Wordpress Themes

Aviva, ó Senhor, a tua obra - Rede Brasil de Comunicação

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Recife / PE

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - CEP. 50040 - 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 13 - AVIVA, Ó SENHOR, A TUA OBRA!

INTRODUÇÃO

Nesta última lição do trimestre estudaremos sobre a importância do verdadeiro e genuíno avivamento espiritual, principalmente nestes dias em que o pecado e a iniquidade crescem assustadoramente, e muitos cristãos estão vivendo momentos de frieza espiritual e até abandono da fé. Por estas e outras razões, mais do que nunca, devemos clamar como o profeta Habacuque: “aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos…” (Hc 3.2).

I - O QUE SIGNIFICA AVIVAMENTO?

A palavra avivamento deriva-se da palavra avivar, que quer dizer: “tornar-se mais vivo”, “estimular”, “animar”. Avivar significa tornar alguém mais vivo, mais dinâmico e ativo. Em relação à igreja, podemos dizer que avivamento é a restauração do primeiro amor (Ap 2.4,5), resultando no despertamento, arrependimento e na busca incessante pela presença de Deus (Ne 8.1-18; 9.1-38; 10.29).

II - QUAIS OS ELEMENTOS DO VERDADEIRO AVIVAMENTO?

Nos dias de Esdras, o povo de Deus experimentou um grande avivamento. Baseado nessa experiência, podemos aprender sobre os principais elementos do genuíno avivamento. Vejamos:

2.1. Oração sincera (Ed 8.21-23). Esdras foi o comandante do segundo grupo de judeus que retornaram à Palestina após o cativeiro babilônico. Ele entendeu que qualquer projeto para um despertamento espiritual do povo de Deus inicia com oração. Todos devem clamar por um avivamento poderoso, glorioso e soberano,

oriundo de Deus para nossas vidas (Ed 9.1-5). Todos os avivamentos da Bíblia e da história da igreja foram marcados e conservados pela oração, jejum, arrependimento, confissão, quebrantamento de espírito, humilhação diante de Deus e santidade (Ed 10.6; Ne 1.4-11; Hc 1.1).

2.2. Louvor agradável a Deus (Ed 3.10,11). Antes do cativeiro, o povo de Deus havia recebido orientações sobre a maneira como louvar ao Senhor, sob o reinado do salmista e rei Davi. Após o cativeiro, no período da reconstrução, quando experimentavam um avivamento na nação louvaram a Deus, pois o verdadeiro louvor é parte essencial na vida daqueles que são alcançados por um grande mover espiritual.

2.3. A Palavra de Deus (Ed 7.10). A Palavra de Deus, que é poderosa, penetrante e renovadora, é o grande agente divino para o avivamento. Todo e qualquer clamor por um despertar divino, seja ele coletivo ou individual, não pode ocorrer sem que tenha base na Palavra de Deus. É ela quem quebranta os corações, que expõe o pecado e nos leva ao reconhecimento da necessidade urgente de uma volta ao Deus (Ne 8.5-

12).

2.4. O temor ao Senhor (Ed 10.1). Sem um avivamento contínuo em sua vida, o cristão perde, aos poucos, o temor ao Senhor, a repulsa pelo pecado e torna-se insensível ao Espírito Santo.

III - QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DO VERDADEIRO AVIVAMENTO?

O livro dos Atos dos Apóstolos descreve as características de uma igreja que vivia sob o mover do Espírito Santo. Vejamos, então, as características dessa igreja avivada:

3.1. Perseverança na Palavra. Todo avivamento autêntico está centrado em Deus e em sua Palavra. A expressão: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos…” (At 2.42a) tem o mesmo sentido de “perseverar na doutrina de Cristo” ou “perseveravam em obedecer a Palavra de Deus”. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Aviva, ó Senhor, a tua obra - Pr. Geraldo Carneiro Filho

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL DA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 13 - DATA: 26/06/2011
TÍTULO: “AVIVA, Ó SENHOR, A TUA OBRA”
TEXTO ÁUREO – Is 44:3
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: At 19:1-6, 11-12, 18-19
PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/


I – INTRODUÇÃO:

Muitos demonstram interesse na questão do avivamento, comentando sobre essa necessidade na Igreja. Mas precisamos saber que tipo de avivamento queremos. Há um grande número de ideias destoantes acerca deste assunto. Para muitos, avivamento: são decisões por Cristo; para outros, dons espirituais; para outros, entusiasmo; e ainda outros pensam que é puramente santidade. Se queremos orar e trabalhar em unidade, precisamos ter um ponto de vista definido, e para isso devemos examinar as Escrituras.

II – EXEMPLO PERFEITO DE AVIVAMENTO:

Leiamos At 2:1-12 - Aqui encontramos o exemplo perfeito de um genuíno avivamento. Não pensamos que todo avivamento seja exatamente igual a esse, o que não é bíblico nem corresponde à realidade. Mas há princípios ou sinais que realmente são comuns aos outros avivamentos. Desse texto podemos extrair:

1) – O PERFEITO AVIVAMENTO NÃO ESTÁ SOB NOSSO CONTROLE; ESTÁ SOB O CONTROLE DE DEUS – “… de repente…” - Não podemos “usar” o Espírito Santo. Não podemos “programar” um avivamento; não podemos datá-lo; ele é um ato soberano de Deus.

2) – O PERFEITO AVIVAMENTO NÃO É PRODUZIDO NA TERRA PELO HOMEM; É PRODUZIDO NO CÉU – “… veio do céu…” - Este é realmente o ponto fundamental. Muitos irmãos ficam preocupados com o evangelismo, com o estado de mornidão e o pequeno número de conversões.

Esta é até uma justa preocupação.

Porém, alguns servos de Deus ficam ansiosos por descobrir o que impede a edificação da Igreja e querem fazer algo a respeito.

Mas a grande pergunta é: O QUE É ESSE ALGO?

Em geral, os crentes pensam que se certos métodos ou estratégias forem aplicados, então virá o avivamento.

Uns pensam que precisamos orar mais alto; outros, que devemos chamar certos pregadores para a Igreja; outros, que devemos iniciar um culto de libertação ou fazer a reunião de oração de um outro jeito; há os que crêem que se tivermos certos dons espirituais, a Igreja será avivada; e há ainda os que pensam que uma série de estudos sobre avivamento é a chave correta!

Ora, não há dúvidas de que cada uma dessas estratégias pode ser usada por Deus para despertar e avivar a Igreja.

A grande falha, porém, está em não percebermos que Deus não está preso a nenhum método.

Deus não depende da aplicação, por nossa parte, de certas técnicas espirituais.

Por causa dessa visão errada, as pessoas são muitas vezes tentadas a produzir um avivamento.

Imitar certas técnicas não traz o avivamento; ele vem diretamente do céu; é algo que está nas mãos de Deus e não pode ser produzido por nossos métodos.

Novos métodos podem até encher templos e deixar os crentes empolgados, mas isso não significa avivamento.

Alguns podem estar pensando: - “Mas não podemos fazer nada?!”

Podemos sim! Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Aviva, ó Senhor, a tua obra - Sulamita Macêdo

Professoras e professores, para esta lição e conclusão do trimestre, apresento as seguintes sugestões:

- Iniciem a aula, cumprimentando os alunos e perguntem como passaram a semana.

- Falem que a lição tem como título: Aviva, Ó Senhor Tua Obra.

- Trabalhem o item I da lição e em seguida utilizem a dinâmica “Tesouro Escondido”.

- Posteriormente, falem sobre o conteúdo dos itens II e III.

- Concluam a aula realizando o fechamento das lições deste trimestre, utilizando a dinâmica “A Palavra é…”

Tenham uma excelente aula!

Publicado no blog Atitude de Aprendiz

converter em pdf.

Aviva, ó Senhor, a tua obra - Pb. José Roberto A. Barbosa

Texto Áureo: Is. 44.3 - Leitura Bíblica: At. 19.1-6,11,12,18,19

Pb. José Roberto A. Barbosa

http://www.subsidioebd.blogspot.com/

Twitter: @subsidioEBD

Objetivo: Mostrar a igreja que o avivamento somente é possível quando esta se volta ao estudo sistemático e à obediência incondicional à Palavra de Deus.

INTRODUÇÃO

A Igreja de Jesus Cristo deve viver em avivamento constante. Cientes dessa verdade, estudaremos, na lição de hoje, os fundamentos bíblicos para que Deus avive a Sua obra no meio do Seu povo. No início da aula, definiremos o que significa avivamento, em seguida, atentaremos para alguns exemplos de avivamentos na história de Judá, por fim, em virtude da confusão que impera em alguns arraiais evangélicos, faremos a distinção entre o que é e o que não é um avivamento genuíno.

1. DEFINIÇÃO DE AVIVAMENTO

Nos dicionários de Língua Portuguesa, o termo avivamento vem do verbo “avivar”, que significa: “tornar mais vivo, estimular, tornar mais nítido, ativo e intenso” (Aurélio). Não encontramos na Bíblia a palavra “avivamento”, apenas o verbo “avivar”, usado com bastante frequência. Em I Rs. 17.22 a palavra hebraica é shub, que se refere ao ato de fazer voltar à vida algo que se encontrava morto ou simplesmente, renovar ou restaurar. Na célebre oração de pedido de avivamento de Hc. 3.2, a palavra hebraica é chaiah, cujo significado é viver, ter vida, permanecer vivo, sustentar a vida, viver prosperamente, viver para sempre, reviver, estar vivo, ter a vida ou a saúde recuperada. Existem dois outros textos clássicos em hebraico que se referem a esse ato, ambos com a palavra chaiah, são Sl. 85.6 (avivamento corporativo) e Is. 57.15 (avivamento pessoal).

2. EXPERIÊNCIAS DE AVIVAMENTOS

Em II Cr. 34 lemos a respeito de um grandioso avivamento na história de Judá, nos tempos do rei Josias. Esse monarca foi despertamos para restaurar a vida espiritual do povo judeu, a partir da reforma do templo. Quando a reforma estava sendo feita, o sumo sacerdote Hlquias encontrou o Livro da Lei que se achava perdido (II Cr. 34.8-17). Quando a Torah foi lida, o rei teve o coração quebrantado, rasgou as suas vestes, externou a sua tristeza (II Cr. 34.19) e conscientizou-se do pecado do povo contra o Senhor (II Cr. 34.20,21), percebendo que o julgamento divino sobreviria sobre a nação. A consciência do pecado, através da Palavra de Deus, resultou em avivamento espiritual, pois diante da Lei, os judeus se voltaram para o Senhor (II Cr. 35.18). Outro exemplo de avivamento através da Palavra de Deus se encontra no capítulo 8 do livro de Neemias. Esdras leu a Lei diante do povo e isso, certamente, os levou à fé, pois a fé vem pelo ouvir (Rm. 10.17), e, ouvindo a Palavra, o Espírito produz, em nós, a santidade (Gl. 5.22). Por isso, Jesus orou, em Jo. 17.17, “santifica-os na verdade”. A respeito desse texto, consideremos os seguintes pontos: 1) Esdras reuniu a todos, não apenas alguns, contanto que fossem capazes de entender aquilo que haveria de ser exposto (v. 2), mas antes, ele direcionou o povo à oração, quando todo povo disse “amém” (v. 6). Ele leu com distinção, isto é, de modo que todos pudessem ouvir com nitidez. Em seguida, após essa leitura com clareza, ela expunha o sentido para que as pessoas compreendessem (v. 8); 2) como resultado da leitura e exposição da Palavra, o povo entristeceu-se e sentiu vergonha dos seus pecados diante de Deus, o clamor foi tal que Esdras e Neemias precisaram instruir o povo a que se regozijassem perante o Senhor; e 3) O povo, então, tomou a decisão de obedecer a Palavra de Deus (v. 17), e, após ouvir os ensinamentos do Senhor, “houve muita alegria” (v. 18). Esse é o percurso bíblico do verdadeiro avivamento, parte da leitura e exposição da Bíblia, sob a oração, debaixo da unção do Espírito Santo. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Aviva, ó Senhor, a tua obra - Luciano de Paula Lourenço

Texto Base: Habacuque 3:1-19

Ouvi, SENHOR, a tua palavra e temi; aviva, ó SENHOR, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica; na ira lembra-te da misericórdia“(Hc 3:2).
INTRODUÇÃO
O que é um avivamento? É o “retorno de algo à sua natureza e propósito”. Significa acordar e viver. Significa que os crentes mornos, cansados, despertem para uma nova vida espiritual e entrem outra vez em contato com “rios de água viva”(ler Is 44:3). Infelizmente, a maioria de nós experimenta aqueles momentos de apatia espiritual que tornam o avivamento necessário. Mas se vivêssemos continuamente na plenitude do Espírito de Cristo, como Deus deseja, o avivamento seria um estado permanente. O avivamento traz nova vida para a igreja. Isto é necessário, pois a tendência do homem é a de esquecer-se das coisas de Deus com o passar do tempo.
Pensamos sempre em acontecimentos espetaculares quando falamos em avivamento. Entretanto, o acontecimento maior e mais espetacular do avivamento é quando filhos de Deus que estavam mornos e cansados espiritualmente se tornam outra vez ardorosos pelo Senhor; quando em suas vidas começam a jorrar outra vez “rios de água viva”(João 7:38).
Deus sempre estabelece condições para que haja a renovação espiritual na vida de uma pessoa. Dentre elas, destacamos: Buscar a Deus; Submeter-se à Palavra do Senhor; Confessar os pecados; Arrepender-se; Mudar de vida.
I. BUSCANDO O AVIVAMENTO
A busca do aviamento deve ser uma constante na vida do povo de Deus. Nossa natureza carnal ainda não foi extirpada, ela continua em stand by, ou seja, a qualquer momento pode vir à tona se não houver uma rigorosa vigilância de nossa posição espiritual diante de Deus. Por isso Jesus alertou os seus discípulos: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca”(Mt 24:41).
Na Bíblia, foram registrados grandes avivamentos em que um grande número de pessoas voltou-se para Deus e desistiu de seu modo pecaminoso de viver. Os avivamentos foram liderados por alguém que reconheceu a crise espiritual da nação, superou o medo e tornou a vontade de Deus conhecida às pessoas. Destacamos alguns:
· Moisés (Êxodo cap. 32,33). Aceitaram as leis de Deus e construíram o Tabernáculo.
· Samuel (1Samuel 7: 2-13). Prometeram colocar Deus em primeiro lugar em sua vida e destruíram os ídolos.
· Davi (2Samuel cap. 6). Levaram a Arca da Aliança para Jerusalém e louvaram a Deus com cânticos e instrumentos musicais.
· Josafá (2Crônicas cap 20). Decidiram confiar somente na ajuda de Deus, e o desânimo deu lugar à alegria.
· Ezequias (2Crônicas cap. 29-31). Purificaram o Templo, livraram-se dos ídolos e levara os dízimos à Casa de Deus.
· Josias (2Crônicas cap. 34,35). Fizeram um compromisso de obedecer às ordens de Deus e remover as influências pecaminosas de sua vida.
· Esdras (Esdras cap. 9,10; Ageu 1). Pararam de associar-se com aqueles que os faziam transigir em sua fé, renovaram seu compromisso com os mandamentos de Deus e começaram a reconstruir o Templo.
· Neemias e Esdras(Neemias cap. 8-10). Jejuaram, confessaram seus pecados, leram a Palavra de Deus publicamente e prometeram por escrito(Neemias 9:38) servir novamente a Deus, de todo o coração.

1. O Livro da Lei é encontrado. O avivamento é necessário, pois a tendência do homem é a de esquecer-se das coisas de Deus com o passar do tempo. A história de Israel nos mostra exemplos desse fato. Josias, rei em Judá, decidiu reformar o templo do Senhor. Nessa reforma, o sumo sacerdote Hilquias encontrou o Livro da Lei perdido na casa do Senhor(ler 2Cr 34:8-17). Quando o rei Josias leu o Livro da Lei, rasgou suas vestes e conclamou o povo a um conserto com Jeová(ler 2Cr 34:19-33). Dessa forma, aconteceu um avivamento em Judá, quando o povo se arrependeu e retornou às práticas descritas por Deus em sua Lei. Aquele avivamento trouxe maravilhosos resultados ao Reino de Judá. Os judeus puseram-se, com temor e com o coração cheio de júbilo a celebrar as festas do Senhor (2Cr 35:18). Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Aviva, ó Senhor, a tua obra - Francisco A. Barbosa

Texto Áureo

“Porque derramarei água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha bênção sobre os teus descendentes.” (Is 44.3).

– O texto fala de uma promessa de bênção. O Espírito também confirmará as promessas de Deus. Quanto à conexão entre a água e o Espírito, veja Mc 1.8-10. Nesta perícope, temos o desenvolvimento das promessas dos textos nos capítulos 28.6 e 32.15. É verdadeiro pois, o Espírito vive agora nos filhos da Nova Aliança (Jl 2.28, 29; At 2. 38, 39).

Verdade Prática

O avivamento só é possível quando a Igreja de Cristo se volta ao estudo sistemático e à obediência incondicional da Bíblia Sagrada.

Leitura Bíblica em Classe

Atos 19.1-6, 11, 12, 18, 19

Objetivos

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
- Compreender que a Igreja do Senhor, na atualidade, precisa buscar um autêntico avivamento espiritual;
- Saber que um gebuíno avivamento gera mudança de vida, e
- Conscientizar-se de que é tempo de buscarmos a face de Deus.

Palavra-Chave

- AVIVAMENTO: Retorno de algo à sua verdadeira natureza e propósito.

Comentário

(I. Introdução)

Com a graça do Senhor chegamos ao fim de mais um trimestre, e em especial, comemorativo, quando temos o privilégio de contemplar o centenário de nossa denominação, cem anos de pentecostes como no início da Igreja, e como herdeiros dessa chama, temos a responsabilidade de manter o ardor pentecostal, cuidar da sã doutrina, manter aquele avivamento iniciado na Azuza Street. As Assembleias de Deus, com raras exceções, têm preservado sua liturgia, costumes e zelo por missões. Mas não obstante isso, podemos contemplar inovações que, supostamente, avivam a obra. Teremos hoje a oportunidade de lecionar acerca do verdadeiro avivamento, diferenciar o movimento emocionalista daquele avivamento que causa transformação de vida, aquele que surge através da operação do Espírito Santo no interior do crente como fruto de uma maior busca pelo Senhor, da submissão à Palavra, do arrependimento e de uma vida santificada. O que estamos presenciando hoje em nossos cultos é muito barulho e pouca unção; muita música, muita dança, teatro e pouca adoração; canta-se muito, mas ouve-se pouco e mal a pregação da palavra; sermão expositivo? – O que é isso? Já somos um terço dos brasileiros mas, somos uma geração de crentes impacientes, ansiosos, rebeldes, insubmissos e avessos à disciplina, dispostos a mudar de igreja por qualquer motivo. O louvor evangélico, antes ‘cafona’, hoje é gospel e seus interpretes-erradamente designados por levitas- ávidos por cachês exorbitantes. Pregador hoje é ‘Preletor’, ‘Conferencista internacional’ e suas perfomances, têm trazido prejuízo hermeneutico e teológico - muitas heresias são repetidas em nossos púlpitos, inclusive com imitação de tom de voz e trejeitos. O termo pecado não é mais tema de sermão. Crentes consumistas, oramos apenas para pedir, e alguns de nós ousam ‘exigir o que é seu por direito’ ou determinando alguma coisa; não temos a necessidade de estudar a Bíblia e, por conseguinte, não conhecemos o Deus da Bíblia (Errais não conhecendo as escrituras e nem o poder de Deus. Mt 22.29). No dizer de Paulo, “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” (Rm 10.17), precisamos experimentar os grandes avivamentos do passado. Precisamos de um retorno à verdadeira natureza do pentecostalismo: muita oração, quebrantamento, santidade e vida com Deus. Boa aula! Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.