Trindade

Márcio Klauber Maia

 INTRODUÇÃO

   Este é um assunto muitas vezes pouco explorado e que, nem sempre, atrai o interesse e a dedicação dos estudantes da Bíblia, o que resulta em muitos enganos e dúvidas a respeito do mesmo, que é o assunto teológico mais distorcido da história da igreja, gerando, com isto, uma quantidade enorme de heresias, que tem originado muitas seitas.

   Alguns dizem que Trindade é um assunto confuso e que trata-se de um mistério, fugindo à capacidade de compreensão humana. Por esta razão não aprofundam-se mais no conhecimento do assunto. No nosso entendimento, Trindade não é assunto confuso, nem misterioso, apenas requer um pouco de pesquisa e estudo para melhor compreendermos o que está na Bíblia Sagrada e crermos naquilo que ela diz.

   É bem verdade que alguns conceitos nós não conseguimos definir em sua plenitude com a capacidade de raciocínio e com palavras humanas, pois o divino está muito acima do nosso intelecto. Desta forma, não conseguimos explicar totalmente a eternidade de Deus e sua perfeição, por exemplo, assim como a sua triunidade. Porém, o que há revelado na Bíblia é suficiente para que possamos crer no que está escrito e aceitar a verdade divina para nós, sabendo que, o que é espiritual se discerne com uma mente espiritual, ou seja, uma mente guiada pelo Espírito Santo de Deus.

O QUE É TRINDADE?

   Inicialmente, precisamos definir o que é a Trindade, pois aqui está a raiz do problema: muitos não crêem na Trindade porque a definem erroneamente e baseiam suas definições neste conceito errado. Trindade significa um único Deus que subsiste em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo, ou seja, são três pessoas distintas em sua personalidade, mas unidas em sua divindade, compartilhando a mesma natureza e essência e tendo os mesmos atributos. O Pai não é a mesma pessoa que o Filho, que também não é a mesma pessoa que o Espírito Santo, mas são um único Deus. Desta forma, o Filho não é um outro Deus ao lado do Pai, como também não o é o Espírito Santo. O Pai, o Filho e o Espírito Santo não são também formas consecutivas que Deus assumiu ao longo de sua revelação ao homem. Trindade não é também um conjunto de três deuses, ou uma tríade, como os deuses pagãos do Egito, ou da Babilônia, pois lá eles são três deuses distintos, entre muitos deuses. Aqui não, existe apenas um Deus. O Pai, o Filho e o Espírito Santo também não são partes essenciais de uma mesma pessoa divina, como no homem, o corpo a alma e o espírito. Alguns dizem que a Bíblia cita o Pai, o Filho e o Espírito Santo, como cita Abraão, Isaque e Jacó ou Pedro, Tiago e João, ou seja, apenas um conjunto de três, mas esquecem que Abraão, Isaque e Jacó tinham algo em comum: o patriarcado, Pedro, Tiago e João tinham em comum o apostolado e o Pai, o Filho e o Espírito Santo tem em comum a natureza divina.

   Define muito bem este conceito o Credo Atanasiano, que diz: "Adoramos um Deus em Trindade, e a Trindade em unidade; não confundindo as pessoas, nem dividindo a substância. Pois existe uma pessoa do ai, outra pessoa do Filho, e outra pessoa do Espírito Santo. Mas a deidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo é toda uma só; a glória é igual e a majestade é coeterna. Tal como é o Pai, tal é o Filho, e tal é o Espírito Santo... Assim como o Pai é Deus, o Filho é Deus, e o Espírito Santo é Deus. No entanto, não há três deuses, mas um Deus" E este é um ponto chave: Um Deus em três pessoas, iguais em seus atributos e diferenciadas por sua função e personalidade.

   Alguns argumentam que a palavra Trindade nem sequer existe na Bíblia, e usam isto para querer refutar a doutrina. É verdade que a palavra Trindade não consta no texto sagrado, mas isto não significa que ela não exista. A revelação da Trindade está em toda a Bíblia; este foi apenas um termo técnico utilizado para definir a idéia, como por exemplo, a Bíblia não tem a palavra onisciência, mas a idéia está contida nas Sagradas Escrituras; o termo é que surgiu depois. A palavra Trindade não está presente na Bíblia porque a revelação plena desta verdade bíblica se deu no início da Igreja, quando já havia sido escrito o Novo Testamento (até porque a pessoa do Espírito Santo não havia sido revelada em sua plenitude), e a palavra em si só foi utilizada pela primeira vez por Tertuliano, no século II. A Bíblia também não contém palavras como Via Láctea, gravidade e outras, e isto não significa que estas coisas não existam, apenas não eram conhecidas quando ela foi escrita. Também não cita o cigarro, a heroína e o crack mas o seu conteúdo doutrinário é contrário a estas coisas. Termos técnicos e conceitos organizados acerca de assuntos bíblicos como soteriologia, hamartiologia, imanência, pré-existência, etc. também não são citados na Bíblia, porém são usados e reconhecidos por todos que conhecem e estudam a Bíblia Sagrada.

   Outros argumentam que Trindade é matematicamente incorreta, pois 1+1+1=3. Em primeiro lugar, Deus está acima da matemática e não precisa de conceitos humanos para explicar a si mesmo; Ele é maior. Em segundo lugar, porque a operação precisa ser a de adição? Pois 1x1x1=1 e isto está matematicamente correto!

   Outro fato interessante é que a Bíblia afirma em Romanos 1.20, que o eterno poder de Deus e a sua divindade se entendem pelas coisas que ele criou, ou seja, podemos compreender os atributos de Deus observando as coisas que Ele fez. Sendo assim, podemos observar que tudo o que há no Universo é composto de três elementos: Tempo, Espaço e Matéria. Cada um destes elementos é composto de três outros: o Tempo é composto de Passado, Presente e Futuro; o Espaço é compreendido por Altura, Largura e Profundidade, e a Matéria apresenta-se em três estados diferentes: Sólido, Líquido e Gasoso. Cada unidade é absoluta mas não pode existir por si mesma. Cada um só existe no conjunto completo e nenhum elemento sozinho representa o todo. A altura sozinha não é o Espaço, nem a largura, pois ele só existe considerando todos os seus componentes, e assim também o tempo e a matéria. Não seria esta uma revelação da triunidade de Deus na Natureza?

Próxima página