Wordpress Themes

Conservando a Pureza da Doutrina Pentecostal - Pb. Cleiton José

INTRODUÇÃO:

Nestes cem anos de existência,devemos comemorar o grande desenvolvimento das Assembléias de Deus em todos os aspectos,mas devemos nos preocupar com modismos que tem levado algumas igrejas a deixarem de lado a pureza da doutrina pentecostal.Nesta lição destacaremos a importância de conservarmos  o real pentecostes.

1-FALSOS DOUTORES E PROFETAS

Uma avalanche de heresias

Mesmo os cristãos mais zelosos precisam tomar cuidado para não serem enredados por quaisquer mentiras; todos corremos o risco de aceitar um pensamento ou conceito que não sejam bíblicos. Até mesmo o óleo, um copo com água ou um lenço podem desviar-nos da fé pura no verdadeiro Deus! Uma invenção nova pode tomar o lugar da verdadeira e sã doutrina! O Senhor Jesus advertiu: “Vede que ninguém vos engane. Porque muitos virão em meu nome…” (Mt 24:4); o apóstolo Paulo foi rigoroso ao denunciar os falsos mestres que se levantavam no meio dos crentes para ensinar falsas doutrinas, considerando-os desviados, mentirosos (1 Tm 1:6, 4:3) e insubordinados (Tt 1:10). João escreveu que os anticristos saem do meio dos crentes (1 Jo 2:19) e que não se deve dar crédito a qualquer espírito, mas antes, se deve prová-los (1 Jo 4:1). A Bíblia nos alerta sobre estes perigos iminentes, que a princípio parecem expressões inofensivas, mas que nos lembram as palavras do apóstolo Paulo: “… não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro” (Ef 4:14). Mas, ao invés, cresçamos no “conhecimento e na graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2 Pe 3:18).

Falsos mestres e falsos profetas

No fim do capítulo um de sua segunda epístola, Pedro disse que os profetas do Velho Testamento foram movidos (guiados) pelo Espírito Santo. Contudo, ele observa no capítulo 2 que havia falsos profetas (homens declarando falsamente estarem falando por Deus) no meio do povo de Israel e haverá falsos mestres entre os cristãos. É claro que estes falsos mestres são cristãos que decaíram do Senhor. Eles negam que o Senhor os resgatou do pecado (2:1). Infelizmente, outros discípulos serão enganados por eles e os seguirão (2:2-3). Pedro escreve que estes faltos mestres certamente serão punidos pelo Senhor (2:1,3,9-10,12,17).
Para que ninguém pense que estes falsos mestres podem per-manecer escondidos no meio da igreja, Pedro afirma a capacidade do Senhor para separar os justos dos injustos, punindo os injustos e preservando os retos (2:4-9). Para ilustrar este ponto, Pedro cita os exemplos de anjos que pecaram (2:4; veja também Judas 6), Noé e sua família (2:5) e Ló (2:6-8). Os anjos rebeldes estão reservados para o julgamento. Noé e sua família foram salvos do dilúvio enquanto o resto da humanidade foi afogada. Ló foi resgatado de Sodoma, mas a cidade inteira foi completamente destruída. Pedro é cuidadoso ao notar a retidão de Noé e Ló.Pedro descreve o caráter destes falsos mestres. Eles são arrogantes e não têm respeito pela autoridade (2:10,18). Eles são indivíduos gananciosos, tirando lucro financeiro dos seus “discípulos” (2-3S “movidos por avareza, farão comércio de vós”; 2:14S “tendo coração exercitado na avareza”; 2:15S seguiram no erro de Balaão que queria lucrar amaldiçoando Israel). Além disso, eles são culpados de imoralidade (2:10S “imundas paixões”; 2:13S “sua luxúria carnal”; 2:14S “tendo os olhos cheios de adultério”).
Pedro descreve vivamente a situação daqueles que deixam Cristo e retornam ao mundo. Eles se tornam escravos da corrupção (2:19). O último estado destas pessoas (mais uma vez enredados no pecado) é pior do que o primeiro. Tendo sido libertados da corrupção do mundo através do seu conhecimento de Cristo, se retornam a estas contami-nações, eles são com-paráveis ao cão que retorna para comer seu próprio vômito e o porco lavado que retorna ao lamaçal (2:20-22). Que mais tem o evangelho para oferecer àqueles que rejeitaram Jesus Cristo? Absolutamente nada!

A falta do estudo bíblico no meio pentecostal

Estudar a Bíblia não é apenas lê-la. É aproveitar lições preciosas para o crescimento espiritual, extraindo alimento para a alma. A Bíblia é o Livro de Deus. Ela é a mensagem de Deus para todas as pessoas, em todos os tempos, em todos os lugares. Deus amou o mundo. “[…] Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade” (1 Tm 2.3,4). A Bíblia é a revelação especial de Deus para a humanidade. Ainda que seja o livro mais editado, no mundo, ao longo dos tempos, é, ainda, o livro menos conhecido de muitos povos e nações. O desejo de Deus é que a sua Palavra chegue a todo o ser humano, para que seja lido, apreciado e estudado.
Ler, de uma forma geral, significa passar a vista pelas palavras de um texto. Ler a Bíblia já é algo bastante proveitoso para quem tem a oportunidade de ter o Livro Sagrado em suas mãos. Há povos não-alcançados pelo evangelho de Cristo que jamais tiveram um só exemplar da Bíblia nas mãos de qualquer pessoa. Graças a Deus, no mundo Ocidental, em que (ainda!) há liberdade de culto, existem pessoas que possuem não só um exemplar, mas muitos, da Bíblia Sagrada.
Quando os crentes não lêem, nem tampouco estudam a Bíblia, portam-se como meninos espirituais. Daí, porque há tanto emocionalismo, em muitas igrejas locais. É a falta de conhecimento. Por falta de conhecimento bíblico, há muitos que se deixam levar por “vento de doutrina”, ou seja, por modismos passageiros, que têm levado muitos à ruína espiritual.
Há igrejas locais, ou denominações, que chegam ao absurdo de dizer que o verbo pedir (gr. sôzo) é a mesma coisa que “exigir”. E muitos, por falta de conhecimento, querem por Deus “no canto da parede”, “exigindo” seus direitos! Diz Paulo: “Até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente” (Ef 4.13,14).
Diz a Palavra: “Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor: como a alva, será a sua saída; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os 6.3). No meio pentecostal, e mais especialmente, no meio neopentecostal, há uma grande superficialidade entre grande parte dos fiéis. Por falta de estudo, bem como de ensino da Palavra de Deus, é que os modismos e invencionices têm tomado conta de muitas igrejas locais. Diz a Bíblia: “A sabedoria é a coisa principal; adquire, pois, a sabedoria; sim, com tudo o que possuis, adquire o conhecimento” (Pv 4.7). A falta de conhecimento da Palavra de Deus leva à destruição: “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento” (Os 4.6a).

2-A SUTILEZA DE SATANÁS NO FIM DOS TEMPOS

Os ardis de satanás

Seus disfarces. Desde a fundação da Igreja, os falsos mestres vêm disfarçando-se entre os filhos de Deus para disseminar suas heresias. Jesus disse que os mestres do erro apresentam-se “vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores” (Mt 7:15). A Bíblia classifica os tais como “falsos apóstolos” e “obreiros fraudulentos”, identificando-os como agentes de Satanás que se transfiguram “em ministros de justiça” (II Co 11:13-15). Devemos, por isso, acautelar-nos deles.
MATEUS 7:15 Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.
II CORÍNTIOS 11:13-15 13 Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. 14 E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. 15 Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras.
Suas estratégias. Os expositores sectários preocupam-se com a aparência, pois costumam apresentar o seu movimento como um paraíso perfeito (II Tm 3:5). Infelizmente, muitos são os que caem nessas armadilhas. Uma vez fisgados por eles, dificilmente conseguem libertar-se, uns por causa da lavagem cerebral que recebem, outros em razão do terrorismo psicológico e da pressão que sofrem de seus líderes. Seus argumentos são recursos retóricos bem elaborados e persuasivos, para convencer o povo a crer num Jesus estranho ao Novo Testamento (II co 11:3).
II TIMÓTEO 3:5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
II CORÍNTIOS 11:3 Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.

Palavras persuasivas

Os falsos mestres, a quem o apóstolo se refere, estavam envolvidos com o legalismo judaico: circuncisão (Cl 2:11), preceitos dietéticos e guarda de dias (Cl 2:16). Há também várias referências ao gnosticismo (Cl 2:18, 23). O verbo grego paralogizomai, “enganar, seduzir com raciocínios capciosos”, descreve com precisão a perícia dos falsos mestres na exposição de suas heresias. O nosso cuidado deve contínuo para não nos tornarmos presas desses doutores de engano.
COLOSSENSES 2:11, 16, 18, 23 11 No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, a circuncisão de Cristo; … 16 Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, … 18 Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão, … 23 As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne.
O apóstolo insiste que devemos andar de acordo com o evangelho, a fim de ficarmos arraigados, edificados e firmados na Palavra de Deus. Entretanto, a mensagem dos agentes de Satanás é sempre contra tudo o que cremos, pregamos e praticamos. Às vezes, há alguns pontos aparentemente, comuns entre nós e eles, e nisso reside o perigo, visto que é por onde tais ensino se introduzem.
COLOSSENSES 2:6-7 6 Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele, 7 Arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, nela abundando em ação de graças.
A mensagem do evangelho é simples e qualquer ser humano independentemente de seu preparo intelectual e origem, é capaz de entender; basta dar lugar ao Espírito Santo, que convence o homem “do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16:8). A conversão ao cristianismo não é resultado de estratégia de marketing, nem de técnicas persuasivas (I Co 2:4). Não é necessário, portanto, um “curso de lógica” para alguém ser salvo ou entender os princípios da fé cristã.
I CORÍNTIOS 2:4 A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder;

“Ninguém vos faça presa sua”

O significado de “presa” revela o que acontece, ainda hoje, com os adeptos das seitas. O verbo grego sylagõgeõ, “levar como despojo, prisioneiro de guerra, sequestro, roubo”, descreve o estado espiritual dos que seguem os falsos mestres. Um dos objetivos dos promotores de heresias é escravizar suas vítimas para terem domínio sobre elas (Cl 2:18; Gl 4:17). Hoje, muitos estão nos grilhões das seitas como verdadeiros escravos.
COLOSSENSES 2:8, 18 8 O qual nos declarou também o vosso amor no Espírito. … 18 E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência.
GÁLATAS 4:17 Eles têm zelo por vós, não como convém; mas querem excluir-vos, para que vós tenhais zelo por eles.
“Por meio de filosofias” (v. 8b). Não há indícios de que o apóstolo esteja fazendo alusão às escolas filosóficas da Grécia. O estoicismo e o epicurismo eram as filosofias predominantes do mundo romano na era apostólica e são mencionadas em O Novo Testamento (At 17:18). “As filosofias” de que Paulo trata são conceitos mundanos, contrários à doutrina e à ética cristã. Qualquer sistema de pensamento, ou disciplina moral, era, naqueles dias, chamado de “filosofia”.
ATOS 17:18 E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição.
“Vãs sutilezas” (v. 8c). Engano e sutileza, nesse contexto, significam a mesma coisa. A palavra grega usada para sutileza é apatê, isto é, “engano” (Ef 4:22), “sedução” (Mt 13:22). É usada para referir-se a pessoas de conduta enganosa e embusteira que levam outras ao engano. É mediante tais recursos que os mestres do erro conduzem suas vítimas ao desvio. Tais sutilezas impedem as pessoas de verem a verdade e, como consequência, tornam-se cativas das astúcias de Satanás.
EFÉSIOS 4:22 Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano;
MATEUS 13:22 E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera;
“Segundo a tradição dos homens” (v. 8d). Não é a tradição apostólica nem judaica, mas um sincretismo de elementos cristãos, judaicos e pagãos: angeolatria e ascetismo, por exemplo. Eram práticas que se opunham ao evangelho. Trata-se de tradição humana, ao passo que o evangelho veio do céu (Gl 1:11-12).
GÁLATAS 1:11-12 11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens. 12 Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.

3-A IGREJA É GUARDIÃ DA SÃ DOUTRINA

A sã doutrina

Paulo instruiu Tito, no capítulo um, a auxiliar as igrejas da ilha de Creta a identificar e escolher presbíteros. Uma das responsabilidades de tais homens seria confrontar indivíduos que estavam desencaminhando outros pelos seus ensinamentos de fábulas judaizantes e mandamentos dos homens. Enquanto essas pessoas professavam que “conheciam” Deus, elas negavam sua própria afirmação por sua desobediência (1:10-16). Agora, no capítulo 2, Paulo ordena a Tito que ensine, em contraste, como as pessoas devem comportar-se. Ele se refere a este tipo de ensinamento como “sã doutrina” porque, se seguida, ela levará os cristãos a manterem a saúde espiritual. Paulo aborda a conduta e as responsabilidades dos cristãos nas bases de idade, sexo e emprego. Primeiro, ele descreve o papel dos mais velhos, e então das mais velhas (2:2-3). Ele esmiuça as responsabilidades das mulheres mais jovens observando que as mulheres mais velhas deveriam ensiná-las (2:4-5). A seguir, ele passa aos moços em geral no versículo 6 e a Tito especialmente no versículo 7. Finalmente, ele conclui esta parte descrevendo a conduta apropriada dos servos (2:9-10). Ainda que suas instruções dadas a um grupo obviamente não sejam totalmente diferentes daquelas dadas a outro grupo, Paulo aborda necessidades específicas e tentações dos vários grupos (por exemplo, roubo entre servos, falta de submissão entre viúvas, integridade entre jovens; 2:5,7,10). Um motivo forte para se comportarem de acordo com a sã doutrina era evitar qualquer ocasião para os incrédulos acusarem os discípulos de impiedade (2:5, 8). Em vez de fazerem com que a palavra de Deus fosse difamada pela conduta pecaminosa, os cristãos poderiam “adornar” a doutrina de Cristo através de sua obediência (2:10). Paulo continua observando em geral por que os cristãos deveriam viver de acordo com a sã doutrina (2:11-14). Deus demonstrou sua graça para com a humanidade enviando seu Filho para morrer na cruz. Jesus morreu para redimir os homens de sua iniqüidade, assim provendo para ele próprio um povo especial purificado e zeloso das boas obras (veja Efésios 5:25-27). A mensagem do evangelho é que podemos tornar-nos parte deste povo especial se quisermos deixar a impiedade e as paixões pecaminosas do mundo e viver de acordo com a sã doutrina.
Examinemos tudo.
Examinar tem o sentido original de “provar”. No grego,esta palavra é dokimazõ,com sentido de  ”provar”,”julgar”,”examinar”,”interpretar” ou “apurar”.No texto de 1Ts 5.21, o apóstolo exortou os crentes a que examinassem tudo o que lhes fosse apresentado,de modo crítico,à luz da palavra que lhes fora ensinada.Mediante o exame acurado das coisas,deveriam aproveitar somente o “bem”,ou seja,aquilo que fosse bom para suas vidas renovadas,como libertos por Cristo.Numa versão bem popular,poder-se-ia dizer que Paulo aconselhou a “comer o peixe mas deixar as espinhas”.Neste centenário devemos identificar a origem de certos movimentos que tem surgido e sua procedência.
Sólido mantimento

Ao ser regenerado, experimentar o novo nascimento, o crente se torna uma criança espiritual que pode crescer em vida. No começo, essa criança toma leite, depois, mais crescida, pode comer alimento sólido. Assim como lemos em Hebreus 5:12: “Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao tempo decorrido, tendes, novamente, necessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite e não de alimento sólido”. Um bebê toma somente leite. Os versículos 13-14 dizem: “Ora, todo aquele que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança. Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal”. Em Efésios 4, lemos que, por conhecer mais a Cristo, crescemos, pouco a pouco, para nos tornar adultos. Precisamos avançar além dos princípios elementares. O encargo do apóstolo era que a igreja crescesse em vida, não fosse mais a mesma dos primeiros tempos nem vivesse na esfera anímica. Os irmãos ali precisavam crescer! Assim como um bebê precisa tomar leite para crescer, nós, como filhos de Deus, precisamos estar no espírito para crescer. Os efésios não conseguiam crescer porque viviam na alma, discutindo doutrinas e mais doutrinas entre si, coisas estas que tornam-nos cada vez mais infantis. O que precisamos é ser levados para o espírito. O crescimento de vida também se relaciona com negar a nós mesmos e perder a vida da alma. No espírito conhecemos a Cristo e assim a nossa vida cresce; porém, se não permanecemos no espírito, certamente estaremos em nossa alma e, conseqüentemente, não ganhamos vida. Ganhamos vida somente no espírito, quando invocamos o nome do Senhor e lemos-oramos Sua Palavra. Para crescer em vida não nos basta ter espírito forte; ainda precisamos da Palavra de Cristo

CONCLUSÃO

Como atalaias devemos está atentos,pois vivemos em tempos trabalhosos e só buscando o alimento adequado conseguiremos vencer.

BIBLIOGRAFIA

1 e 2 Tessalonicenses - Elinaldo Renovato
Lições Bíblicas- 2º trimestre de 2006
http://www.estudosdabiblia.net
http://www.webservos.com.br

EBDistas
Pb.Cleiton José

Publicado no blog EBDistas

converter em pdf.

Comente.