - Pastor Supervisor da Assembleia de Deus em Campinas/SP, para o canal Escola Bíblica Dominical EBD.

Lição 10 - 1T/2015

converter em pdf.