Trindade

Márcio Klauber Maia

TRINDADE NO VELHO TESTAMENTO

   A revelação plena da Trindade deu-se no Novo Testamento, como veremos no próximo número (Parte II), mas ao observarmos melhor o Velho Testamento, podemos ver Trindade em várias passagens.

   A Bíblia começa dizendo: "No princípio, criou Deus os céus e a terra" (Gn 1.1). Nesta referência, a palavra Deus traduzida do hebraico é Elohim, que é uma palavra que está no plural (Elohim é o plural de Eloah). Aqui o Deus composto de Pai, o Filho e o Espírito Santo estava criando, pois a Bíblia nos mostra que os três são participantes na criação (vide quadro). No livro de Gênesis vemos três vezes (e não menos que três) referências de Deus em passagens que está no plural; em Gn 1.26, disse Deus "façamos o homem à nossa imagem"; em Gn 3.22 "eis que o homem é como um de nós" e em Gn 11.7 "desçamos e confundamos ali a sua língua". Nestas passagens Deus está dialogando com alguém e não cremos que fosse com anjos ou outros seres inferiores, mas com as outras pessoas da Trindade. Alguns podem indagar: "como Deus estava conversando consigo mesmo?" Respondemos que não se deve confundir a divindade que é uma só, com a personalidade, que é individual. Deus, o Pai, estava conversando com Deus, o Filho e Deus, o Espírito Santo, assim como Deus, o Filho, orava ao Pai em João cap. 17 (devemos lembrar que uma é a pessoa do Pai, outra é a pessoa do Filho, e outra é a pessoa do Espírito Santo). Vale salientar, também, que a passagem de Gn 1.26 refere-se à criação do homem, onde a figura principal aqui é Deus, o Pai; Gn 3.22 refere-se ao pecado do homem, onde a figura principal é Deus, o Filho, que é o redentor da humanidade, e a de Gn 11.7 refere-se ao juízo do homem, cuja principal figura é o Espírito Santo, que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8).

   De forma semelhante, nas três principais festas judaicas vemos a figura da Trindade: a Festa dos Tabernáculos lembrava ao povo que eles viveram em cabanas no deserto, e que Deus habitou com eles, representado no Tabernáculo. Esta festa lembra de Deus, o Pai, que era o Deus a quem os judeus conheciam. A Festa da Páscoa lembrava que Deus os tirou do Egito e também do sacrifício do cordeiro. Paulo faz referência a Cristo, como sendo a nossa páscoa (I Co 5.7); então ela lembra de Deus, o Filho. E a terceira festa, que é a Festa de Pentecostes ou das Semanas, que era um agradecimento a Deus pelo alimento, lembra de Deus, o Espírito Santo, pois foi no dia desta festa que houve o primeiro derramamento do Espírito Santo sobre os discípulos.

   Outra passagem que precisamos analisar é Deuteronômio 6.4, que diz: "Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor". Esta passagem é citada por alguns como sendo uma prova da unicidade de Deus. No hebraico, língua na qual foi escrito o VT, está escrito: "Shema, Israel, Adonai elohenu Adonai echad". A palavra usada para único Deus é "echad", que é uma unidade composta (diferente de "yachid", que é uma unidade simples). Esta palavra é utilizada em Gn 2.24, referindo-se ao homem e a mulher, sendo uma só carne (unidade composta), em Nm 13.23 a um cacho de uvas (várias uvas em um cacho) e em Ed 2.64, referindo-se a uma congregação (um conjunto de pessoas). Sendo assim, a passagem que diz que Deus é único, nos ensina que esta é uma unidade composta.

   Outra observação que precisa ser feita é a respeito da palavra Jeová, traduzida para o português a partir do tetragrama YHVH. Esta palavra é traduzida do original como EU SOU e fala da eternidade e da auto-existência de Deus. Foi assim que Deus apresentou-se a Moisés no Monte Sinai em Êx 3.14. Jesus também identificou-se como sendo o Jeová do Sinai, quando disse aos judeus, em Jo 8.58: "Antes que Abraão existisse, EU SOU". Isto para eles era uma blasfêmia, tanto que no v.59 eles pegaram em pedras para apedrejá-lo.

   Em Isaías 6.1, ele viu a Jeová (a palavra Senhor aqui traduzida é Jeová) num alto e sublime trono. Os querubins diziam Santo 3 vezes e no v.8 Jeová diz: "Quem há de ir por nós?". Paulo afirma em At 28.25,26, que o Jeová que Isaías viu foi o Espírito Santo (veja como a mensagem do v.26 é igual à de Is 6.8-10. Da mesma forma, João disse que Isaías estava falando de Jesus (Jo 12.40,41). O Salmo 68.18 diz que Jeová ascendeu ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dádivas. Paulo aplica esta passagem a Cristo (Ef 4.7,8). Isaías profetizou de um que viria desobstruir o caminho de Jeová (Is 40.3). Mt 3.3 afirma que este é João Batista, o que foi confirmado por ele próprio (Jo 1.23). Seu pai profetizou que ele iria à frente de Jeová (Lc 1.76). O próprio João afirmou que o Jeová que ele veio à frente é Jesus (Jo 1.30).

Página anterior

 Próxima página