Wordpress Themes

Lições

O Evangelho segundo Lucas - Francisco A. Barbosa

TEXTO ÁUREO

“Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado.” (Lc 1.4)

VERDADE PRÁTICA

O cristão possui uma fé divinamente revelada e historicamente bem fundamentada.

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Lc 3.1,2 O cristianismo no seu cenário histórico
Quinta - Lc 2.23-28 O cristianismo em seu aspecto universal
Terça - Lc 1.1-4 O cristianismo se fundamenta em fatos
Sexta - Lc 1.35; 5-24 O cristianismo e a deidade de Jesus
Quarta - Lc 16.16 O cristianismo no contexto bíblico
Sábado - Lc 4.18 O cristianismo e o Ministério do Espírito

LEITURA BÍBLICA EM CLASSELucas 1.1-4

1 - Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram,segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio e foram ministros da palavra,
3 - pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelentíssimo Teóflo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio,4 - para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado.

HINOS SUGERIDOS: 3. 46, 162 da Harpa Cristã
OBJETIVO GERAL
Apresentar um panorama do Evangelho de Lucas.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: Abaixo, os objetivos específicos referem-se aos que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I.    Apresentar o terceiro Evangelho.

II.   Conhecer os fundamentos e historicidade da fé cristã.

III.  Afirmar a universalidade da fé cristã.

IV.  Expor a identidade de Jesus, o Messias esperado.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O Evangelho de Lucas é um dos livros mais belos e fascinantes do mundo. De fato, o terceiro Evangelho se distingue pelo seu estilo literário, pelo seu vocabulário e uso que faz do grego, considerado pelos eruditos como o mais refinado do Novo Testamento. Mas a sua maior beleza está em narrar a história da salvação (Lc 19-10). O autor procura mostrar, sempre de forma bem documentada, que o plano de Deus em salvar a humanidade, revelado através da história, cumpriu-se cabalmente em Cristo quando Ele se deu como sacrifício expiador pelos pecadores (Jo 10.11). Deus continua sendo Senhor da história e o advento do Messias para estabelecer o seu Reino é a prova disso. Lucas mostra que é através do Espírito Santo, primeiramente operando no ministério de Jesus e, posteriormente na Igreja, que esse propósito se efetiva. [Comentário: Lucas, o médico amado, não foi um apóstolo nem tampouco foi uma testemunha ocular da vida de Jesus, todavia deixou uma das mais belas obras literárias já escritas sobre os feitos do Salvador e os primeiros anos da comunidade cristã. Homem crente, cheio do Espírito do Senhor, com ampla visão da necessidade da obra, Lucas empregou seus dons ligados à palavra escrita para proclamar o que sabia a respeito de Jesus Cristo. Ele fora evangelista, pastor e chamado de “médico amado”, um tratamento afetivo que lhe dispensa Paulo em Cl 4.14. Seus pais eram de origem grega. Provavelmente converteu-se com a pregação de Paulo. Por ter amplo vocabulário e dom da comunicação, ao escrever o terceiro Evangelho e Atos, Lucas oferece-nos maior quantidade de informações históricas do que qualquer outro autor do Novo Testamento. Lucas é o autor do terceiro Evangelho e do livro de Atos (At 1.1-5). Os dois livros mostram uma similaridade de estilo. O escritor foi um companheiro de viagem de Paulo (At 16. 10-17).  E os dois documentos são dirigidos à mesma pessoa: Teófilo. O evangelho de Lucas foi escrito por volta do ano 60 d.C.] Convido você para mergulharmos mais fundo nas Escrituras!

1 - O TERCEIRO EVANGELHO
1. Autoria e data. Lucas, “o médico amado” (Cl 4.14), a quem é atribuída a autoria do terceiro Evangelho, é citado no Novo Testamento três vezes. Todas as citações estão nas epístolas paulinas e são usadas no contexto do aprisionamento do apóstolo Paulo (Cl 4.14; Fm 24; 2 Tm4.11). Embora o autor do terceiro Evangelho não se identifique pelo nome, isso não depõe contra a autoria lucana. Desde os seus primórdios, a Igreja Cristã atribui a Lucas a autoria do terceiro Evangelho. A crítica contra a autoria de Lucas não tem conseguido apresentar argumentos sólidos para demover a Igreja de sua posição. A erudição conservadora assegura que Lucas escreveu a sua obra (aproximadamente) no início dos anos sessenta do primeiro século da era cristã.  [Comentário: O Evangelho Segundo Lucas (em grego: ?? ???? ?????? ??????????; transl.: To kata Loukan euangelion) é o terceiro dos quatro evangelhos canônicos. Ele relata a vida e o ministério de Jesus de Nazaré, detalhando a história dos acontecimentos de Seu nascimento até Sua Ascensão. O autor é tradicionalmente identificado como Lucas, o evangelista. Certas histórias populares, como o Filho Pródigo e o Bom samaritano, são encontrados somente neste evangelho. A obra tem uma ênfase especial sobre a oração, a atividade do Espírito Santo, a alegria e o cuidado de Deus para com os pobres, as crianças e as mulheres. Lucas apresenta Jesus como o Filho de Deus, mas volta sua atenção especialmente para a humanidade dEle, com Sua compaixão para com os fracos, os aflitos e os marginalizados. Com base em Lucas 1.1-4 e Atos 1.1-3, é evidente que o mesmo autor escreveu ambos Lucas e Atos, dirigindo os dois ao “excelentíssimo Teófilo”, possivelmente um dignitário romano. A tradição desde os primeiros dias da igreja foi que Lucas, um médico e companheiro próximo ao Apóstolo Paulo, escreveu tanto Lucas e Atos (Colossenses 4.14; 2 Timóteo 4.11). Isto faria de Lucas o único gentio a escrever um dos livros da Escritura. De acordo com o prefácio do livro, o propósito de Lucas é relatar o início do Cristianismo, enquanto procura o significado teológico da história. A erudição cristã tradicional tem datado a composição do evangelho para o início dos anos 60 d.C., enquanto a alta crítica data para décadas mais tarde do século. Irineu, um dos pais da Igreja, já citava o Evangelho Segundo Lucas em seus escritos, por volta do ano 180 d.C. Alguns intérpretes argumentam a favor de uma data entre 75 e 85 d.C., afirmando que algumas passagens de Lucas pressupõem a destruição de Jerusalém, fato ocorrido em 70 d.C. (ex. 19.43; 21.20, 24). Mas essas passagens falam daquilo que era costumeiro quando um exército sitiava uma cidade da época, e não se podem acrescentar novas conclusões além daquilo que foi profetizado por Jesus. Jesus profetizou que as políticas em vigência levariam à ruína da nação no devido tempo. Alguns poucos críticos argumentam a favor de uma data no século II, mas parece não haver boas razões para isso. Com as informações que dispomos a data mais razoável é no início dos anos 60.] Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Ev. Isaías de Jesus

Texto Áureo = “Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado.” (Lc 1.4)
Verdade Prática = O cristão possui uma fé divinamente revelada e historicamente bem fundamentada.
Leitura Bíblica = Lucas 1: 1-4
Introdução
O Evangelho de Lucas tem sido chamado de “o mais belo livro do mundo”, e, juntamente com Atos dos Apóstolos, considerado “o mais ambicioso empreendimento literário da igreja na antiguidade”. Se tais expressões de louvor podem parecer extravagantes, elas pelo menos ajudam a preparar as pessoas para o estudo de uma obra que é, sem qualquer dúvida, uma porção muito significativa da Bíblia e uma das obras-primas da literatura antiga.
Lucas 1.1-4
O Evangelho de Lucas inicia com um curto prefácio que segue a forma de introdução utilizada pelos historiadores gregos - Heródoto, Tucídides, Políbio e outros. E o único exemplo, nos quatro Evangelhos, onde o autor dá um passo à frente e, utilizando a primeira pessoa, declara o seu objetivo e plano de escrita. O Evangelho de Lucas também é o único Evangelho que foi dirigido especificamente a uma ou mais pessoas.
Tendo, pois, muitos empreendido (1) indica que houve muitos evangelhos ou narrativas, pelo menos de partes do ministério de Jesus, antes que Lucas escrevesse o seu Evangelho. Esses textos poderiam ter incluído coletâneas de dizeres, milagres, parábolas, etc.
Normalmente, isto é entendido como uma evidência de que Lucas utilizou fontes escritas e pode assim ser interpretado (veja a Introdução). No entanto, Lucas não afirma que usou esses textos como fontes, mas deixa fortemente implícito que eram insatisfatórios ou inadequados.
Se ele tivesse se sentido completamente satisfeito com algum deles, não teria escrito um Evangelho. Não foi afirmado se eram simplesmente incompletos, ou se eram imprecisos. Mas a completa ausência de uma crítica contrária, e a implicação de que esses textos, assim como o seu próprio, se originaram do testemunho visual, deixam bastante claro que a sua objeção se devia ao fato de que eram incompletos.
Os fatos que entre nós se cumpriram é uma expressão que pode ser traduzida como ”as coisas que aconteceram entre nós”. Isto se refere aos fatos do evangelho - a vida histórica, as obras e os ensinos de Jesus. Eles são fatos históricos estabelecidos e certos, que assim devem ser aceitos.

Nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio e foram ministros (2) é uma expressão que dá a entender que a informação que Lucas apresenta no seu Evangelho veio daqueles que foram testemunhas visuais desde o início do ministério de Jesus. Poderiam ser, basicamente, os apóstolos. Mas Lucas também nos informa que ele não foi uma testemunha ocular. Isto revela tanto a sua humildade quanto a sua honestidade.
Havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio (3) literalmente significa: “tendo me familiarizado desde o princípio com precisão sobre todas as coisas”. Isto não afirma que ele fosse uma testemunha ocular.
E uma declaração de que a sua pesquisa o familiarizou com precisão sobre todos os fatos pertinentes à vida de Jesus.
Também parece ser uma indicação de que ele retrocedeu até além da tradição apostólica - que começa com o início do ministério de Jesus. Lucas não somente retrocedeu até o nascimento de Jesus, mas até às anunciações, tanto de Jesus quanto do seu precursor, João Batista.
Por sua ordem significa literalmente “uma depois da outra”. Lucas se propõe a fornecer uma apresentação ordenada do ministério de Jesus. Quando observamos o Evangelho completo, observamos que esta “ordem” incluía a organização lógica, assim como a cronológica. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco

Aula prévia referente a Lição 1: O Evangelho segundo Lucas do 2º Trimestre de 2015: Jesus, o Homem Perfeito — O Evangelho de Lucas, o Médico Amado, como preparação dos Professores da EBD durante a semana anterior a aula.

Lição 1 - 2T/2015

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Rede Brasil de Comunicação

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Recife / PE

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - CEP. 50040 - 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS 2º TRIMESTRE 2015

(Lc 1.14)

INTRODUÇÃO

A lição do segundo trimestre de 2015 tem como título: Jesus, o Homem Perfeito - O Evangelho de Lucas, o médico amado , onde teremos a oportunidade de estudar treze lições baseadas no Evangelho de Lucas o terceiro livro do NT. Nesta primeira lição, traremos importantes informações sobre a autoria, propósito, destinatário, tema do livro, contexto e data. Destacaremos características específicas do evangelho segundo Lucas? e, por fim, pontuaremos os três aspectos da contribuição lucana para a Igreja de Cristo.

I - INFORMAÇÕES SOBRE O TERCEIRO EVANGELHO

1.1 Autoria. Embora o nome de Lucas não conste, explicitamente nas páginas do evangelho que leva o seu nome, as evidências disponíveis tendem a concordar e confirmar a tradição. Clemente de Alexandria, Tertuliano, Orígenes (pais da igreja) o identificam como autor deste evangelho. E usébio, historiador da igreja, escreveu: “Lucas, natural de Antioquia, médico de profissão, fora companheiro de Paulo por longo tempo e conhecia os demais apóstolos. Ele nos deixou em dois livros divinamente inspirados, a saber o Evangelho e Atos” (EUSÉBIO, apud, HENDRIKSEN, 2003, p. 24). Ainda “de acordo com a tradição, Lucas era um gentio. O apóstolo Paulo parece confirmar isso quando distingue Lucas daqueles que eram da circuncisão (Cl 4.11, 14). Isso faria de Lucas o único gentio que escreveu livros da Escritura. Ele é responsável por uma porção significativa do Novo Testamento, tendo escrito tanto o Evangelho quanto o livro de Atos (Lc 1.14? At 1.13).

Muito pouco se sabe sobre Lucas. O apóstolo Paulo se refere a Lucas como médico (Cl 4.14). Eusébio e Jerônimo o identificam como natural da Antioquia da Síria (o que pode explicar por que muito do livro de Atos é centrado em Antioquia (At 11.19-27? 13.13? 14.26? 15.22-23,30-35? 18.22-23).

Lucas foi companheiro constante do apóstolo Paulo, ao menos no tempo entre a visão sobre a Macedônia (At 16.9-10) até a época do martírio do apóstolo (II Tm 4.11)” (MACARTHUR, 2011, p. 5 - acréscimo nosso).

1.2 Propósito do Autor e destinatário. Parece que muitas pessoas haviam escrito a respeito de Jesus e sua vida admirável, talvez de maneiras incompletas e contraditórias? e Lucas desejava suprir uma narrativa em ordem e digna de confiança para Teófilo (cujo nome significa literalmente que ama a Deus ) (Lc 1.14).

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Sulamita Macêdo

Professoras e professores, observem estas orientações:

1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:

- Cumprimentem os alunos.

- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.

- Perguntem como passaram a semana.

- Escutem atentamente o que eles falam.- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.

- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.

2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.

3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.

4 - Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 - Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!.

6 - Agora, façam uma panorâmica do trimestre. Para tanto, observem os seguintes pontos:

Tema: Jesus, o Homem Perfeito - O Evangelho de Lucas, o médico amado.

Capa:O que vemos? Uma coroa de espinhos.O que isto tem a ver com o tema? A coroa de espinhos aponta para o Messias prometido, remetendo-nos para o sacrifício de Jesus.

Comentarista: Pastor José Gonçalves Apresentem informações sobre ele, vejam na sessão “Interagindo com o Professor” da lição 01. Se possível, mostrem uma foto dele.

Lições do trimestre - vejam sugestão logo abaixo dentro da lição 01, no item 7.7 - Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:- Apresentem o título da lição ”O Evangelho Segundo Lucas”.- Falem que na lição 01, vamos conhecer o Livro de Lucas através de uma visão geral desse evangelho.- Então, peçam para que os alunos abram a Bíblia no evangelho de Lucas e apresentem quem é o autor, o destinatário, a provável data em que foi escrito, do que trata o livro.As demais lições, vocês apresentam através de um “city tour” no livro de Lucas, isto é, aproveitando que os alunos estão com a Bíblia aberta em Lucas, caminhem no livro apresentando os temas das lições seguintes, a saber:O Nascimento de Jesus, a infância, a tentação, a escolha dos discípulos, as mulheres que cooperavam com Jesus, o poder sobre as doenças, a morte, a natureza e dos demônios, a limitação dos discípulos, Jesus e o dinheiro, a última ceia, a morte e a ressurreição de Jesus.- Depois, trabalhem os demais pontos levantados na lição, procurando a participação dos alunos.Quando vocês falarem sobre o plano da salvação, apliquem a dinâmica“A Universalidade da Salvação”.Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: A Universalidade da Salvação

Objetivo: Introduzir o estudo sobre a salvação, através do sacrifício de Jesus, enfatizando a universalidade do plano salvífico de Deus.

Material:4 folhas de papel ofício01 tubo de cola branca, 01 pincel atômico, 01 rolo de durex colorido(vermelho)

Procedimento:

Antes da aula:- Colem 4 folhas de papel ofício, formando um caminho e escreva, em um lado, o versículo: “Mas agora em Cristo Jesus , vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto” (Efésios 2.13).- Apresentem para os alunos este caminho sem mostrar o versículo, dizendo que o homem tinha livre acesso a Deus, porém este caminho foi destruído por causa do pecado( nesse momento rasgue o caminho, simbolizando o caminho destruído).- Depois, falem que Deus providenciou a religação do homem com Ele. Agora, leiam:“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele”(João 3:16-17).
- Entreguem os pedaços para os alunos e peça para que eles colem as partes, com durex colorido vermelho. Ao terminarem, falam que somente através do sangue de Jesus o caminho pode ser restaurado, através de um único sacrifício de Cristo na cruz( o durex colorido representará o sangue).- Então, apresentem o lado do caminho que contém o versículo(Ef 2.13) para que todos possam ler.- Concluam, lendo: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6).- Para concluir, leiam os versículos abaixo que apontam para a universalidade da salvação:”Pois já os meus olhos viram a tua salvação, a qual tu preparaste perante a face de todos os povos; Luz para iluminar as nações, E para glória de teu povo Israel”(Lucas 2:30-32).”E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dentre os mortos, e em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém”(Lucas 24:46-47).Ideia original desconhecida.

Esta versão da dinâmica por Sulamita Macedo

Publicado no blog Atitude de Aprendiz

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - TV Escola Bíblica

Programa TV Escola Bíblica, da TV ADNP, apresentado pelo Pr. Paulo Rogério.

Acesse: www.tvadnp.com/

Lição 1 - 2T/2015

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - EBP em Foco

Aula ministrada no Programa EBP em Foco da EBD da Assembleia de Deus em Teófilo Otoni/MG.

Lição 1 - 1T/2015

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Ev. Fábio Segantin

Vídeo-aula sobre a lição 1 - O Evangelho segundo Lucas, apresentada pelo Ev. Fábio Segantin.

Lição 1 - 2T/2015

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Ev. José Roberto A. Barbosa

  Texto Áureo Lc. 1.4 - Leitura Bíblica  Lc. 1.1-4



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa

www.subsidioebd.blogspot.com

Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO

Este trimestre da Escola Bíblica Dominical será predominantemente cristocêntrico. Estudaremos o evangelho segundo Lucas, enfocando a vida e o ministério de Jesus. Na aula de hoje faremos uma incursão sobre os aspectos contextualizadores desse livro: autoria, data, local e destinatário. Trataremos também a respeito do gênero, contexto e ênfase teológica. Ao final, ressaltaremos a pessoa de Jesus na teologia lucana, como Servo e Filho do Homem.

1. AUTORIA, LOCAL, DATA E DESTINATÁRIO

Esse evangelho não explicita diretamente quem teria sido o autor do livro. Irineu, um dos pais da igreja, escreveu que “Lucas, companheiro de viagem de Paulo, registrou o evangelho por este pregado em um livro”. O médico amado, como ficou conhecido esse evangelista, escreveu depois da ascensão de Jesus, durante o período que acompanhava Paulo em suas viagens missionárias (Cl. 4.14; Fm. 24; II Tm. 4.11). O autor se aproxima da teologia paulina, principalmente em relação à universalidade da salvação (Lc. 4.27; 24.47), a necessidade da fé para a salvação (Lc. 8.12; 18.8), o amor de Deus pelos pecadores (Lc. 15.11), bem como a identificação de Jesus como Senhor (Kyrios em grego). Como Paulo, Lucas não viu o Senhor em carne, por isso dependeu de informações coletadas. Esse evangelho foi escrito por volta do ano 60 d. C., provavelmente fora da Palestina, considerando que Lucas era um cristão gentio. Os estudiosos admitem que Mateus tenha escrito para os judeus, Marcos para os romanos, e Lucas para os gregos. O evangelista destinou o seu livro a Teófilo, um homem culto e influente, a quem também dedicou o livro de Atos (At. 1.1-4). É possível que Teófilo tenha recebido a fé cristã, e tenha sentido a necessidade de conhecer melhor o Salvador. Esse deveria circular entre os gentios, a fim de que todos os povos fossem alcançados pela graça salvadora de Jesus Cristo.

2. DIVISÃO, GÊNERO E ÊNFASE TEOLÓGICA

Esse evangelho, diferentemente dos demais, inicia com um prólogo, no qual o autor expõe o material que dispôs para escrever (Lc. 1.1-4). O autor destaca, em sua narrativa, a infância de Jesus, dando atenção especial também às mulheres e aos pobres. O texto pode ser assim dividido: Introdução (1.1-4.13), o ministério de Jesus na Galileia (4.14 - 9.50), relato de viagem e sermões (9.51-19.27) e o ministério de Jesus em Jerusalém (19.28 - 24;53). No texto grego esse evangelho é o maior livro do Novo Testamento, com aproximadamente 96 páginas, sendo caracterizado por um estilo literário mais refinado, bastante próximo do grego que lembra a erudição da Septuaginta, tradução grega do Antigo Testamento hebraico. A fim de evitar confusão em relação à cultura judaica, o autor deixa de enfocar aspectos tratados nos outros sinópticos, tais como os sentimentos de Jesus (Lc. 6.10; 18.22), a cura de Jesus pelo toque (Lc. 6.19;b5.13), entre outros. Logo no início Jesus é identificado como Kyrios, o Senhor (Lc. 5.8; 7.13; 10.1,41; 22.61). A narrativa lucana é caracterizada pela acuidade histórica, pois mesmo não tendo sido uma testemunha ocular, busca informações confiáveis das testemunhas oculares. Ele investigou tudo cuidadosamente, “desde o princípio” (1.3), com a meticulosidade de um historiador. O resultado pode ser identificado na exposição de relatos desconsiderados nos outros evangelhos, tais como a infância de Jesus, a pesca maravilhosa, o chamado de Pedro, as parábolas da ovelha perdida, moeda perdida e do filho perdido, do rico insensato, do administrador infiel, do fariseu e do publicano, entre outros. Lucas também é considerado um evangelista pentecostal, considerando suas alusões ao Espírito Santo, tanto no evangelho quanto em Atos.

3. JESUS, O HOMEM PERFEITO EM LUCAS

O tema central do evangelho segundo Lucas é Jesus Cristo, reconhecido como o Senhor (Lc. 2.1), e o Homem Perfeito (Lc. 5.24). Em sua narrativa Lucas ressalta a identificação de Jesus com os marginalizados, notadamente as mulheres, as crianças e os pobres. Os pecadores que eram desprezados pela sociedade eram acolhidos por Jesus (Lc. 5.1; 7.36) Até mesmo os samaritanos, que eram desdenhados pelos judeus, são alcançados pela graça de Cristo (Lc. 10.30). Lucas mostra que o amor de Deus se destina a todos, principalmente aos grupos minoritários, como os pobres. Historicamente, o autor responsabiliza a liderança judaica, em consonância com as autoridades romanas, pela morte de Jesus (Lc. 20.20,26; 23.2-25). Lucas utiliza expressões messiânicas, que aludem à divindade de Jesus, como Deus Verdadeiro. Ele faz referência ao título “Filho do Homem”, que Jesus atribuiu a Si mesmo, a fim de demonstrar sua natureza humana. Por outro lado, o Senhor também estava ciente da Sua natureza divina (Lc. 2.4-52), sendo Ele o modelo de Homem Perfeito, que enfrenta e derrota Satanás (Lc. 4.1-13). Como Homem Perfeito, Jesus dependeu da atuação do Espírito Santo, realizando por intermédio dEle, milagres e maravilhas (Is. 11.1,2; 42.1). O Messias tinha uma missão a cumprir, e essa seria realizada pelo poder do Espírito (Lc. 4.16-19; Is. 61.1). Jesus não deixou de ser Deus ao se fazer Homem, mas abdicou das prerrogativas de usar Seu poder para fazer milagres, dependendo dos dons do Espírito Santo.

CONCLUSÃO

Que dizem ser o Filho do Homem? Perguntou certa feita o próprio Jesus (Mt. 16.13-20). A resposta a esse pergunta é crucial a fim de distinguir uma cristologia falsa ou verdadeira. Ao longo das próximas aulas estudaremos com maiores detalhes a respeito da vida e ministério de Jesus, com base no evangelho segundo Lucas. Esperamos que, ao longo das próximas semanas, possamos reconhecer o senhorio de Cristo, como fez Tomé, prostrando-se aos Seus pés, chamando-O de “meu Senhor, e Deus meu” (Jo. 20.28).

BIBLIOGRAFIA

GREEN, J. The theology of the gospel of Luke. Cambridge: CUP, 1995.

STRONSTAD, R. The charismatic theology of St. Luke. Grand Rapids: Baker Academics, 2012.

Publicado no blog Subsídio EBD 

converter em pdf.

O Evangelho segundo Lucas - Ev. Luciano de Paula Lourenço

Texto Base: Lucas 1:1-4

“Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado” (Lc 1:4)

INTRODUÇÃO
Neste trimestre estudaremos a vida e obra de Jesus, o Homem Perfeito conforme registrou Lucas no seu Evangelho. O relato feito por Lucas é tido pelos teólogos como o mais completo dentre os outros evangelhos. Muitos fatos ocorridos na vida do Salvador só são encontrados neste Evangelho, como, por exemplo, a pesca maravilhosa (Lc 5:6) e a ressurreição do filho da viúva de Naim (Lc 7:11-15), mas a sua maior beleza está em narrar a história da salvação (Lc 19:10). Lucas apresenta o Salvador como o Homem Perfeito que veio salvar a todos: judeus e gentios.
Espiritualmente, estaríamos bem mais pobres no nosso apreço pelo Senhor Jesus e pelo seu ministério sem a ênfase singular do evangelista Lucas. O amor do Senhor e a oferta de salvação para todos, não somente para os judeus, seu interesse especial por indivíduos, sim, e até pelos pobres e rejeitados são salientados em Lucas. Lucas também concede ênfase intensa ao louvor (dando-nos exemplos dos consagrados “hinos” cristãos em Lc 1 e 2), à oração e ao Espírito Santo. Assim avaliou o crítico francês Ernest Renan sobre o Evangelho segundo Lucas: “O livro mais belo que existe“. Que cristão sensível, ao ler a inspirada obra-prima de Lucas, desejaria contestar essas palavras? Oro, que mediante o estudo de cada Lição, possamos conhecer mais a respeito do Filho de Deus, que se fez Homem e habitou entre nós.

I. LUCAS, O EVANGELHO DO FILHO DO HOMEM

1. Autoria e data. Lucas é o único evangelista que escreve uma continuação do seu Evangelho: o livro de Atos, no qual sua autoria é ainda mais evidente. As passagens de Atos na primeira pessoa do plural, “nós”, indicam que o escritor esteve envolvido pessoalmente (Atos 16:10; 20:5-6; 21:15; 27:1; 28:16; cf. 2Tm 4:11). Pelo processo de eliminação, somente Lucas se enquadra em todos esses períodos. Está bem claro na dedicatória a Teófilo e no estilo da composição que Lucas e Atos foram escritos pelo mesmo autor.
A evidência interna fortalece a documentação externa e a tradição da Igreja. O vocabulário (muitas vezes mais exato em termos médicos que os outros escritores do Novo Testamento), junto com o depurado estilo grego, sustenta a autoria de um médico culto, gentílico e cristão, mas conhecedor dos temas judaicos. A predileção de Lucas por datas e pesquisas (cf. Lc 1:1-4; 3:1) tornam-no o primeiro historiador da Igreja.
Paulo chama Lucas “o médico amado” e o nomeia separadamente de cristãos judeus (Cl 4:14), o que o tornaria o único escritor gentílico no Novo Testamento.
- Data. A mais provável para Lucas é o início dos anos 60 do primeiro século. Visto que quase todos concordam que Lucas deve preceder Atos cronologicamente, e Atos termina por volta de 63 d.C. com Paulo em Roma, uma data antes disso é necessária. O grande incêndio de Roma e a resultante perseguição dos cristãos como bodes expiatórios de Nero (64 d.C.) e o martírio de Pedro e Paulo não seriam ignorados pelo historiador da Igreja Primitiva se já estivessem ocorrido. Assim, uma data próxima de 61-62 d.C é mais provável.
2. A obra. Lucas, o médico amado, não foi um apóstolo nem tampouco foi uma testemunha ocular da vida de Jesus, todavia deixou uma das mais belas obras literárias já escritas sobre os feitos do Salvador e os primeiros anos da comunidade cristã. A narrativa de Lucas descreve, com riqueza de detalhes, o ministério terreno de Jesus, como ele nasceu, cresceu, libertou os oprimidos, formou os seus discípulos, morreu pendurado em uma cruz e ressuscitou dos mortos.
Aqueles que conhecem o seu conteúdo certamente concordam com essa afirmação. A maneira especifica como registrou os acontecimentos, que tiveram como ápice a ressurreição e a ascensão de Jesus, é própria e singular do autor.
Dentre os quatro Evangelhos, Lucas é o que apresenta o relato mais completo da vida de Jesus Cristo. É importante notarmos que o conteúdo deste Evangelho, juntamente com o conteúdo do seu segundo Livro, Atos dos Apóstolos, constituem 20% do Novo Testamento. É importante destacar que 50% desse relato é exclusivo de Lucas. Marcos, Mateus e João não tem esse material exclusivo, que se encontra principalmente no trecho que compreende Lucas 9:51-19:27.
Em Lucas, Jesus é visto claramente como o Salvador divino-humano, que veio como a provisão divina da salvação para todos os descendentes de Adão.
Lucas nos dá uma visão geral da história da Salvação quando diz: “A Lei e os Profetas vigoraram até João; desde esse tempo, vem sendo anunciado o Evangelho do reino de Deus, e todo homem se esforça por entrar nele” (Lc 16:16). Neste verso, Lucas mostra a intervenção de Deus para salvar a humanidade em três grandes etapas: o tempo do Antigo Testamento; o tempo de Jesus ou o tempo do reino; e o tempo da Igreja. Entretanto, fica claro que o resumo de toda a mensagem que ele quis transmitir sobre Jesus e o próprio Evangelho se encontra em Lucas 19:10, quando apresenta Jesus como Aquele que fez a diferença nessa história da salvação: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido“. Esse é, pois, o verso-chave do Evangelho de Lucas.
O cuidado de Lucas em elaborar corretamente o seu relato faz-nos perceber o quanto levava a sério o ministério que tinha recebido de Deus na preservação verídica do Evangelho da graça.
Assim, Lucas demonstrou amor verdadeiro, desenvolveu um ministério confiável e preservou eternamente o conteúdo mais singular da história da humanidade.
Portanto, conhecer e estudar este livro sagrado deve nos fazer mais sensíveis em relação a vinda, a vida, o ministério, a morte e a glorificação de Jesus Cristo, pois Ele é também considerado o “evangelho da graça”, o evangelho que mostra a vontade de Deus em abençoar os homens.
3. Os destinatários originais. Originalmente, Lucas endereça o seu Evangelho a Teófilo. O títuloexcelentíssimo (Lc 1:3) dá a entender que ele era um oficial do governo. Seu nome quer dizeramigo de Deus. Provavelmente ele foi um cristão que ocupou posição de honra e responsabilidade na administração exterior do Império Romano. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.