Wordpress Themes

A Imoralidade em Corinto - Ev. Isaías de Jesus

TEXTO ÁUREO

“Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.”

VERDADE PRÁTICA

O repudio do pecado é uma reação natural da igreja como corpo de Cristo, assim como o livrar-se de um vírus o é para o corpo físico.

COMENTÁRIO DA INTRODUÇÃO

A imoralidade sexual praticada por membros da igreja de Corinto tinha extrapolado, a ponto de, o apóstolo Paulo dizer que suas atitudes estavam piores que as atitudes dos gentios.
Ou seja, a igreja tinha se desvirtuado o seu papel de sal e luz do mundo.

MATEUS 5: 13-16

“Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas, no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus.”

I PEDRO 2: 11-12

“Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma, tendo o vosso viver honesto entre os gentios, para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no Dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem.”

A igreja deve ser disciplinada através da Bíblia, para que sua conduta moral não venha a ser reprovável diante do criador e dos homens.

I - ESCÂNDALO NA IGREJA

1 - O transgressor precisa ser confrontado (I Coríntios 5: 1-5)

O pecado confrontado pelo apóstolo Paulo foi o pecado de fornicação (Incesto), onde havia um membro dessa igreja abusando da mulher de seu pai.

O QUE É FORNICAÇÃO? (PORNEIA - GREGO)
- Fornicação, prostituição, é usada acerca de:

1º - O intercurso sexual ilícito (JO 8: 41; AT 15: 20,29; 21-25; I CO 5: 1,6: 13,18; 7: 3; II CO 12: 21; GL 5: 19; EF 5:3; CL 3: 5; I TS 4: 3; AP 2: 21; 9: 21).
Em Mateus 5: 32 e 19: 9 representam ou inclui o adultério, é diferenciado em Mateus 15: 19 e Marcos 7: 21.

2º - Metaforicamente, fala da “associação da idolatria pagã com as doutrinas da fé cristã e professada por seus adeptos” (AP 14: 8; 17: 2,4; 18: 3; 19: 2), alguns sugerem que este é o sentido em Apocalipse 2: 21.

A igreja estava sendo complacente com este pecado, tolerando, enquanto que a Palavra de Deus abomina.
Esse fermento deveria ser retirado do meio para que a massa não se levedasse. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

TV EBD - A Imoralidade em Corinto - Ev. Luiz Henrique

Assista os vídeos da TV EBD com a aula da Lição 5 - A Imoralidade em Corinto. Para facilitar o download, o vídeo é dividido em 5 partes. Você pode assistir aqui mesmo, clicando nos vídeos, ou clicar nos links, acima dos vídeos para salvar; ao abrir a nova página, clique no botão Download. Os vídeos são produzidos pelo Ev. Luiz Henrique e também publicados no site Estudos Bíblicos EBD.

1ª Parte - Lição 5 - 2T/2009 - 1ª parte

2ª Parte - Lição 5 - 2T/2009 - 2ª parte

3ª Parte - Lição 5 - 2T/2009 - 3ª parte

4ª Parte - Lição 5 - 2T/2009 - 4ª parte

5ª Parte - Lição 5 - 2T/2009 - 5ª parte

converter em pdf.

A Imoralidade em Corinto - Pr. Adilson Guilhermel

A IMORALIDADE EM CORINTO - I Co 5.1-6, 9-11

Lição 5 - 03/04/2009

Texto Bíblico: I Co 6.20 Porque fostes comprados por bom preço. Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus

CONTINUE SALVO NÃO COMPACTUANDO COM A IMORALIDADE

1. O CRENTE REDIMIDO DEVE VALORIZAR A SUA REDENÇÃO

Fomos libertados da nossa lealdade ao pecado - Rm 6.22 Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.

Fomos libertados da nossa escravidão ao pecado - Gl 5.1 Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.

Fomos libertados da nossa dominação ao pecado - Gl 5.13 Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor.

2. O CRENTE REGENERADO DEVE TER VIDA SEPARADA

Nosso corpo deve ser consagrado ao Senhor - I Pe 2.8 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;

Tenha força de vontade para resistir tentações - I Ts 5.22 Abstende-vos de toda a aparência do mal.

Busque desenvolver virtudes morais positivas - 2 Pe 1.5 E vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência,

3. O CRENTE ESPIRITUAL DEVE SER MORADA DO ESPÍRITO

Temos que pertencer inteiramente a Deus -  Sl 100.3 Sabei que o SENHOR é Deus; foi ele que nos fez, e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto.

O Espírito não habita em templo poluído - I Co 6.19 Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?

Somos o lugar onde Deus manifesta a sua glória - Ef 1.12 Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo.

Pr. Adilson Guilhermel

Publicado no site Esboços EBD

converter em pdf.

A Imoralidade em Corinto - Pr. Manoel B. M. Júnior

Texto Áureo: “Porque fostes comprados por bom preço; Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito,
Os quais pertencem a Deus” (1Co 6.20).

Verdade Prática: O repúdio ao pecado é uma reação natural da Igreja como corpo de Cristo, assim como livrar-se de um vírus O é para o corpo físico.

Leitura Bíblica em classe: 1Co 5. 1 - 6, 9 - 11.

INTRODUÇÃO

Adultério, fornicação, lascívia, luxuria, incesto, prostituição, perversão sexual, avareza, idolatria, e todo o tipo de imoralidade, será que em uma igreja local pode haver tanto pecado assim? Será que as pessoas que vivem em pratica continua desses pecados tomam a Ceia do Senhor sem se sentirem indignos? A igreja de Corinto estava agindo e vivendo desta maneira completamente sem disciplina, Nesta lição estudaremos sobre a imoralidade em Corinto e o que fazer para evitar que essas coisas aconteçam em nossas igrejas locais.

I. ESCÂNDALO NA IGREJA.

1. O transgressor precisa ser confrontado (vv. 1-5).

Frouxidão no caso de incesto (1Co 5.1-6).

O apóstolo passa de súbito a comentar a frouxidão moral dos cristãos coríntios. Primeiro é o caso notório do crente que tomou a mulher de seu próprio pai. Podemos supor que o pai já houvesse morrido; contudo, esse ato era contrário às leis matrimoniais do Velho Testamento, as quais ainda obrigavam a Igreja. Além disso, era um ato que nem os gentios toleravam (veja-se o vers. 1). Mas o que mais admirava era a igreja ali aceitar a situação sem discuti-la! Andais ensoberbecidos e não chegastes a lamentar (2). Eu… Já sentenciei (3), diz ele. Este é um dos casos em cuja condenação ninguém deve hesitar; não é possível haver circunstâncias que o atenuem. Com palavras muito solenes o apóstolo instrui a igreja como deve proceder-Em nome do Senhor Jesus… Seja ele entregue a Satanás para a destruição da carne (4-5). A igreja devia convocar uma assembléia solene e, cônscia do poder do Senhor Jesus Cristo (note-se o título completo) no seu meio, entregasse a Satanás o irmão escandaloso. Paulo mesmo estaria com eles, e o meu espírito (4). Pode significar que empregaria o tempo em fervente oração por eles. Seja entregue a Satanás. O Novo Testamento ensina que Satanás é o “príncipe deste mundo” (veja-se Jo 12.31). Contudo tem poder apenas sobre a “carne” (Jó 2.5-6; Lc 13.16; 2Co 12.7). Em 1Tm 1.20 lemos: “Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás para que aprendam a não blasfemar”. Essa com certeza é uma escola que nunca vou desejar entrar.

Devemos admitir que hesitaríamos muito, hoje em dia, em fazer precisamente o que o apóstolo mandou que os coríntios fizessem. Podíamos desculpar-nos lembrando que a Igreja dos tempos apostólicos tinha de agir de modo especial em determinadas circunstâncias, a fim de, inequivocamente, estabelecer a autoridade do Senhor ressuscitado. Demais disto, a Igreja apostólica era uma corporação pequena, relativamente, e por conseqüência sua vida era muito mais intensa em assuntos espirituais (ou era capaz de o ser, sob a direção apostólica).

Mas, embora hoje possamos achar difícil pensar nos termos precisos aqui usados pelo apóstolo, não há razão para não tomarmos a sério e pormos em prática o conselho que ele dá, a saber, excluir da congregação os que são malfeitores notórios. Olhando o vers. 11 adiante, vemos ali uma lista de pecados que devem ser tratados desse modo. Qualquer membro da igreja que peque dessa forma deve ser francamente condenado em face da congregação, fazendo-se ver a ele que Satanás o tem preso em tais práticas, afastando-se do seu convívio os outros crentes, na esperança de que venha a descobrir a gravidade de sua situação e se arrepender, de modo que seu espírito se salve no dia do Senhor Jesus (5). Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

A Imoralidade em Corinto - Pr. César Moisés Carvalho

Leitura Bíblica em Classe
1 Coríntios 5.1-6,9-11

Introdução:I. Escândalo na Igreja 

II. A Ação Pastoral Disciplinar na Igreja (vv.9-11)

III. Relacionamentos do Crente

Conclusão:

 Palavras-chave: Imoralidade. Desafio. Relacionamentos
 Título deste subsídio: O desafio de ser cristão em meio a uma sociedade ímpia 
 Autor: César Moisés Carvalho

O desafio de ser cristão em meio a uma sociedade ímpia 

Introdução 

Enxergar os acontecimentos do século 1, com óculos ocidentais do século 21, é uma tarefa não muito fácil e, não rara as vezes, inatingível. Como conceber a idéia de que pessoas pertencentes a uma comunidade cristã primitiva seriam capazes de praticar atos lascivos piores que os ímpios? Parece impossível, mas é exatamente esta a triste realidade de uma igreja que decide se pautar pela cultura circundante. Quando as convenções sociais, e não a Bíblia, tornam-se o padrão para uma igreja, ela fica à beira do precipício do secularismo.

A Sociedade Coríntia

Assim como neste tempo pós-moderno, ser crente em Corinto era um desafio, pois o próprio estilo de vida de um coríntio era sinônimo de imoralidade. Tanto que quando os gregos queriam designar uma vida promíscua, utilizavam o termo korinthiazesthai (cunhado por Aristófanes, c.450-385 a.C.), que significa “viver como um coríntio” ou “à moda coríntia”, o que equivalia à expressão “fornicar”. Além de sua licenciosidade, Corinto era extremamente idólatra, mantendo altares a Poseidon (que era o deus principal), a Hermes, Ártemis, Zeus e Dionísio, só para mencionar alguns. Na verdade, havia uma “prostituição cultual” na metrópole, pois o templo dedicado a Afrodite possuía mil sacerdotisas que ofereciam seus corpos à prostituição. Enfim, era um lugar de mistura pluralista de culturas, filosofias, estilos de vida e religiões. 

Na verdade, a fonte de todos os problemas desta igreja está exatamente na cultura helenística que tanto influenciou os coríntios. A grande questão era o que significava ser “espiritual” (cf. o uso da palavra pneumatikos 14 vezes, só em 1 Coríntios, contra apenas 4 vezes nas outras cartas paulinas). Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Questionário - A Imoralidade em Corinto - Ev. Luiz Henrique

 

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 05 - A IMORALIDADE EM CORINTO
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD - 2º TRIMESTRE DE 2009
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
“Porque fostes ________________________ por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso _____________________ e no vosso espírito, os quais _____________________ a Deus” (1 Co 6.20).
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
O repúdio ao _________________________ é uma reação natural da Igreja como ______________________ de Cristo, assim como o livrar-se de um ______________________ o é para o corpo físico.
INTRODUÇÃO
3- O que acontece quando a pecaminosa conduta social do mundo sem Deus é aceita pela Igreja em lugar da Bíblia? Coloque “X” na resposta correta:
(    ) Os pecados mais degradantes e abomináveis se aninham sem protesto entre os crentes.
(    ) Os pecados dos crentes são aceitos e perdoados pela sociedade.
(    ) Os pecados dos crentes são mais facilmente tratados pela igreja..
I. ESCÂNDALO NA IGREJA
4- Qual era o pecado que trazia escândalo a Corinto? Coloque “V” para Verdadeiro e “F” para Falso:
(    ) O pecado de adultério de um de seus membros.
(    ) O pecado era abominável e grosseiro.
(    ) Um dos crentes de Corinto vivia um relacionamento incestuoso com a mulher do pai.
5- Qual era a situação da igreja em Corinto, devido ao incesto ali praticado por um membro? Coloque “X” na resposta correta:
(    ) A igreja vivia triste devido ao pecado, porquanto não o tolerava.
(    ) A igreja se envergonhava perante os descrentes.
(    ) A igreja era cúmplice do pecado, porquanto o tolerava.
6- Até quando ainda haverá pecado entre os salvos, em meio à igreja? Coloque “V” para Verdadeiro e “F” para Falso:
(    ) Somente até haver disciplina para os pecados cometidos em seu meio.
(    ) Até que Jesus volte, a igreja local é composta de salvos que ainda pecam.
(    ) Quando Jesus voltar não haverá mais mancha, nem ruga. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

A Imoralidade em Corinto - Ev. Luiz Henrique

Complementos e questionários: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
TEXTO ÁUREO
“Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a DEUS no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a DEUS” (1 Co 6.20).
VERDADE PRÁTICA
O repúdio ao pecado é uma reação natural da Igreja como Corpo de CRISTO, assim como o livrar-se de um vírus o é para o corpo físico.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Coríntios 5.1-6,9-11.
1 Coríntios 5.1-6 Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

O Guia do Apóstolo Paulo Para Discipular Cristãos Carnais

Ninguém iria discutir que era um “caso perdido”. Tentar ajudar um grupo como aquele pessoal de Corinto se tornar maduro em Cristo? Impossível. Aquela cidade imoral perto de Atenas era conhecida no mundo inteiro pela sua decadência bêbada. E a “igreja” lá? Bem… houve casos de sucesso magnífico1 mas ainda tinham muito refugo em esconderijos. O que fazer? O que Paulo faria com as notícias de Cloe dizendo que as coisas não estavam muito bem na igreja de Corinto?

Como você trataria um irmão ou irmã que já é um Cristão há algum tempo, mas ainda tem problemas com vícios e não refreia os impulsos carnais? E com irmãos que brigam um com o outro, e, acredite ou não, até processam um ao outro? O que vamos pensar daqueles que ainda estão tão insensíveis a imoralidade sexual que decidem ignorar esses casos ao invés de se opor a eles? Como você trataria um irmão ou irmã com problemas desse tipo? Seria duro? Excluiria eles? Ficaria na sua e “não perderia seu tempo”?

Paulo, sem dúvida, sentiu na pele algumas dessas possibilidades.

É muito importante prestar atenção-o que Paulo fez… funcionou! Dentro de seis a nove meses depois que ele levantou a questão, ele pôde escrever para eles e dizer: “Em tudo vocês se mostraram inocentes a esse respeito,” “todos vocês foram obedientes”, “Alegro-me por ter plena confiança em vocês”, “eu estava orgulhoso de vocês, e vocês não me decepcionaram” (2Co 7:11-16). Isto é sucesso fenomenal!

Vamos considerar este assunto de fazer de homens e mulheres que ainda estão espiritualmente fracos ou até carnais discípulos de Jesus. Agora, é importante lembrar enquanto você lê e ora sobre estas palavras da vida do apóstolo Paulo que, não foi tanto o que “ele fez”, mas muito mais “quem ele era”. Por isso você vai descobrir que a maioria das mudanças talvez precisa ser feita na sua própria vida se quiser ser um vaso útil pelo qual Deus possa trabalhar para trazer um milagre na vida de alguém.

Não há nenhuma fórmula, só a habilidade de Deus de criar do nada, de trazer vida da morte. Muitas vezes Deus vai permitir que a pessoa com quem você está orando e “ensinando a obedecer” os mandamentos de Cristo, seu “Lázaro”, ficar no fedor da morte por um bom tempo para que seja bem claro a incapacidade do homem em ressuscitar alguém dos mortos. Deus deleita-se em trazer glória ao Seu nome tirando a pedra que está em frente dos nossos mausoléus ornamentados e cumprindo o impossível em nossas vidas. Não existe uma fórmula mágica, só o EU SOU. Sua missão, se a aceitar, é fazer do seu coração um veículo para o Deus Eterno em misericórdia e poder.

Então, qual é o coração do apóstolo Paulo em como lidar com um irmão ou irmã que ainda vive buscando os prazeres deste mundo?

Manda Bala! Né? Desce o porrete!

É verdade que Paulo tratou severamente com “qualquer que, dizendo-se irmão, mas que seja imoral, avarento, idólatra (de trabalho, bens, recreação ou família), caluniador (alguém “ajudando Deus” com sua crítica e reclamação constante), alcoólatra, ou ladrão” (1Co 5:11). Ele teve tal coragem e convicção da Verdade de Deus que podia dizer com ousadia: “Pois as reuniões de vocês mais fazem mal do que bem” (1Co 11:17). E “Irmãos, não lhes pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a crianças em Cristo” (1Co 3:1). Ele teve a coragem de se opor e admoestar toda desobediência e criancice perpétua. Sua utilidade para Deus será determinada pela sua disposição de pagar o preço em se posicionar e não frivolamente deixar homens e mulheres difamar o nome do Deus da Glória, negligenciar sua Santidade e presumir em Sua graça. Como Paulo nosso irmão, “um homem como nós”, devemos ter a ousadia de nos envolver.

Agora, antes de mergulharmos de cabeça nesta questão de “fazer a obra do Espírito Santo (encorajar, exortar, admoestar) uns aos outros todos os dias de modo que nenhum de vocês seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3:13; 12:15), precisamos cuidadosamente examinar o coração de Paulo com a sua família em Corinto. É esse fator que realmente vale mais quando ajudamos outros crescerem nAquele que é o Cabeça. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

O que Você Faz com a Imoralidade

Jim Elliff

Quando o apóstolo Paulo ouviu que havia imoralidade na igreja de Corinto, ficou perplexo. A imoralidade era tal, que até a sensibilidade do mundo pagão seria ofendida - Há “quem se atreva a possuir a mulher de seu próprio pai” (1 Co 5.1). Todavia, a admiração de Paulo se devia, em grande parte, ao fato de que a igreja tolerou isso como um símbolo de honra. A igreja havia distorcido de tal modo o significado do amor, que se orgulhava de aceitar tais pessoas. “Contudo, andais vós ensoberbecidos e não chegastes a lamentar…?”, exclamou Paulo.

Este episódio revelador na história da igreja primitiva, encontrado em 1 Coríntios 5, não poderia ser mais relevante.Como disse Paulo: “Não é boa a vossa jactância”. A idéia de que algumas associações de cristãos professos conduz atualmente à luta em favor de uniões de pessoas do mesmo sexo, homossexualidade no sacerdócio e outras práticas que mitigam contra a pureza sexual e os laços do matrimônio certamente evocaria a justa indignação de Paulo, se estivesse vivo hoje.

A igreja não é um clube de voluntários formado de pessoas de qualquer convicção ou comportamento, uma entidade sem caráter, pronta a aceitar qualquer pessoa que deseja se unir no regozijo e excitação. É uma sociedade séria que possui limites. É para aqueles que foram vivificados por Deus, confessaram essa mudança publicamente, por meio do batismo, e estão comprometidos a andar em obediência e arrependimento todos os dias de sua vida. A igreja é uma união repleta de amor, não apenas de sentimentalismo - um amor que exige santidade (2 Tm 1.9; Gl 5.13; Rm 6.1).

Paulo apresenta uma lista dos limites da comunhão cristã nesta passagem. Entre os que a igreja deveria remover e com os quais não se deveria associar, estava “alguém que, dizendo-se irmão, for impuro, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador…”

Então, o que devemos fazer quando encontramos imoralidade dentro da igreja? Não pode haver engano quanto à resposta:

* Seja “tirado do vosso meio quem tamanho ultraje praticou”.
* Seja “entregue a Satanás”. (Isto significa: ao ser removido de seu meio, a igreja deixa tal pessoa no mundo e sob o controle de Satanás.)
* “Já em carta vos escrevi que não vos associásseis com os impuros.”
* “Com esse tal, nem ainda comais.”
* “Expulsai… de entre vós o malfeitor.”

No caso de pecados tão notórios como a imoralidade, a disciplina da igreja tem de ser imediata e decisiva. Por quê? Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Corinto – Uma Igreja com Problemas de Disciplina: Uma Análise de 1 Coríntios 5

Augustus Nicodemus Lopes

O Contexto de Corinto
A igreja de Corinto era uma igreja que havia sido muito abençoada por Deus em diversos aspectos. Quando Paulo inicia esta carta ele reconhece, no capítulo primeiro, que Deus havia abençoado a igreja com toda sorte de bênçãos espirituais, de dons espirituais, ao ponto de “não lhes faltar dom nenhum”. Corinto era uma igreja carismática no sentido bíblico da palavra, ou seja, tinha os “carismas” do Espírito de Deus, os dons, através dos quais desenvolvia seu serviço prestando culto a Deus e cumprindo a sua missão neste mundo. Infelizmente, por motivos que desconhecemos, esta igreja de Corinto, que havia sido fundada pelo apóstolo Paulo, com menos de três anos de fundada começou a desviar-se dos padrões de conduta e de doutrina que o apóstolo havia estabelecido por ocasião de sua fundação.  

Os Problemas de Corinto

1) Divisões

Paulo estava no seu último ano de ministério na cidade de Éfeso, quando recebe informações de que a igreja de Corinto não estava indo muito bem. As informações eram muitas e poucas delas eram boas. Paulo soube que havia divisões na igreja, que estava dividida em 4 grupos. Grupos que se formaram em torno de personalidades, de pessoas que tinham tido uma participação no passado recente da igreja, com o próprio Paulo e Apolo (cap. 3:4). Havia até um grupo que talvez fosse o mais perigoso deles que era o “grupo de Cristo” (‘…e eu, de Cristo” Cap 1:12). Eles diziam que não eram seguidores de homem algum e sim de Cristo. Era como se dissessem: não queremos estar debaixo da orientação ou da instrução e autoridade de qualquer homem porque recebemos tudo diretamente de Cristo. Alguns estudiosos têm identificado este grupo como o “grupinho dos espirituais” que falavam em línguas e se gloriavam por terem experiências extraordinárias; que não aceitavam a autoridade de Paulo na igreja e outras coisas mais.  

2) Problemas doutrinários

A igreja tinha todas estas divisões e além disso tinha problemas de ordem doutrinária. Um grupo não aceitava a ressurreição dos mortos (cap. 15). Havia um espírito faccioso naquela igreja; existiam problemas com respeito à doutrina da liberdade cristã ( 10:28). “Será que posso comer carne sacrificada aos ídolos”? Os “fortes” diziam que sim e subestimavam os “fracos”. Havia problemas com respeito às questões do casamento (cap. 7): O que é mais espiritual? Casar ou ficar solteiro?
A igreja estava dividida por uma série de problemas que se refletiam no culto. Os “espirituais” falavam línguas sem interpretação para a igreja e desta forma não edificavam (14:5); os profetas falavam, mas não havia ordem de quem deveria falar primeiro (14:29, 32); as mulheres entusiasmadas estavam querendo tirar qualquer sinal de que há uma diferença entre homem e mulher dentro da ordem da criação de Deus (11:8-9); na hora da Santa Ceia havia pessoas que até se embriagavam (11:21) e participavam do sacramento sem ter o espírito apropriado. Corinto era uma igreja com graves complicações. Mas, mesmo considerando isso, era uma igreja que se gloriava de ser “espiritual”. Afinal, muitos, na concepção deles, não tinham os dons que indicavam a presença do Espírito Santo? Muitos não estavam falando em línguas durante o culto (Cap. 14)? Outros não estavam profetizando e trazendo palavra de revelação? A igreja pensava que era espiritual e considerava-se assim apesar de estar toda minada de problemas.  

3) Problemas Morais

Entre os problemas mencionados havia também problemas morais. Havia um irmão que estava processando outro num tribunal secular (6.4). Talvez a igreja não tenha se interessado o suficiente. A verdade é que não chegaram a um acordo e talvez por questão de terra ou talvez de dinheiro e negócios, este irmão estava em litígio com outro. Por isso estava processando-o no tribunal da cidade. Com esta atitude estava expondo o Evangelho à vergonha diante dos ímpios (v. 6).
Havia um grupo que estava voltando à prática da prostituição religiosa (6:18-19), o que era comum na cidade de Corinto. Isso era praticado nos templos onde se cultuava a deusa Afrodite. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.