Wordpress Themes

Lições

Não Adulterarás - Prof. Adaylton Almeida

Por Prof. Adaylton de Almeida Conceição

Este mandamento é tão importante quanto os demais. Nem mais nem menos importante. A Bíblia não hierarquiza os pecados. O profeta Malaquias coloca igualmente o adultério no mesmo plano de outras abominações contra Deus, que fala, pela boca do seu enviado:
Chegar-me-ei a vós outros para juízo; serei testemunha veloz contra os feiticeiros, e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que defraudam o salário do jornaleiro, e oprimem a viúva e o órfão, e torcem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o Senhor dos Exércitos.Porque eu, o Senhor, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos. Desde os dias de vossos pais, vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós outros, diz o Senhor dos Exércitos“. (Malaquias 3.5-7)
Outro profeta (Oséias) repete a mesma percepção:
O que só prevalece é perjurar, mentir, matar, furtar e adulterar, e há arrombamentos e homicídios sobre homicídios. Por isso, a terra está de luto, e todo o que mora nela desfalece, com os animais do campo e com as aves do céu; e até os peixes do mar perecem“. (Oséias 4.2-3)
O apóstolo Paulo segue na mesma direção:
Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus. Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus“. (1Coríntios 6.9-11)
Ao escrever assim, o apóstolo Paulo está na tradição de Jesus, que arrola o adultério no mesmo grupo daquilo que poderia ser classificado de pecado capital: Do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias (Mateus 15.19).
Não há dúvida, portanto, que o adultério integra a relação dos atentados contra a santidade, santidade requerida por Deus a cada um de nós, não importam idades, estados civis, momentos de vida cristã.
A IMPORTANCIA DESTE MANDAMENTO
Adultério não se refere apenas a relação sexual ilícita. O combustível costuma ser adulterado. Tudo que o homem faz falsificar o original, é adultério. O  Dicionário Aurélio , diz :Adulteração - é falsificação, corrupção. (Adição fraudulenta de substância imprópria ou desnecessária a outra substância) medicamento, combustível, alimentos etc.). Adulterar um documento.
“Por adultério compreendemos quebrar conscientemente o estado sadio do amor entre pessoas que assumiram o matrimonio”.
A visão madura desse mandamento evidencia que todo pecado na área sexual afronta o Senhor. Certamente que a Bíblia não condena apenas o adultério, mas toda a sorte de desvio quanto ao propósito eterno de Deus de que a vida sexual aconteça no contexto do casamento, quando há um relacionamento único e permanente entre um homem e uma mulher que se unem por amor.
O mandamento contra o adultério aparece junto com o mandamento contra o furto e a cobiça. Isso deixa claro que a grande preocupação neste texto é a proteção do “bem” do próximo, a condenação ao ato de cobiçar e o adultério.
A dimensão mais ampla do mandamento
O Antigo Testamento vê o adultério como algo hediondo (Jó 31:11) e como uma loucura (Jr 29:23). O castigo para o adúltero na lei de Moisés era a morte por apedrejamento.
Tratava-se de algo tão sério que o próprio Deus era o vingador (Jr 5:8,9). Apesar disso, o pecado de adultério é tão perigoso que mesmo um homem como Davi (”homem segundo o coração de Deus”) complicou sua vida exatamente na prática do adultério.
No novo Testamento, recebemos orientação mais precisa de que o adultério tem sua raiz no interior da pessoa, numa mente poluída e num coração cheio de impureza (Mt 12:34).
Tiago é quem nos ajuda dizendo que primeiro acontece a cobiça, e que esta dá à luz o pecado, que por sua vez gera a morte (Tg1:15). O adultério implica a condenação da alma do adúltero e a perda do direito de participar do Reino (1 Co 6:9).
JOSÉ - NOSSO EXEMPLO SEMPRE VIGENTE
O adultério é pecado contra o outro, contra si mesmo e contra Deus. José do Egito o entendeu, como o demonstra a narrativa sagrada:
Depois de certo tempo, a mulher do seu senhor começou a cobiçá-lo e o convidou:
– Venha, deite-se comigo!
Mas ele se recusou e lhe disse:
– Meu senhor não se preocupa com coisa alguma de sua casa, e tudo o que tem deixou aos meus cuidados. Ninguém desta casa está acima de mim. Ele nada me negou, a não ser a senhora, porque é a mulher dele. Como poderia eu, então, cometer algo tão perverso e pecar contra Deus?
Assim, embora ela insistisse com José dia após dia, ele se recusava a deitar-se com ela e evitava ficar perto dela. (Gênesis 39.7-10)
A prática do adultério é um atentado contra a santidade e contra a inteligência.
A prática do adultério pressupõe um certo tipo de onipotência, a de que não serão descobertos.
AS CONSEQÜÊNCIAS DO ADULTÉRIO
Não pense que corre risco de adultério apenas quem é do diabo, qualquer cristão que não vigiar pode acabar se apaixonando por outra pessoa e desagradar a Deus em nome de uma paixão. Foi o que aconteceu com Davi, que era um homem segundo o coração de Deus. Quando seu olhar encontrou o de Bate-Seba que era casada; a atração foi inevitável. Porém, isso não tornou o pecado deles justificado, nem os eximiram de sofrer as conseqüências do pecado: um filho deles morreu, os dois filhos mais velhos de Davi entraram em contenda, um deles abusou da própria irmã, levando o outro a matá-lo, um dos filhos tomou o reino e as concubinas do próprio pai, etc. Ou seja, o pecado de Davi levou maldição para a casa dele.
Não Adulterarás
O sétimo mandamento continua atual porque o mundo está às avessas, dizendo “não” a tudo aquilo que Deus diz “sim” na sua Palavra, e “sim” a tudo o que a Bíblia diz “não”. O resultado é o caos na família e na sociedade.
O adultério é a relação sexual de um homem casado com uma mulher que não é sua esposa e vice-versa. Para muitos, tal prática pode parecer normal, mas a Palavra de Deus declara:
Não adulterarás” (Êx 20.14; Dt 5.18). Isso vai muito além da cópula extraconjugal. É a proibição de toda a forma de prostituição; é Deus dizendo “não” a todas as concupiscências desnaturais, imaginações e pensamentos impuros e lascivos (Mt 5.27, 28).
O quinto mandamento resguarda a vida familiar de ruptura interna. Mas aqui o sétimo mandamento requer um relacionamento de amor e fidelidade entre marido e mulher. É isso o que Deus espera de todos os casais. Na verdade, são ideais provenientes da criação (Gn 2.24). O objetivo deste mandamento é conservar a sacralidade da família que foi instituída por Deus por meio do casamento no jardim do Éden (Gn 2.18-24). A santidade desse relacionamento familiar deve ser mantida. Esta lei servia também para Israel manter a pureza sexual e evitar as práticas da cultura egípcia, de onde os israelitas saíram, e da cultura Cananéia, para onde o povo se dirigia. Os preceitos pertinentes estão descritos com abundância de detalhes no sistema mosaico (Lv 18.6-30; 20.10-21).
O SÉTIMO MANDAMENTO
O verbo hebraico nã ‘ph,’00 “adulterar, cometer adultério”, não apresenta problema lingüístico neste mandamento, diferentemente do que pensam alguns expositores bíblicos.
O termo aparece trinta e quatro vezes no Antigo Testamento, nove vezes em Jeremias, sete em Ezequiel, seis em Oseias, seis no Pentateuco e quatro na literatura sapiencial. O verbo ocorre no Decálogo, em Êxodo e em Deuteronômio como lo ‘ tinã ‘ph,’m “Não adulterarás” (Êx 20.14; Dt 5.18). As outras quatro vezes aparece em Levítico, que traz de maneira clara e inconfundível a definição de adultério no contexto da época: “Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera” (Lv 20.10).
O substantivo porneia e o verbo porneuõU0 aparecem na Bíblia para designar orgia (Nm. 25.1; 1 Co 10.8), incesto (1 Co5.1) e práticas homossexuais (Jd 7). O termo porneia, às vezes, aparece junto com adultério e, outras vezes, como sinônimo, mas é um termo genérico e indica “prostituição, incastidade, fornicação, adultério, imoralidade, práticas homossexuais”, ao passo que moicheia é usado especificamente para adultério e nunca se aplica à prostituição.
O Antigo Testamento emprega todos esses termos também de forma metafórica para descrever a apostasia de Israel e sua infidelidade a Javé, seu Deus. O profeta Ezequiel, no capítulo 16, descreve a apostasia de Israel como prostituição e revela a diferença entre nã ‘ph e zãnãh.
À GUISA DO NOVO TESTAMENTO
Jesus deixa claro que quando Deus disse “Não Adulterarás” estava planejando uma vida de pureza para os seus filhos. Pureza corresponde a mais um padrão de qualidade do reino de Deus, requerido de todos os/as discípulos e discípulas de Jesus.
Contemplando este assunto, o mestre discorreu sobre a sexualidade no Sermão do Monte. Em seu ensino, Jesus nos dá uma visão muito mais ampla e profunda sobre o assunto.
Como nosso advogado e também aquele que há de julgar os vivos e mortos, o Senhor explica a questão do adultério com perfeição, mostrando o verdadeiro pensamento de seu Pai a este respeito, por certo, largamente diferente das interpretações e ensinos dos escribas e fariseus.
O sexo foi criado por Deus, para ser desfrutado dentro do contexto do casamento legitimo que  é, entre um homem e uma mulher. Portanto, a nossa correta atitude para com ele não é ignorá-lo ou tê-lo como tabu, mas considerá-lo sob a ótica bíblica e cristã, e assim aprendermos a lidar com esta área vital.
Pureza sexual é coisa do coração
A pureza se manifesta em nosso comportamento. A pureza se manifesta em nossos relacionamentos. Mas ela tem sua raiz, a sua sede, no coração.
Jesus nos ensina isto de forma muito clara. É possível que uma pessoa cometa pecados com seu corpo. É possível que uma pessoa cometa pecados contra o seu corpo. Mas o pecado, antes de tudo, e acima de tudo, é algo que acontece no coração, na mente. De tal forma que uma pessoa pode, aparentemente, até viver de modo santo, sem que isto constitua uma realidade aos olhos de Deus.
Jesus explica isto através deste exemplo: Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - Francisco A. Barbosa

TEXTO ÁUREO

“Eu, porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela” (Mt 5.28).

VERDADE PRÁTICA

O sétimo mandamento diz respeito à pureza sexual e à proteção da sagrada instituição da família, assim como o mandamento anterior fala sobre a proteção à vida.

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Gn 2.21-24
O casamento foi instituído por Deus antes da queda no Éden

Terça - Pv 6.32,33
O adultério destrói a reputação e deixa cicatrizes indeléveis

Quarta - Jr 29.20-23
O adultério é uma prática insana com consequências funestas

Quinta - Ml 2.14
Deus exige fidelidade entre marido e mulher

Sexta - Mt 19.4-6
O plano divino desde o princípio era monogâmico

Sábado - Mc 10.11,12
No NT, adultério é qualquer relação sexual extraconjugal

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Êxodo 20.14; Deuteronômio 22.22-30.
Êxodo 20
14 - Não adulterarás.

Deuteronômio 22
22 - Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então, ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher e a mulher; assim, tirarás o mal de Israel.
23 - Quando houver moça virgem, desposada com algum homem, e um homem a achar na cidade e se deitar com ela,
24 - então, trareis ambos à porta daquela cidade e os apedrejareis com pedras, até que morram; a moça, porquanto não gritou na cidade, e o homem, porquanto humilhou a mulher do seu próximo; assim, tirarás o mal do meio de ti.
25 - E, se algum homem, no campo, achar uma moça desposada, e o homem a forçar, e se deitar com ela, então, morrerá só o homem que se deitou com ela;
26 - porém à moça não farás nada; a moça não tem culpa de morte; porque, como o homem que se levanta contra o seu próximo e lhe tira a vida, assim é este negócio.
27 - Pois a achou no campo; a moça desposada gritou, e não houve quem a livrasse.
28 - Quando um homem achar uma moça virgem, que não for desposada, e pegar nela, e se deitar com ela, e forem apanhados,
29 - então, o homem que se deitou com ela dará ao pai da moça cinquenta siclos de prata; e, porquanto a humilhou, lhe será por mulher; não a poderá despedir em todos os seus dias.
30 - Nenhum homem tomará a mulher de seu pai, nem descobrirá a ourela de seu pai.

OBJETIVO GERAL

Apresentar o sétimo mandamento, ressaltando o intento de Deus em favor da família.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: Abaixo, os objetivos específicos referem-se aos que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I. Tratar a abrangência e o objetivo do sétimo mandamento.
II. Mostrar o real significado da infidelidade.
III. Relacionar alguns pecados sexuais segundo a lei divina.
IV. Analisar o ensino de Jesus acerca do sétimo mandamento.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O sétimo mandamento condena o adultério e a impureza sexual com o objetivo de proteger a família. A Bíblia não condena o sexo; a santidade dele é inquestionável dentro do padrão divino, mas sua prática ilícita tem sido um dos maiores problemas do ser humano ao longo dos séculos. O sétimo mandamento é tratado de uma maneira na lei, e de outra na graça. Um olhar no episódio da mulher adúltera (Jo 8.1-11) mostra que tal preceito foi resgatado pela graça e adaptado a ela, e não à lei. [Comentário:  Normalmente quando pensamos em adultério, automaticamente pensamos em um homem sendo infiel a sua esposa, ou vice versa. No entanto, este mandamento é muito mais amplo e profundo do que apenas isso. Ele engloba não somente o campo da experiência sexual humana, e seu relacionamento conjugal, que sem dúvida é um assunto muito preocupante, mesmo porque vivemos em uma época em que a sexualidade, e suas expressões, são cada vez mais explicitas em nossa sociedade. No entanto este assunto pode ser mais abrangente quando tratado do ponto de vista do adultério espiritual contra Deus inclusive. O sétimo mandamento continua atual porque o mundo está às avessas, dizendo “não” a tudo aquilo que Deus diz “sim” na sua Palavra, e “sim” a tudo o que a Bíblia diz “não”. O resultado é o caos social que estamos vivendo. Esta lição é urgente para nós, isso por que, entendemos o adultério como a relação sexual de um homem casado com uma mulher que não é sua esposa e vice-versa. O mundo sem compromisso com Deus aceita tal prática como normal, mas a Palavra de Deus declara: “Não adulterarás” (Êx 20.14; Dt 5.18). Este mandamento vai muito além da cópula extraconjugal. Nele está a proibição de toda a forma de prostituição; é Deus dizendo “não” a todas as concupiscências desnaturais, imaginações e pensamentos impuros e lascivos (Mt 5.27, 28).] Convido você para mergulharmos mais fundo nas Escrituras!

PONTO CENTRAL

O adultério e a impureza sexual maculam a família.
I. O SÉTIMO MANDAMENTO
1. Abrangência. Trata de um tema muito abrangente, que envolve sexo e casamento num contexto social contaminado pelo pecado. O mandamento consiste em uma proibição absoluta, sem concessão, expressa de maneira simples em duas palavras: “não adulterarás” (Êx 20.14; Dt 5.18). Sua regulamentação para os israelitas pode ser encontrada nos livros de Levítico e Deuteronômio, que dispõem contra os pecados sexuais, a prostituição e toda forma de violência sexual com suas respectivas sanções.  [Comentário:  É interessante notar que a  Lei permitia a poligamia, e aqui não vamos tecer maiores comentários mas, talvez, a tolerância visasse a proteção de mulheres solteiras, mas não vemos a mesma tolerância para com a poliandria, que é a situação em que uma mulher tem vários maridos simultaneamente. Relações sexuais com uma mulher casada era considerado um pecado hediondo tanto contra Deus como contra o esposo traído, e isso já bem antes da lei, à época dos patriarcas (Gn 39.9). Talvez este mandamento esteja relacionado ao “furto” e à “cobiça” proibidos nos dois mandamentos seguintes, já que a esposa pertencia a outrem.]
2. Objetivo. O Decálogo segue uma lógica. Primeiro aparece a proteção da vida, em seguida vem a família e depois os bens e a honra. O mandamento “não adulterarás” veio para proteger o lar e dessa forma estabelecer uma sociedade moral e espiritualmente sadia. A proibição aqui é contra toda e qualquer imoralidade sexual, expressa de maneira genérica, mas especificada em diversos dispositivos na lei de Moisés.  [Comentário:  O comentarista da revista, Pr Esequias Soares, concorda com o que escreve Russell Norman Champlin em sua Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 1. (Hagnos): “A fim de preservar a santidade do lar (Êx, 20:14; Dt. 5:18). Também está envolvida a questão da herança da família e a preservação da pureza tribal. Finalmente, o próprio ato era considerado um crime sério, um ato de contaminação (Lev. 18:20). Por esse motivo, era imposta a pena de morte, envolvendo a execução de ambos os culpados (Êx, 20:14; Lv. 20:1 ss). Injunções similares podem ser achadas no código babilônico de Hamurabi (129), e, opcionalmente, na primitiva lei romana (Dion. Hal. Antiguidades Romanas). A pena de morte mostra que as sociedades antigas encaravam o adultério não meramente como um ato privado errado, mas que ameaçava o arcabouço do lar e da sociedade. O fato de que o homem e a mulher tornam-se uma carne no matrimônio (Gn. 2:24; Ef. 5:31,32) sugere uma comunicação mística de energias vitais físicas e espirituais, e isso deve acontecer somente entre duas pessoas. No adultério, o indivíduo é furtado de sua identidade, e a união mística de seres é perturbada, talvez assemelhando-se ao homicídio, embora certamente com menores consequências morais“. CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 1. Editora Hagnos. pag. 66.] Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - Ev. Luiz Henrique

Lição 9 - Não Adulterarás

Lições Bíblicas - 1º Trimestre de 2015 - CPAD - Para adultos

Tema: OS DEZ MANDAMENTOS - Valores Imutáveis Para Uma Sociedade Em Constante Mudança

Comentários: Pr. Esequias Soares
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva

Questionário

NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

NÃO DEIXE DE LER O ESTUDO SOBRE INFIDELIDADE CONJUGAL - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao6-fcs21-2tr13-ainfidelidadeconjugal.htm

NÃO DEIXE DE LER O ESTUDO SOBRE VENCER TENTAÇÕES EM  - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao9-dvc-vencendotentacoes.htm

 

 

TEXTO ÁUREO

“Eu, porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela.” (Mt 5.28)

 

VERDADE PRÁTICA
O sétimo mandamento diz respeito à pureza sexual e à proteção da sagrada instituição da família, assim como o mandamento anterior fala sobre a proteção à vida.

 

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 2.21-24 O casamento foi instituído por DEUS antes da queda no Éden
Terça - Pv 6.32,33 O adultério destrói a reputação e deixa cicatrizes indeléveis
 
Quarta - Jr 29.20-23 O adultério é uma prática insana com consequências funestas
 
Quinta - Ml 2.14 DEUS exige fidelidade entre marido e mulher
Sexta - Mt 19.4-6 O plano divino desde o princípio era monogâmico
Sábado - Mc 10.11,12 No NT, adultério é qualquer relação sexual extraconjugal

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Êxodo 20.14; Deuteronômio 22.22-30

Êxodo 20.14 Não adulterarás.

Deuteronômio 22.22 Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então, ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher e a mulher; assim, tirarás o mal de Israel. 23 Quando houver moça virgem, desposada com algum homem, e um homem a achar na cidade e se deitar com ela, 24 então, trareis ambos à porta daquela cidade e os apedrejareis com pedras, até que morram; a moça, porquanto não gritou na cidade, e o homem, porquanto humilhou a mulher do seu próximo;  assim, tirarás o mal do meio de ti. 25 E, se algum homem, no campo, achar uma moça desposada, e o homem a forçar, e se deitar com ela, então, morrerá só o homem que se deitou com ela; 26 porém à moça não farás nada; a moça não tem culpa de morte; porque, como o homem que se levanta contra o seu próximo e lhe tira a vida, assim é este negócio. 27 Pois a achou no campo; a moça desposada gritou, e não houve quem a livrasse. 28 Quando um homem achar uma moça virgem, que não for desposada, e pegar nela, e se deitar com ela, e forem apanhados, 29 então, o homem que se deitou com ela dará ao pai da moça cinquenta siclos de prata; e, porquanto a humilhou, lhe será por mulher; não a poderá despedir em todos os seus dias. 30 Nenhum homem tomará a mulher de seu pai, nem descobrirá a ourela de seu pai.

OBJETIVO GERAL
Apresentar o sétimo mandamento, ressaltando o intento de DEUS em favor da família.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se aos que o professor deve atingir em cada tópico. 
Tratar a abrangência e o objetivo do sétimo mandamento.
Mostrar o real significado da infidelidade.
Relacionar alguns pecados sexuais segundo a lei divina.
 
Analisar o ensino de JESUS acerca do sétimo mandamento.

 

PONTO CENTRAL - O adultério e a impureza sexual maculam a família.

 

Resumo da Lição 9 - Não Adulterarás

I. O SÉTIMO MANDAMENTO
1. Abrangência.
 
2. Objetivo.
 
3. Contexto.
 
II. INFIDELIDADE
1. Adultério.
 
2. Sexo antes do casamento.
 
3. Fornicação.
 
III. OUTROS PECADOS SEXUAIS
1. Estupro.
 
2. Incesto.
3. Bestialidade.
 
IV. O ENSINO DE JESUS
1. O sétimo mandamento nos Evangelhos.
2. O problema dos escribas e fariseus.
3. A concupiscência
.

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - Questionário - Ev. Luiz Henrique

Questionário da Lição  9 - Não Adulterarás

Lições Bíblicas - 1º Trimestre de 2015 - CPAD - Para adultos

Tema: OS DEZ MANDAMENTOS - Valores Imutáveis Para Uma Sociedade Em Constante Mudança

Comentários: Pr. Esequias Soares
Complete os espaços vazios e marque com “V” as respostas Verdadeiras e com “F” as Falsas

 

TEXTO ÁUREO

1- Complete:

“Eu, porém, vos digo que qualquer que __________________________________ numa mulher para a ________________________________ já em seu coração cometeu _______________________________ com ela.” (Mt 5.28)

 

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:

O sétimo mandamento diz respeito à ____________________________________ sexual e à proteção da sagrada instituição da ____________________________________, assim como o mandamento anterior fala sobre a ____________________________________ à vida.

 

I. O SÉTIMO MANDAMENTO
3- Qual a abrangência do sétimo mandamento?

(    ) Trata de um tema muito abrangente, que envolve sexo e casamento num contexto social santo e livre de pecado.

(    ) Trata de um tema muito abrangente, que envolve sexo e casamento num contexto social contaminado pelo pecado.

(    ) O mandamento consiste em uma proibição absoluta, sem concessão, expressa de maneira simples em duas palavras: “não adulterarás”.

(    ) Sua regulamentação para os israelitas pode ser encontrada nos livros de Levítico e Deuteronômio, que dispõem contra os pecados sexuais, a prostituição e toda forma de violência sexual com suas respectivas sanções.


4- Qual o objetivo do sétimo mandamento?

(    ) O Decálogo segue uma lógica.

(    ) Primeiro aparece a proteção do lar, em seguida vem a vida e depois os bens e a honra.

(    ) Primeiro aparece a proteção da vida, em seguida vem a família e depois os bens e a honra.

(    ) O mandamento “não adulterarás” veio para proteger o lar e dessa forma estabelecer uma sociedade moral e espiritualmente sadia.

(    ) A proibição aqui é contra toda e qualquer imoralidade sexual, expressa de maneira genérica, mas especificada em diversos dispositivos na lei de Moisés.


5- Qual o contexto em que o sétimo mandamento foi promulgado?

(    ) A lei foi promulgada numa sociedade patriarcal que permitia a poligamia.

(    ) A lei foi promulgada numa sociedade patriarcal que só permitia a monogamia.

(    ) Nesse contexto social, o adultério na lei de Moisés consistia no fato de um homem se deitar com uma mulher casada com outro homem, independentemente de ser ele casado ou solteiro.

(    ) Os infratores da lei deviam ser mortos, tanto o homem quanto a mulher.


II. INFIDELIDADE
6- O que significa Adultério?

(    ) É traição e falsidade.

(    ) Significa relacionar-se conjugalmente e sexualmente com duas mulheres ao mesmo tempo.

(    ) É a quebra de uma aliança assumida pelo casal diante de DEUS e da sociedade, uma infidelidade que destrói a harmonia no lar e desestabiliza a família.

(    ) A tradição judaico-cristã leva o assunto a sério e considera o adultério um pecado Grave.

(    ) Trata-se de uma loucura que compromete a honra e a reputação de qualquer pessoa, independentemente de sua confissão religiosa ou status social.

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - TV EBD - Ev. Luiz Henrique

Assista os vídeos da TV EBD com a aula da Lição 9 - Não Adulterarás. Para facilitar o download, o vídeo é dividido em 6 partes. Você pode assistir aqui mesmo, clicando nos vídeos, ou clicar nos links, acima dos vídeos para salvar; ao abrir a nova página, clique no botão Download. Os vídeos são produzidos pelo Ev. Luiz Henrique e também publicados no site Estudos Bíblicos EBD, ou no blog EBDnaTV.

1ª Parte - Lição 9 - 1T/2015

2ª Parte - Lição 9 - 1T/2015

3ª Parte - Lição 9 - 1T/2015

4ª Parte - Lição 9 - 1T/2015

5ª Parte - Lição 9 - 1T/2015

6ª Parte - Lição 9 - 1T/2015

converter em pdf.

Não Adulterarás - Rede Brasil de Comunicação

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Recife / PE

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - CEP. 50040 - 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 09 - NÃO ADULTERARÁS - 1º TRIMESTRE 2015

(Êx 20.14; Dt 22.22-30)

INTRODUÇÃO

O sétimo mandamento do Decálogo “não adulterarás” tem como principais objetivos a pureza do matrimônio e a proteção da família. Nesta lição analisaremos este mandamento; veremos o que a Bíblia nos diz sobre o adultério tanto no AT quanto no NT; destacaremos alguns tipos de adultério e qual o plano original de Deus quanto ao casamento; e, por fim, quais as atitudes que devemos tomar para evitar esta obra da carne.

I - O SÉTIMO MANDAMENTO DO DECÁLOGO

O quinto mandamento protege a inviolabilidade do lar (Êx 20.12); o sexto defende a sacralidade da vida (Êx 20.13), já o sétimo “Não adulterarás” a sacralidade do casamento (Êx 20.14). “A palavra adultério vem do latim, adulterium, que tem o sentido de “dormir na cama alheia”. É a relação sexual entre pessoa casada, com outra que não é o seu cônjuge” (RENOVATO, 2013, p. 69). Este mandamento tem como objetivo a abstenção de toda impureza da carne e ainda exorta para conservação do leito sem mácula, isto é, o amor conjugal e a coabitação. Ele visa proteger o matrimônio por ser uma instituição sagrada instituída por Deus. Esta prática nociva se constitui num pecado contra Deus, contra si mesmo e contra o próximo (Gn 39.9; I Co 6.18; Rm 13.9). A pena capital para o adultério era a morte (Lv 20.10).

II - O ADULTÉRIO À LUZ DA BÍBLIA

“O adultério é um pecado gravíssimo aos olhos de Deus, o Criador do casamento, do lar e da família. A sociedade sem Deus, relativista e hedonista, não o vê como algo pecaminoso, e sim, como tendência natural do ser humano, que, segundo interpretação da teoria da evolução, o homem é polígamo por natureza, seguindo o exemplo de certos animais. No entanto, a visão cristã passa pelas lentes fortes e cristalinas da Palavra de Deus, que considera a infidelidade conjugal como vergonhosa traição aos princípios sagrados, estabelecidos por Deus para o casamento” (RENOVATO, 2013, p. 67).

Abaixo destacaremos o que a Bíblia diz sobre esta prática pecaminosa:

2.1 No Antigo Testamento. O mandamento “Não adulterarás” faz parte do Decálogo e foi dado ao povo de Israel a fim de preservar a santidade do lar (Êx 20.14; Dt 5.18). É interessante destacar que “também está envolvida a questão da herança da família e a preservação da pureza tribal. Finalmente, o próprio ato era considerado um crime sério, um ato de contaminação (Lv 18.20). Por esse motivo, era imposta a pena de morte, envolvendo a execução de ambos os culpados (Êx 20.14; Lv 20.1). A pena de morte mostra que as sociedades antigas encaravam o adultério não meramente como um ato privado errado, mas que ameaçava o arcabouço do lar e da sociedade” (CHAMPLIN, 2004, vl. 01, p. 66). Infere-se que passagens como Levítico 20.10-21, que tratam de comportamentos sexuais proibidos, sejam simplesmente uma extensão da lei sobre adultério.

2.2 No Novo Testamento. Os ensinamentos neotestamentários seguem o mesmo padrão veterotestamentário quanto a reprovação da prática do adultério (Rm 13.9; Gl 5.19; Tg 2.11). O Senhor Jesus estendeu a culpa pelo adultério da mesma forma como fez para outros mandamentos (Mc 10.19; 18.20), incluindo até o desejo de cometê-lo ao próprio ato em si (Mt 5.28). Pedro fez semelhante declaração “Tendo os olhos cheios de adultério, e não cessando de pecar, engodando as almas inconstantes, tendo o coração exercitado na avareza, filhos de maldição” (II Pe 2.14). O apóstolo Paulo acrescentou que o adultério é uma obra da carne e que os que praticam são passíveis de morte e não herdarão o Reino dos céus (Rm 1.29-32; I Co 6.10; Gl 5.21). Confira também (Ap 22.15).

III - TIPOS DE ADULTÉRIO

A violação do sétimo mandamento, pode se dar pelo menos de três formas:

TIPOS DE ADULTÉRIO DEFINIÇÃO REFERÊNCIAS
Adultério físico Intercurso carnal entre uma pessoa casada com outra que não seja o seu cônjuge. Êx 20.14; Lv 20.10; Dt 5.18; Mt 5.27; 19.18; Rm 13.9; I Co 6.9
Adultério em pensamento Neste o adultério não se dá de forma física, mas mental, através de pensamentos imorais dirigidos a alguém. Gn 6.5; Pv 6.18; Mt 5.27-28; II Pe 2.14
Adultério virtual Este é cometido quando alguém casado alimenta-se com cenas pornográficas na TV ou na Internet com conversas maliciosas com o sexo oposto. Sl 101.3; Pv 7.10-23; Fp 4.8; I Ts 5.22

IV - O PLANO ORIGINAL DO CASAMENTO SEGUNDO A BÍBLIA

Para nós, crentes em Jesus, o conceito de certo e do errado deve ter como base a Bíblia Sagrada, a nossa “regra de fé e prática”. Ela nos mostra que, ao criar Adão e Eva, Deus estabeleceu seu plano para o casamento. Vejamos abaixo:

4.1 União heterossexual (Heteros = diferente) + (sexual = sexo). O relacionamento conjugal só é possível entre um homem e uma mulher, ou seja, entre um macho e uma fêmea “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gn 1.27). Qualquer união sexual fora desse padrão, como o homossexualismo, por exemplo, se constitui violência ao plano original divino (Lv 18.22; Dt 23.17). Visto que, o objetivo principal do casamento é a procriação e, biologicamente, a prática homossexual não pode cumprir esse propósito. Por isso, em (Rm 1.26-28), Paulo diz que tal comportamento é: (1) “contrário à natureza”; (2) “sentimento perverso” e (3) “coisas que não convêm”.

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - Pr. Adilson Guilhermel

Texto Áureo: Mateus 5.28 “Eu, porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher par a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela.”

Leitura Bíblica em Classe: Êxodo 20.14; Deuteronômio 22.22-30

 

AS CONSEQUENCIAS DO SEXO QUE VAI CONTRA OS PRINCÍPIOS MORAIS

 

Introdução: A palavra adultério origina-se do latim adulterium, que aponta para a violação de fidelidade conjugal, ou seja, relações sexuais de pessoa casada com outra que não seja seu cônjuge. Não pode haver qualquer compatibilidade entre o adultério e o desejo de viver em comunhão com Deus. Deus ao promulgar esta lei “não adulterarás” quis preservar o sagrado matrimônio, pois a violação desse mandamento é tão terrível que destrói casamentos e famílias. Deus ao estabelecer a pena de morte para os adúlteros, tanto o homem como a mulher, vem mostrar o quanto Ele abomina esse ato, ao ponto de decretar o juízo de execução para ambas as partes. É certo que ao passar da dispensação da lei para a dispensação da graça a questão pena de morte para os adúlteros não existe mais, porém a gravidade do fato continua. Esta é uma forte razão para que esse tema não seja banalizado no meio cristão; e o pior é que tem sido. Temos visto que líderes conhecidos no meio evangélico e na mídia que estão à frente de grandes ministérios têm caído nesse pecado que é abominável aos olhos de Deus. O pior disso tudo é que mesmo cometendo esse grave pecado continuam a frente dos seus ministérios classificando o seu ato repugnante como uma coisa normal. Mais indignante ainda é que continuam dirigindo o ministério, pregando, doutrinando a Igreja. Na maior hipocrisia ignoram esse pecado grave diante de Deus e diante da Igreja. Em alguns casos a Igreja tem conhecimento do fato, mas aceita pacificamente a condição pecaminosa do líder. Quem é conivente com o pecado de alguém, seja quem for, torna-se participante do mesmo.

I. NÃO ADULTERARÁS É UM MANDAMENTO QUE SE INFRINGIDO TEM JUÍZO DIVINO

1. O mandamento não adulterarás envolve proibição absoluta sem qualquer concessão -  Deuteronômio 22.22 Quando um homem for achado deitado com mulher que tenha marido, então ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher, e a mulher; assim tirarás o mal de Israel.

A lei era bem clara na sua aplicação e não poderia haver qualquer tipo de concessão aos adúlteros. Não importava a posição social do transgressor, se era rico, se era uma pessoa influente, se era líder, ou qualquer outra posição. A punição era aplicada a todos que transgrediam essa lei. Na passagem da mulher adúltera quando ela foi levada até Jesus, Ele observou que estava havendo uma concessão em favor do homem que estava se relacionando sexualmente com esta mulher. Eles foram pegos no ato do adultério e nesse caso os dois deveriam ser executados, porém somente a mulher foi acusada e Jesus não permitiu que ela fosse executada porque eles estavam descumprindo a lei. Ainda havia um agravante nessa questão, pois muitos dos que estavam já com pedras nas mãos para executar a mulher, também estavam no pecado de adultério.

2. Não adulterarás coíbe a imoralidade sexual, para se manter um matrimônio sadio - Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará. Hebreus 13:4

Pessoas casadas devem ser fiéis aos seus votos e, assim, o seu leito conjugal sadio e imaculado. Qualquer relação sexual fora do casamento é pecado. O adultério não é uma doença: é pecado. Quem adultera, não vai ficar impune desta forma de imoralidade, que é um plano satânico na vida do casal. Esse pecado além de partir para uma condenação eterna, se não perdoado, também já é julgado nessa vida, através de doenças corporais, famílias desfeitas, problemas mentais e personalidades deformadas. Só há uma solução para essa questão, que é o arrependimento para que sejam perdoados e purificados pelo sangue de Cristo.

3. Os infratores da lei na questão do adultério seriam ambos penalizados com morte - Deuteronômio 22.23 Quando houver moça virgem, desposada, e um homem a achar na cidade, e se deitar com ela, Deuteronômio 22.24 Então trareis ambos à porta daquela cidade, e os apedrejareis,

Embora possa parecer cruenta essa penalização aos adúlteros é preciso entender que Deus é santidade pura e quem incorria nesta transgressão tornava-se completamente impuro, sem a mínima possibilidade de caminhar ou ter comunhão com Ele. Deus queria ter um povo vivendo em santidade na sua presença. Embora houvesse dentro das leis cerimoniais a questão de levar um sacrifício para o perdão dos pecados, esse tipo de pecado era tão grave aos olhos de Deus, que nenhum sacrifício levado ao sacerdote no altar do holocausto poderia purificá-lo. Sendo assim se os transgressores não fossem mortos, estariam convivendo no meio do povo na condição de imundos e isto afetaria a santidade do povo. Com o sacrifício de Cristo esse tipo de punição aos adúlteros foi abolido, pois após a cruz o Seu sangue surgiu como o único agente purificador para qualquer tipo de pecado, com exceção da blasfêmia contra o Espírito Santo, que é um pecado sem perdão.

II. AS RELAÇÕES SEXUAIS ILÍCITAS IMPLICAM EM TRANSGRESSÃO CONTRA A PALAVRA

1. O adultério é uma ação comprometedora da honra e reputação de qualquer pessoa - Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; 1 Timóteo 3:2

Jamais alguém na condição de adultero pode ser separado para qualquer tipo de ofício na Igreja, como também aqueles que exercem algum ofício na Igreja, se cair no adultério devem ser removidos do cargo, independente da função que exercem. Mesmo sendo o Pastor presidente do ministério não pode haver concessões ou exceções. Pecou nesse mandamento, mesmo tendo se arrependido e pedido perdão, não pode mais exercer a função da qual foi removido, como também nenhuma outra, pois pecou contra Deus e contra o corpo de Cristo. Como um líder nessa condição tem condições morais e espirituais para doutrinar a Igreja e principalmente falar sobre pecado.

2. A prática pecaminosa do sexo antes do casamento é um ato repudiado pelo Senhor - Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se. - 1 Coríntios 7:9

Em nossos dias mesmo no meio cristão o que é mais agravante, a questão do sexo antecipado ao casamento tem se agravado de forma incontrolável. A falta de espiritualidade é um forte agente motivador para isso, pois a tendência a carnalidade principalmente na questão sexual antes do casamento esta cheia de ocorrências nesse sentido no meio cristão. Isso tudo não envolve amor e sim a paixão que é um desejo pelo físico da pessoa e se consumado entra em transgressão contra a palavra de Deus. Se o abrasamento está incontrolável procure se espiritualizar mais e providencie logo a união conjugal pelo matrimônio, para não ficar com a salvação comprometida.

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - Sulamita Macêdo

Professoras e professores, observem estas orientações:

1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:

- Cumprimentem os alunos.

- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.

- Perguntem como passaram a semana.

- Escutem atentamente o que eles falam.

- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.

- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.

2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.

3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais,deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.

4 - Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 - Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!

6 - Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:

- Falem que nesta aula, vamos estudar sobre o 7º. Mandamento: Não Adulterarás.

- Reflitam sobre o que significa o vocábulo “Adulterar”. Aproveitem a oportunidade de falem sobre fornicação, prostituição, sexo antes do casamento, violência sexual, incesto e bestialidade.- Em seguida, utilizem a dinâmica “A Cisterna”, que proporcionará a reflexão sobre os cuidados que o casal deve ter para que não haja brechas para cometer adultério.- Depois, trabalhem os pontos levantados na lição, sempre de forma contextualizada e participativa.- Para concluir, apliquem a dinâmica “Fidexilina”, que tem como objetivo refletir sobre atitudes preventivas contra a infidelidade conjugal.Tenham uma excelente e produtiva aula!

Atenção!Professoras e professores, leiam o texto pedagógico “Vinculos Afetivos x Aprendizagem”(postado abaixo), para saber que o vínculo afetivo interfere no processo de aquisição do conhecimento, pois existe relação entre afetividade e aprendizagem.

Dinâmica: A Cisterna

Objetivo:

Refletir sobre os cuidados que o casal deve ter para que não haja brechas para cometer adultério.

Material:

Copo descartável para cada aluno

Água potável(limpa para beber)

Água “suja”(colocar algo para sujar a água)

01 copo descartável com rachaduras

01 saco de lixo

Procedimento:

- Entreguem um copo descartável, para cada aluno, com água limpa para beber.

- Depois, leiam:”Bebe água da tua cisterna e das correntes do teu poço” (Pv 5.15).

- Falem: Faz de conta que este copo representa uma cisterna. Para tomar da água desta cisterna, devemos observar se água está limpa.Peçam para que eles observem a qualidade da água, a cor, o cheiro…

- Agora, peçam para que tomem da água.- Reflitam sobre: Como podemos conservar a qualidade da água.A fonte da água deve ser boa: temos em Jesus a fonte de água viva, não podemos rejeitá-lo.

- Agora, coloquem água suja dentro de um copo descartável.

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Não Adulterarás - Programa EBP em Foco

Aula ministrada no Programa EBP em Foco da EBD da Assembleia de Deus em Teófilo Otoni/MG.

Lição 9 - 1T/2015

converter em pdf.

Não Adulterarás - Thiago Santos

INTRODUÇÃO

I - O SÉTIMO MANDAMENTO

II - INFIDELIDADE

III - OUTROS PECADOS SEXUAIS

IV - O ENSINO DE JESUS

CONCLUSÃO

VIGIAI E ORAI PARA QUE NÃO ENTREIS EM TENTAÇÃO.

MATEUS 26.41

Na lição desta semana, estudaremos a respeito do adultério. Uma prática ilícita que tem trazido muita tristeza e ausência de paz às famílias. Nesse caso, a Palavra de Deus orienta aos casais estarem atentos e zelarem pelo matrimônio, a fim de que sejam evitadas situações que possam comprometer a fidelidade conjugal, ou mesmo, a santidade e comunhão com Deus (Cf. Hb 13.4). Por esta razão, a conduta do casal cristão deve ser de constante vigilância e sabedoria para que o matrimônio esteja bem guardado, e também a estrutura familiar seja preservada.

Além do mais, é necessário que a vida espiritual do casal cristão esteja no altar de Deus. Um relacionamento pautado nos valores bíblicos certamente resultará em um lar harmonioso, e também em uma família saudável espiritualmente e emocionalmente onde o Espírito de Deus se faz presente. Portanto, caro professor, enfatize aos seus alunos que a vigilância e a oração devem ser entendidas como uma conduta preventiva para que sejam evitados problemas no matrimônio. Admoeste que o cuidado pela vida espiritual contribui para a saúde emocional do casamento e para a harmonia do lar. Boa aula!
I. O zelo pelo matrimônio, a vigilância e a sabedoria

Em vista do que podemos observar, o ensinamento bíblico é contundente em afirmar que o matrimônio deve ser respeitado como uma aliança especial que Deus constituiu. Porém, aos que negligenciam a este cuidado, as Escrituras declaram que Deus trará juízo sobre os filhos da desobediência (Cf. Hb 13.4).

Nos dias atuais temos visto a grande quantidade de lares destruídos por conta do adultério, e muitas vezes, a razão de tanta lástima é a falta de vigilância do casal. O apóstolo Paula cita em suas epístolas alguns deveres da vida conjugal que devem ser respeitados, dentre os quais está o respeito e submissão da esposa ao esposo, e a responsabilidade do esposo de amar a esposa, assim como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela (Cf. Ef 5.22-25). Tais valores são essenciais para a estabilidade de um casamento.

Nesse caso, a submissão da esposa é semelhante à submissão da Igreja a Cristo, reconhecendo-o como a cabeça, como a liderança responsável pelo cuidado e provisão do lar e da família. Do mesmo modo, a ordenança dada ao marido, sugere uma devoção em cuidar da esposa com um amor que ultrapassa o sentido humano de amar.

Na obra Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, Laurence O. Richards discorre a respeito do amor do esposo: “A palavra amor é descrita em três possibilidades. Erao expressava paixão sexual, e é apropriado que o marido cristão tenha um desejo maduro e contínuo pela esposa. Phileo e storgeo são termos frequentemente usados para afeição familiar. E é apropriado que o marido sinta afeição cordial por sua esposa. No entanto, Paulo decide usar agapao, um termo meigo do grego secular, mas uma palavra infundida com um significado cristão único, por seu uso no N.T. Aqui, agapao expressa o amor desinteressado - um amor que se compromete conscientemente do custo pessoal. Ao decidir colocar o bem-estar da esposa em primeiro lugar, pois é isto que agapao implica, o marido voluntariamente sujeita seus próprios interesses às necessidades de sua esposa, e, portanto, sujeita-se a ela, em uma atitude de reverência a Cristo” (CPAD, 2007, p.434).

Sendo assim, a cooperação mútua entre o casal será a sabedoria necessária para dar consistência ao relacionamento, a fim de superarem qualquer investida de Satanás que venha tentá-los ao rompimento desta aliança que tem um valor inestimável perante o Criador (Cf. Cl 3.18-20,23,24).
II. A vida espiritual do casal cristão e a precaução com o adultério

À vista disso, há muitos casais que não consideram que há papéis dentro de um relacionamento que não podem deixar de ser cumpridos. O não cumprimento e a falta de atenção devida aos valores da Palavra de Deus podem fragilizar a saúde de uma relação conjugal (1 Pe 3.7). Por esse motivo, a valorização da vida espiritual do casal cristão deve ser prioridade. Um relacionamento pautado nos valores bíblicos certamente resultará em um lar harmonioso, e também, em uma família sadia.

A própria psicologia familiar declara que o comportamento dos filhos, muitas vezes, é fruto dos costumes e hábitos que aprendem diretamente com os pais. Sendo assim, pais que buscam a Deus e ensinam o caminho da justiça aos seus filhos, certamente aumentarão a possibilidade de seus filhos crescerem e levarem os valores cristãos para a sociedade, pois o exemplo de vida ensina melhor do que as palavras (Cf. Pv 22.6).

Além disso, a prática de uma vida espiritual no altar de Deus resulta em uma blindagem do casamento diante das adversidades. Embora o adultério seja uma ameaça à aliança matrimonial, o casal cristão que teme a Deus e pratica os valores bíblicos saberá discernir as investidas de Satanás contra a sua vida conjugal (1 Pe 3.1,2,7).
Contudo, é necessário apropriar-se da orientação de Cristo em relação à tentação: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26.41). Dessa forma, Cristo anunciou aos seus discípulos que eles passariam por provações e adversidades tais que precisariam estar prontos em espírito, pois a nossa estrutura humana é passível de falhar (Cf. Ef 6.18).

Igualmente em relação à vida conjugal, é de suma importância manter a vigilância e não permitir que o desgaste emocional causado pelas adversidades venha comprometer a fidelidade do casal. O problema de alguns cônjuges seria a falta de comprometimento em passar mais tempo presente com a família, ou mesmo cumprir com as responsabilidades concernentes ao relacionamento. Portanto, que a reflexão nos preceitos da Palavra de Deus esteja presente na conduta cristã de cada um de nós para que tenhamos uma vida conjugal e familiar saudável.
Considerações finais

Concluímos desta forma que a prática ilícita do adultério, muitas vezes, é resultado do descuido de muitos casais em não abstrair os valores da Palavra de Deus. Um estilo de vida comprometido com os ensinamentos do evangelho resulta em um relacionamento feliz e abençoado pelo Senhor, além de um lar harmonioso, constituído de uma família saudável. Desse modo, a vida no altar com Deus evita com que situações desagradáveis possam comprometer a paz e segurança de uma família. Afinal de contas, a aliança matrimonial é um empreendimento que surgiu no coração de Deus, a fim de que o ser humano viva em família e compartilhe a felicidade de estar ao lado de alguém que ama. Que possamos carregar em nossas vidas os valores da Palavra de Deus para que tenhamos um relacionamento conjugal feliz e uma família comprometida com a vontade de Deus.

Por Thiago Santos.
Educação Cristã.
Publicações. CPAD.

Publicado no Portal Lições Bíblicas

converter em pdf.